Sífilis congênita e seu atual “Caminhar” pelo Brasil/Congenital syphilis and its current "Walk" in Brazil

Carolina Gomes dos Santos, Palloma Cristina Santarosa, Luiz Cesar Gerotto Junior, Tauane Letícia Pinto Zanelli, Jucilene Casati Lodi, Clarice Santana Milagres

Abstract


A sífilis é uma doença crônica e com crescente incidência de casos no país, sendo um importante problema de saúde pública. É notificada compulsoriamente desde 2010, o que tem auxiliado a traçar um perfil epidemiológico da mesma, identificando e analisando a incidência e prevalência dos casos no Brasil através de um estudo simplificado, descritivo, transversal, de abordagem quantitativa do período de 1979-2007 a 2018 de acordo com dados sobre as notificações compulsórias extraídos no sítio eletrônico do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Segundo o DATASUS, entre os anos de 2007 a 2018 aproximadamente 2% do total de casos confirmados de SC evoluíram à óbito. A maioria dos casos confirmados de SC evoluíram com a sobrevivência da criança, equivalentes a aproximadamente 92,5% dos casos. Durante o pré-natal, é alta prevalência de casos confirmados de sífilis materna. Após o parto, os casos confirmados de sífilis materna foram relativamente estáveis, tendo a partir de 2008 números de novos casos confirmados um aumento seguindo desta forma até 2011. A relação da faixa etária e ano de diagnóstico aponta que ao decorrer dos anos é notável um aumento de aproximadamente quatro vezes o número de casos no intervalo analisado, com incidência de casos confirmados concentrados na faixa etária de até 6 dias de vida. De acordo com as regiões, houve grande aumento no número de notificações em determinadas regiões, havendo diferença quando comparado a outras com menor número de população residente. A SC apresenta dificuldades para ser erradicada, permanecendo ainda como um problema de saúde pública e um agravo de preocupação mundial e encontrou-se a complexidade em diferenciar se a alta prevalência da doença se dá por sua obrigatoriedade de notificação e por maior facilidade de diagnóstico ou se as crescentes taxas se dão por aumento da contaminação pela doença.


Keywords


sífilis congênita, incidência, prevalência

References


ARAUJO, Cinthia Lociks de et al. Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev. Saúde Pública. São Paulo, v. 46, n. 3, p. 479-486, junho 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003489102012000300010&lng=en &nrm=iso. Acesso em: 03 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de DST/AIDS. Diretrizes para controle da sífilis congênita: manual de bolso. Secretaria de Vigilância em Saúde. 2. ed. Brasília, 2006. 72p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_sifilis_bolso.pdf. Acesso em: 07 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico: Sífilis 2016. Secretaria de

Vigilância em Saúde. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde, v. 47, n. 35, 2016. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2016/outubro/31/2016_030_Sifilispublicao2.pdf

Acesso em: 28 out. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico: Sífilis 2017. Secretaria de Vigilância em Saúde. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde, v. 48, n. 36, 2017. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/13/BE-2017038-Boletim-Sifilis-11-2017-publicacao-.pdf. Acesso em: 03 abr. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes para o controle da sífilis congênita, Brasília. Disponível em: . Acesso em: 06 abr. 2018

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e Sífilis. Secretaria de Vigilância em Saúde.

Brasília, 2006. 124 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/PROTOCOLO_PREVENCAO_HIV_SIFILIS.pdf.

Acesso em: 30 out. 2017.

CAMPINAS. Prefeitura Municipal de. Secretaria Municipal de Saúde. Nota técnica: Orientações para uso de penicilina benzatina associada a lidocaína 2% para gestantes com sífilis e seus parceiros. Campinas, 2017. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2019.

COSTA CC, Freitas VL, Sousa Nascimento MD, Oliveira LL, Chagas AMCA, Lopes Oliveira VM, Damasceno Castro KA. Sífilis Congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Revista da escola de enfermagem da USP, São Paulo. 2013; 47(1). Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S008062342013000100019. Acesso em 30 out. 2018.

DANTAS, L. A.; JERÔNIMO, S. H. N. DE M.; TEIXEIRA, G. A. T. A.; LOPES, T. R. G.; CASSIANO, A. N.; CARVALHO, J. B. L. DE. Perfil epidemiológico de sífilis adquirida diagnosticada y notificada en hospital universitário materno infantil. Enfermería Global, v. 16, n. 2, p. 217-245, 28 mar. 2018.

DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira; LEAL, Maria do Carmo. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 6, e00082415, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00082415. Acesso em 08 maio 2019.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas S.A, 2002. p.41-2. Disponível em: http://www.urca.br/itec/images/pdfs/modulo%20v%20%20como_elaborar_projeto_de_pesquisa_-_antonio_carlos_gil.pdf. Acesso em: 06 nov. 2018.

FRANCA, Elisabeth Barboza et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 20, supl. 1, p. 46-60, maio 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/edicoes-2018/is-n-01/2597-mortalidade-infantil#. Acesso em: 24 abr. 2019.

São Paulo, Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids. GUIA DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS E PROGRAMÁTICAS PARA AS AÇÕES DO PLANO DE ELIMINAÇÃO DA SÍFILIS CONGÊNITA & S. São Paulo, 2010. 196 p. Disponível em: . Acesso em: 04 mai. 2019.

LIEHR, Patrícia R.; MARCUS, Marianne T. Abordagens de Pesquisa Qualitativa. In: LoBiondo-Wood, Geri; HABER, Judith. Pesquisa em Enfermagem: Métodos, Avaliação Crítica e Utilização. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A, 2001. Cap.9. p.123.

LIMA MG, Santos RFR, Barbosa GJA, Ribeiro GS. Incidência e fatores de risco para sífilis congênita em Belo Horizonte, Minas Gerais, 2001-2008.Ciência & Saúde

Coletiva, Rio de janeiro. 2013; 18(2). Disponível

em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232013000200021&lng =pt&nrm=iso. Acesso em16 jan. 2018.

MAGALHÃES SMD, Kawaguichi LAN, Dias A, Calderon PMI.Sífilis materna e congênita ainda um desafio. Caderno de saúde pública, Rio de Janeiro. 2013; 29(6). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2013000600008&ln g=pt&nrm=iso. Acesso em: 12 fev. 2018.

PIRES, ACS. Ocorrência de sífilis congênita e os principais fatores relacionados aos índices de transmissão da doença no brasil da atualidade - revisão de literatura. Revista uningá review, [s.l.], v. 19, n. 1, jan. 2018. issn 2178-2571. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2019.

SÃO PAULO, Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids. Guia de referências técnicas e programáticas para as ações do plano de eliminação da sífilis congênita & S. São Paulo, 2010. 196 p.

SOUSA, Deise Maria Nascimento et al. Sífilis congênita: reflexões sobre um agravo sem controle na saúde mãe e filho. Revista de enfermagem UFPE on line-ISSN: 1981-8963, v. 8, n. 1, p. 160-165, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-178

Refbacks

  • There are currently no refbacks.