Intensidade da dor após aplicação de somatropina humana recombinante: estudo comparativo de não-inferioridade, randomizado e cruzado/Pain intensity after application of recombinant human somatropin: a comparative study of non-inferiority, randomized and crossed

Sérgio Alberto Cunha Vencio, Giuliana Haddad Taralli de Mendonça, Larissa Fontes Generoso, Douglas Costa Morais, Karen Sacoman Barbosa, Antonio Carlos Amedeo Vattimo, Meirenice Oliveira da Silva, Florencia Amato, Roberto Alejandro Diez, Cristiane Cremiude Ribeiro-Fernandes, Stevin Parreira Zung

Abstract


Objetivo: Baixa estatura patológica é uma condição idiopática na faixa etária pediátrica, com consequências psicológicas e cardiometabólicas. A adesão é um fator determinante para o sucesso no tratamento da deficiência de hormônio do crescimento, e a ocorrência de dor no local de aplicação pode levar a não adesão ao tratamento. O objetivo principal deste estudo de não inferioridade foi avaliar a intensidade da dor após a aplicação e o secundário, a segurança de duas formulações da somatropina humana recombinante. Método: Estudo clínico randomizado, duplo-cego, controlado e cruzado. Sádios adultos com fototipo Fitzpatrick 2 a 4 foram randomizados para receber duas formulações de somatropina, teste (T) e comparador (R).Foram administrados 4UI na dose única durante dois dias consecutivos em braços alternados, na sequência TR ou RT. A intensidade do dor foi atingida pelo EVA (escala visual analógica) de 0 a 10 cm e a segurança, pela incidência de eventos adversos (EA). Resultados: 68 participantes foram randomizados e 66 concluíram o estudo. Em relação ao dor, foi demonstrada não inferioridade entre os medicamentos T e R, tanto no momento da aplicação, quanto no escore acumulado (p = 0,1586 e 0,0545, IC90%), e na estratificação por sequência (p = 0 , 8733 e 0,8186, IC90%) e período (p = 0,5105 e 0,2158, IC90%). Não houve diferença significativa na frequência de EA entre os controles. Conclusão: A intensidade do dor induzida foi semelhante entre os testes de teste e comparador.Eventos adversos incidem também em ambos os controles. NCT03634514 Resultados: 68 participantes foram randomizados e 66 concluíram o estudo. Em relação ao dor, foi demonstrada não inferioridade entre os medicamentos T e R, tanto no momento da aplicação, quanto no escore acumulado (p = 0,1586 e 0,0545, IC90%), e na estratificação por sequência (p = 0,8733 e 0,8186, IC90%) e período (p = 0,5105 e 0,2158, IC90%). Não houve diferença significativa na frequência de EA entre os controles. Conclusão: A intensidade do dor induzida foi semelhante entre os testes de teste e comparador. Eventos adversos incidem também em ambos os controles. NCT03634514 Resultados: 68 participantes foram randomizados e 66 concluíram o estudo. Em relação ao dor, foi demonstrada não inferioridade entre os medicamentos T e R, tanto no momento da aplicação, quanto no escore acumulado (p = 0,1586 e 0,0545, IC90%), e na estratificação por sequência (p = 0,8733 e 0,8186, IC90%) e período (p = 0,5105 e 0,2158, IC90%). Não houve diferença significativa na frequência de EA entre os controles. Conclusão: A intensidade do dor induzida foi semelhante entre os testes de teste e comparador. Eventos adversos incidem também em ambos os controles. NCT03634514 e estratificação por sequência (p = 0,8733 e 0,8186, IC90%) e período (p = 0,5105 e 0,2158, IC90%). Não houve diferença significativa na frequência de EA entre os controles. Conclusão: A intensidade do dor induzida foi semelhante entre os testes de teste e comparador. Eventos adversos também ocorrem nos dois controles. NCT03634514 e estratificação por sequência (p = 0,8733 e 0,8186, IC90%) e período (p = 0,5105 e 0,2158, IC90%). Não houve diferença significativa na frequência de EA entre os controles. Conclusão: A intensidade do dor induzida foi semelhante entre os testes de teste e comparador. Eventos adversos também ocorrem nos dois controles. NCT03634514


Keywords


somatropina humana recombinante, dor no local da aplicação, adesão ao tratamento.

References


RANKE, M.B; WIT, J.M. Growth hormone - past, present and future. Nat Rev Endocrinol. 2018;14(5):285–300.

NATIONAL INSTITUTE FOR HEALTH AND CLINICAL EXCELLENCE. NICE technology appraisal guidance 188: human growth hormone (somatropin) for the treatment of growth failure in children 2010 (review). Disponível em: https://www.nice.org.uk/guidance/TA188. Acesso em: junho 2019.

HAVERKAMP, F.; JOHANSSON, L.; DUMAS, H. et al. Observations of nonadherence to recombinant human growth hormone therapy in clinical practice. Clin Ther. 2008;30(2):307–316.

LANES, R. Long-term outcome of growth hormone therapy in children and adolescents. Treat Endocrinol. 2004;3(1):53–66.

FITZPATRICK, T.B. The validity and practicality of sun-reactive skin types I through VI. Arch Dermatol. 1988;124(6):869–871.

NASH, P.; VANHOOF, J.; HALL S, et al. Randomized Crossover Comparison of Injection Site Pain with 40 mg/0.4 or 0.8 mL Formulations of Adalimumab in Patients with Rheumatoid Arthritis. Rheumatol Ther. 2016;3(2):257–270.

CHIEN, C.W.; BAGRAITH, K.S.; KHAN, A.; DEEN, M.;STRONG, J. Comparative responsiveness of verbal and numerical rating scales to measure pain intensity in patients with chronic pain. J Pain. 2013;14(12):1653–1662.

BAGNASCO, F.; DI IORGI, N.; ROVEDA, A. et al. Prevalence and correlates of adherence in children and adolescents treated with growth hormone: a multicenter italian study. Endocr Pract. 2017;23(8):929-41.

IUGHETTI, L.; TORNESE, G.; STREET, M.E. et al. Long-term safety and efficacy of Omnitrope®, a somatropin biosimilar, in children requiring growth hormone treatment: Italian interim analysis of the PATRO Children study. Ital J Pediatr. 2016;42(1):93.

SCHWARZ, H.P.; WALCZAK, M.; BIRKHOLZ-WALERZAK, D. et al. Two-Year Data from a Long-Term Phase IV Study of Recombinant Human Growth Hormone in Short Children Born Small for Gestational Age. Adv Ther. 2016;33(3):423–34.

MUKHI, D.; NISHAD, R.; MENON, R.K.; PASUPULATI, A.K. Novel Actions of Growth Hormone in Podocytes: Implications for Diabetic Nephropathy. Front Med (Lausanne) 2017;4:102.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-180

Refbacks

  • There are currently no refbacks.