Perfil epidemiológico da tuberculose pulmonar no estado de Goiás no período de 2010 a 2015 / Epidemiological profile of pulmonary tuberculosis in the state of Goias from 2010 to 2015

Ellen Moreira Cordeiro, Aryelle Ferreira de Freitas, Izabella Costa Amaral, Isadora Jota Miranda, Marcos de Paula Oliveira Santos, Murilo Correa de Miranda Gomes, Thayanne Souza Moreira Ramos, Edlaine Faria de Moura Villela

Abstract


1 INTRODUÇÃO

Como parte das Metas de Desenvolvimento do Milênio, foi implementada a “Stop TB”, uma estratégia para o progresso na luta contra a tuberculose (TB) até o ano de 2015. No período entre 1990 (quando foi implementada) e 2015 houve uma redução da prevalência da doença, devido aos investimentos de países no diagnóstico e tratamento dessa comorbidade. O Brasil foi referência global no controle da TB, especialmente devido às políticas públicas sociais, como as do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Programa Bolsa Família, já que há cobertura universal do diagnóstico e tratamento da TB pelo SUS. Entretanto, a tuberculose ainda possui elevada morbimortalidade em nosso meio, principalmente devido à comorbidade TB/HIV.

 

2 OBJETIVO

Descrever o perfil epidemiológico da tuberculose pulmonar no estado de Goiás no período de 2010 a 2015.

 

3 MATERIAIS E MÉTODOS

Os dados foram coletados no Departamento de Informática do SUS (DataSUS). As variáveis estudadas foram: ocorrência (ou não) do Tratamento Diretamente Observado (TDO); casos confirmados em pacientes HIV positivos; número de profissionais de saúde acometidos; faixa etária; doentes eram beneficiários do governo ou não.

 

4 RESULTADOS

Entre os anos de 2010 e 2015, foram confirmados 5672 casos de TB pulmonar no estado de Goiás. Desses, o tratamento foi realizado em 46%. Cerca de 527 eram soropositivos para HIV, porém o resultado foi negativo apenas em 60,8% dos casos, sendo o restante dos testes em andamento ou não realizados. O acometimento de profissionais de saúde foi de 0,56%, contra 53,8% não atuantes da área. Em relação à faixa etária, 4,4% tinham entre 0 a 19 anos, 79,7% entre 20 a 59 anos e 15,9% acima de 60 anos. O percentil de beneficiários do governo foi de 2,71

 

5 CONCLUSÃO

O tratamento, portanto, foi realizado em grande parte dos pacientes diagnosticados e a concomitância com o vírus HIV é relevante, pois a pesquisa de soropositividade não é feita ou notificada em grande parte dos pacientes. Há um grande percentil de notificações “branco/ignorado” prejudicando a acurácia dos dados em geral, principalmente entre profissionais da saúde, podendo eclipsar a prevalência da Tuberculose pulmonar.  A faixa etária entre 20 e 59 anos é majoritariamente mais acometida.


Keywords


estudo transversal, tuberculose pulmonar, prevalência, SUS.

References


BARREIRA, Draurio.Os desafios para a eliminação da tuberculose no Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde[online]. 2018, vol.27, n.1, e00100009. Epub 05-Fev-2018. ISSN 1679-4974. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742018000100009.

MinistériodaSaúde.DATASUS. http://w3.datasus.gov.br/datasus/datasus.php?area=359A1B375C2D0E0F359G19HIJd2L2412M0N&VInclude=../site/infsaude.php. Acesso: 31/04/2006.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-166

Refbacks

  • There are currently no refbacks.