Grau de incapacidade física em pacientes hansenicos em um centro de referência/Degree of physical disability in hansenic patients in a reference center

Carla Andréa Avelar Pires, Thaís d’Avila Nóvoa, Luiz Felipe Batista Ferreira, Geovanna Mourão Pantoja, Tayana Nascimento da Silva, Andreson Iuler Melo Benjamin, Luana Lobato Macias, Íris Araújo de Sena

Abstract


A hanseníase é uma doença crônica infectocontagiosa com potencial de causar lesões neurais e incapacidades físicas. Essa doença ainda se configura como um problema de saúde pública no Brasil, especialmente nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte. Dentro da região Norte, o estado do Pará se destaca historicamente pelo status de hiperendemicidade ou muito alta endemicidade para o agravo em questão. Sendo assim, o presente estudo objetivou analisar a os graus de incapacidade física (GIF) 0, 1 e 2 em pacientes com hanseníase atendidos no Centro Saúde Escola do Marco e analisar os dados epidemiológicos dos pacientes atendidos de 2009 a 2018 no referido serviço. Para isso, foi realizado um estudo longitudinal, retrospectivo, unicêntrico, a partir da análise de 346 prontuários, correspondentes à totalidade de pacientes cadastrados no programa de atendimento à hanseníase no Centro de Saúde Escola do Marco, Belém – Pará, no período de janeiro de 2009 a dezembro de 2018. Encontrou-se predominância do sexo masculino (55%) e da forma multibacilar (61%) na casuística. Quanto ao grau de incapacidade, verificou-se que no momento de diagnóstico, houve predominância do grau 0 (62,1%), seguido do grau 1 (23,11%). Já no momento de alta verificou-se que 76,6% dos pacientes não possuíam informações acerca do grau de incapacidade. Esta carência de avaliação ao longo do tratamento e ao seu fim evidencia a necessidade constante de realização de treinamentos para as equipes de saúde, bem como a sensibilização dos profissionais para a realização do exame neurológico simplificado. Dessa forma, mais pesquisas devem ser executadas para dimensionar o nível de acometimento e incapacidade de hanseníase na população, para que estes dados possam se converter em estratégias de controle da doença e fomentar políticas públicas de saúde efetivas, bem como estimular o diagnóstico precoce com intuito de reduzir o número de pacientes que evoluem com alto grau de incapacidade.


Keywords


Hanseníase , Incapacidades físicas

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia prático sobre a hanseníase. Brasília, DF, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico: hanseníase. Brasília, DF, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico: hanseníase. Brasília, DF, 2020a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Estratégia Nacional para o enfrentamento da Hanseníase 2019-2020. Brasília, DF, 2020b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Hanseníase no Brasil: caracterização das incapacidades físicas. Brasília, DF, 2020c.

BARRETO, J. G; et al. Spatial epidemiology and serologic cohorts increase the early detection of leprosy. Bmc Infectious Diseases, s.l., v. 15, n. 1, p.1-9, 16 nov. 2015.WHO. Global Leprosy Strategy 2016–2020: Accelerating towards a leprosy-free world. [s. L.]: World Health Organization, Regional Office For South-east Asia., 2016.

BLOK, D.J.; RICHARDUS, D.V.J.H. Global elimination of leprosy by 2020: are we on track?. Parasites & Vectors., v.8, n.548, 2015

VELOSO, D.S. et al. Perfil Clínico Epidemiológico da Hanseníase: Uma Revisão Integrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 10, n.1, p. 1429-1437, 2018.

SOUZA, C.D.F.S. et al. Grau de incapacidade física na população idosa afetada pela hanseníase no estado da Bahia, Brasil. Acta Fisiatr, v.24, n.1, p.27-32, 2017.

SOUZA, E.A.S. et al. Hanseníase e gênero no Brasil: tendências em área endêmica da Região Nordeste, 2001-2014. Rev. Saúde Pública, v.52, n.20, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-163

Refbacks

  • There are currently no refbacks.