Percepção de gestantes quanto ao uso de plantas medicinais e fitoterápicos: uma revisão integrativa da literatura / Perception of pregnant women on the use of medicinal plants and herbal medicines: an integrative literature review

Natália Sales de Carvalho, Alane Nogueira Bezerra, Ana Carolina Cavalcante Viana, Suelyne Rodrigues de Morais, Daniela Vasconcelos de Azevedo

Abstract


Trata-se de uma revisão integrativa cujo objetivo foi buscar compreender a percepção de gestantes quanto ao uso de plantas medicinais e fitoterápicos. Para a seleção dos trabalhos, utilizaram-se quatro bases de dados: Scielo, Medline, PubMed e Google acadêmico, compondo ao final sete publicações. Os resultados evidenciaram que as gestantes demonstram confiança com a utilização das plantas por acharem que são naturais, as mais citadas, foram para tratar sintomas próprios da gravidez. Essa prática, muitas vezes, não é informada aos profissionais de saúde que as acompanham, estes têm insegurança na orientação da fitoterapia. No Brasil, há políticas voltadas para as práticas integrativas em saúde que até estimulam a orientação por parte dos profissionais para o uso de fitoterápicos. Porém, na gestação, há restrições no seu uso. 

Keywords


Gravidez, plantas medicinais, fitoterapia

References


Baião MR, Deslandes SF. Alimentação na gestação e puerpério. Rev. Nutr. 2006; 19 (2): 245-253.

Bayley TM, DYE L, Jones S, Bono MD, Hill AJ. Food cravings and aversions during pregnancy: relationshipswith nausea and vomiting. Appetite: Elsevier Science Ltd. 2002; 38 (1): 45-5.

Junges CF, Ressel LB, Monticelli M. Entre desejos e possibilidades: práticas alimentares de gestantes em uma comunidade urbana no sul do Brasil. Texto Contexto Enferm. 2014; 23 (2): 382-90.

Hu FB. Dietary pattern analysis: a new direction in nutritional epidemiology. Curr Opin Lipidol. 2002; 13 (1): 3-9.

Garcia RWD. Representações sobre consumo alimentar e suas implicações em inquéritos alimentares: estudo qualitativo em sujeitos submetidos à prescrição dietética. Rev. Nutr. 2004; 17 (1): 15-28.

Anvisa. Consolidado de Normas da Coordenação de Fitoterápicos, Dinamizdos e Notificados - COGID. Brasília, 2009.

Rodrigues HG, Meireles CG, Lima JTS, et al. Efeito embriotóxico, teratogênico e abortivo de plantas medicinais. Rev. Bras. Pl. Med. 2011; 13 (3): 359-366.

Yankowitz J, Niebyl JR. Drug therapy in pregnancy. 3th ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins. 2001.

Freitas RM, Assunção AKD, Rocha RMM. Perfil sociodemográfico e hábitos de vida de gestantes para realização de acompanhamento farmacoterapêutico. Rev. Saúde. Com. 2014;10 (1): 16-32.

Azevedo DV, Araújo ACPF, Costa ICC. An analysis of the meanings of pre-eclampsia for pregnant and postpartum women and health professionals in Rio Grande do Norte, Brazil. Midwifery. 2010; 27(6): 182-87.

Beyea SC, Nicoll LH. Writing an integrative review. AORN J. 1998; 67(4): 877¬80.

Macena LM, Nascimento ASS, Krambeck K, et al. Plantas medicinais utilizadas por gestantes atendidas na unidade de saúde da família (usf) do bairro cohab tarumã no município de tangará da serra, mato grosso. BioFar – Revista de Biologia e Farmácia. 2012; 7(1): 143 – 155.

Rangel M, Bragança, F.C.R. Representações de gestantes sobre o uso de plantas medicinais. Rev. Bras. Pl. Med. 2009; 11 (1): 100-109.

Pires AM, Araujo PS. Percepção de risco e conceitos sobre plantas medicinais, fitoterápicos e medicamentos alopáticos entre gestante. Revista Baiana de Saúde Pública. 2011; 35 (2): 320-333.

Almeida MR, Castro LLC, Caldas, ED. Conhecimentos, práticas e percepção de risco do uso de medicamentos no Distrito Federal. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2011; 32(1): 225-232.

Oliveira FQ, Gonçalves LA. Conhecimento sobre plantas medicinais e fitoterápicos e potencial de toxicidade por usuários de Belo Horizonte, Minas Gerais. Revista Eletrônica de Farmácia. 2006; 3 (2): 36-41.

Mothupi MC. Use of herbal medicine during pregnancy among women with access to public healthcare in Nairobi, Kenya: a cross-sectional survey. Complementary and Alternative Medicine. 2014; 432 (14): 1 -8.

Pontes SM, Souza APM, Barreto BF, et al. Utilização de plantas medicinais potencialmente nocivas durante a gestação na cidade de Cuité-PB. Com. Ciências Saúde. 2012; 23 (4): 305-311.

Michel J, Duarte RE, Yao P, et al. Medical potential of plants used by the Q’eqchi Maya of Livingston, Guatemala for the treatment of women’s health Complaints. J Ethnopharmacol. 2007; 114(1): 92–101.

Towns AM, Andel TV. Comparing local perspectives on women’s health with statistics on maternal mortality: an ethnobotanical study in Bénin and Gabon. Complementary and Alternative Medicine. 2014; 113 (14) : 1-9

Oliveira LP. Medicamentos fitoterápicos: ênfase na visão dos farmacêuticos alocados em drogarias privadas do município de Colider/MT. FACIDER Revista Científica. Colider. 2015; 8 (1): 1-15.

Brasil. Ministério da Saúde. Politica nacional de medicina natural e praticas complementares. Brasília, DF. 2005.

Brasil. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Portaria nº 971, de 3 de maio de 2006. Brasília, DF. 2006.

Borges MR, Madeira LM, Azevedo VMGO. As práticas integrativas e complementares na atenção à saúde da mulher: uma estratégia de humanização da assistência no Hospital Sofia Feldman. Rev. Min. Enferm. 2011; 15(1): 105-113.

Brasil. Ministério da Saúde. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Cadernos de Atenção Básica, n. 27. Diretrizes do NASF (Núcleo de Apoio a Saúde da Família). Brasília, DF. 2009.

Brasil. Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro. Resolução nº 1757, de 18 de fevereiro de 2002. Brasília, DF. 2002.

Figueiredo R. Noções de Saúde, Doença e Cura como Construções Sócio-Culturais. Boletim do Instituto de Saúde nº 41 São Paulo, Instituto de Saúde – SES/SP, abril de 2007. São Paulo, SP. 2007.

Malan DF, Neuba DFR. Traditional Practices and Medicinal Plants Use during Pregnancy by Anyi-Ndenye Women (Eastern Côte d'Ivoire). African Journal of Reproductive Health. 2011; 15 (1) : 85 – 94.

Uniyal SKR, Singh KN, Jamwal P, Lal B. Traditional use of medicinal plants among the tribal communities of Chhota Bhangal, Western Himalaya. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine. 2006; 14 (2): 1-8.

Vendruscolo GS, Rates SMK, Mentz LA. Dados químicos e farmacológicos sobre as plantas utilizadas como medicinais pela comunidade do bairro Ponta Grossa, Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Farmacognosia Brazilian Journal of Pharmacognos. 2005; 4 (15): 361-372.

Arruda HM. Perfil do consumidor de plantas medicinais nas lojas do centro da cidade de Belém. Perspectiva Amazônica. Santarém. 2011; 1 (1): 41-56.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-165

Refbacks

  • There are currently no refbacks.