Análise das características da violência exercida sobre as mulheres atendidas pela polícia militar de Minas Gerais em Uberlândia / Analysis of the characteristics of violence exercised on women served by the military police of Minas Gerais in Uberlândia

Maraísa Alves Miranda, Guilherme Silva de Mendonça, Brenda Magalhães Arantes, Karen Magalhães Arantes, Renata Lívia Afonso Costa, Cléria Bragança, Joselene Beatriz Soares Silva, Efigênia Aparecida Maciel de Freitas

Abstract


Introdução: A violência contra as mulheres afeta todo o círculo familiar. As crianças expostas a esta violência provavelmente terão problemas emocionais, comportamentais e na vida escolar; os adolescentes estarão mais propensos ao uso de drogas, álcool e à prática sexual sem proteção, e, quando adultos, terão maior tendência a perpetrar ou vivenciar a violência com seu parceiro e família. Objetivo: Conhecer as características da violência exercida sobre as mulheres atendidas pela Polícia Militar de Minas Gerais em Uberlândia. Metodologia: Trata-se de estudo observacional, retrospectivo de caráter descritivo com abordagem quantitativa. Os dados foram coletados nos boletins de ocorrência da Polícia Militar de Minas Gerais na cidade de Uberlândia. Resultados: Os dados revelam que a maioria das vítimas são jovens e que acabam sofrendo mais de um tipo de violência, principalmente física e psicológica, e são agredidas principalmente pelos seus companheiros. A maior parte das vítimas era do sexo feminino e uma minoria do sexo masculino, sendo estes homens parentes ou possuem algum relacionamento com a vítima. O álcool é considerado como o principal motivo da violência contra a mulher, aliado ao uso de drogas, ciúme, falta de escolaridade, problemas financeiros e cultura machista. Conclusões: Os dados revelam que as maiorias das vítimas são jovens e sofrem mais de um tipo de violência principalmente física e psicológica, ocorrendo mais no período da noite e são agredidas principalmente pelos seus companheiros. O principal motivo apontado na pesquisa foi o alcoolismo que ocorre mais no período da noite e aos domingos.


Keywords


Alcoolismo, Violência contra mulher, Violência doméstica.

References


ALMEIDA, R. M. M.; PASA, G. G.; SCHEFFER, M. Álcool e Violência em Homens e Mulheres. Psicol. Reflex. Crit. [online], v.22, n.2, p.252-260, 2009. https://doi.org/10.1590/S0102-79722009000200012.

AUDI, C. A. F.; SEGALL-CORRÊA, A. M.; SANTIAGO, S. M.; ANDRADE, M. G. G.; PÉREZ-ESCAMILLA, R. Violência doméstica na gravidez: prevalência e fatores associados. Rev Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 5, 2008. https://doi.org/10.1590/S0034-89102008005000041

BANDEIRA, L. Um Recorrido pelas estatísticas da violência sexual no Distrito Federal. Violência, gênero e crime no Distrito Federal. Brasília: Paralelo 15, Ed. Universidade de Brasília, 1999. 536 p. ISBN: 9798523007040

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei Nº 10.778, de 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 25 nov 2003. Disponível em . Acesso em [10 jun 2017].

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto Nº 5.099, de 3 de junho de 2004. Regulamenta a Lei no 10.778, de 24 de novembro de 2003, Institui os serviços de referência sentinela. Diário Oficial da União. Brasília, DF. 4 jun 2004. Disponível em . Acesso em [10 jun 2017].

BRASIL Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília, 2011. 46 p. Disponível em . Acesso em [20 mai 2017].

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Lei Maria da Penha Lei nº 11.340/2006. Diário Oficial da União. Brasília. 2012. Disponível em . Acesso em [25 jun 2017].

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Norma técnica – Atenção humanizada às pessoas em situação de violência sexual com registro de informações e coleta de vestígios. Brasília-DF. 1ª ed., 2015. 44 p. Disponível em . Acesso em [16 jun 2017].

CORREIA, S. P. R; FARIA, M. R. G. V. de. Violência psicológica contra a mulher no casamento. Anais do I e II Seminário de Produção Científica do Curso de Psicologia da Unievangélica. AnápolisGO.2019.Disponívelem. Acesso em [10 fev 2020].

CRUZ, M. S.; IRFFI, G. Qual o efeito da violência contra a mulher brasileira na autopercepção da saúde?. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 7, p. 2531-2542, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018247.23162017

FARIA, S. V. R. Violências contra as mulheres na relação conjugal: uma pesquisa na Delegacia Adjunta de Repressão a Crimes Contra a Mulher (DARCCM) - Uberlândia (MG). 2007. 136p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Disponível em: . Acesso em: [9 ago. 2018].

GARCIA, M. V.. Aspectos epidemiológicos e clínicos da violência contra a mulher no município de Uberlândia, MG. 2007. 88 f. Dissertação (Mestrado)-Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2007. Disponível em . Acesso em: [25 mai 2017].

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Uberlândia, Minas Gerais. Infográficos: Dados gerais do município. 2014. Disponível em: . Acesso em: [22 out 2014].

LAURA, R. S. Alcohol abuse, women,and domestic violence (part 4). Women Health Open Journal. v.3, n. 3, p. 18-20, 2017.

LAURA, R. S. Alcohol abuse, women, and domestic violence (part 4). Women Health Open J., v. 3, n. 3, p. e18-e20, 2017. doi: 10.17140/WHOJ-3-e012.

MONTEIRO, C. F. S.; DOURADO, G. O. L.; GRAÇA JUNIOR, C. A. G; FREIRE, A. K. N. Relatos de mulheres em uso prejudicial de bebidas alcoólicas. Esc Anna Nery (impr.), v. 15, n. 3, p. 567-572, 2011. https://doi.org/10.1590/S1414-81452011000300018.

MORAES, A. F.; RIBEIRO, L. As políticas de combate à violência contra a mulher no Brasil e a "responsabilização" dos "homens autores de violência". Sex., Salud Soc. (Rio J.) [online], n. 11, p. 37-58, 2012. https://doi.org/10.1590/S1984-64872012000500003.

NASCIMENTO, A. D. do; VIRGOLIN, I. W. C. Uma análise da rede de atendimento pelo olhar das mulheres vítimas de violência doméstica. Revista GEDECON, v.7, n.3, p. 150-169, dez. 2019. Disponível em . Acesso em [25 mar 2020].

PMMG - Polícia Militar de Minas Gerais. Nona Região da Polícia Militar.2014. Disponível em: . Acesso em: [22 out 2014].

PMU - Prefeitura Municipal de Uberlândia. Uberlândia. 2014. Disponível em: Acesso em: [22 out 2014].

RAMPAZZO, L. Metodologia Científica para alunos dos cursos de graduação e pós graduação. 3 ed., São Paulo: Loyola. 2005.

ROSSER-LIMIÑANA, A; SURIÁ-MARTINEZ, R.; PERÉZ, M. A. M. Children exposed to intimate partner violence: association among battered mothers’ parenting competences and children’s behavior. International Journal of Environmental Research and Public Health. v. 4, n. 17, p 1134, 2020. doi: 10.3390/ijerph17041134

SANTOS, M. S. Fatores associados à impulsividade e ao uso de drogas entre homens autores de violência por parceiro íntimo no estado do Ceará. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-graduação em Saúde Pública. Fortaleza, CE. 2017. 116 f. Disponível em . Acesso em [25 mar 2020].

SIGNORI, M.; MADUREIRA, V. S. F. A violência contra a mulher na perspectiva de policiais militares: espaço para a promoção da saúde. Acta Sci. Health Sci. Maringá, v. 29, n. 1, p. 7-18, 2007. DOI: https://doi.org/10.4025/actascihealthsci.v29i1.100.

SILVA, L. J.; BORGES, D. T. B. Violência Conjugal e Intrafamiliar: Breve história da ONG SOS Ação Mulher Família e instituições públicas que combatem a violência contra a mulher em Uberlândia – 1985/2011. Revista Caderno Espaço Feminino, Uberlândia, v. 26, n. 1, p. 282-308, 2013. Disponível em . Acesso em [16 fev 2017].

SIQUEIRA, V. B; ANDRADE, R. B.; GUIMARAES, O. D. Associação entre o uso de álcool e outras drogas com a violência de gênero. Rev Enferm UFPI, Teresina, n. 2 (spe), p. 49-54, 2013. DOI: https://doi.org/10.26694/reufpi.v2i5.1265.

TOREZANI, W. Apostila de Estatística I. Vila Velha: Faculdade Univila – Curso de Administração, 2004. 59 p.

ZANATTA, M. A; FARIA, J. P. Violência contra mulher e desigualdade de gênero na estrutura da sociedade: da superação dos signos pela ótica das relações de poder. Revista de Gênero, Sexualidade e Direito. v.4, n.1, p. 99-114, 2018. DOI: 10.26668/2525-9849/Index_Law_Journals/2018.v4i1.4209.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-162

Refbacks

  • There are currently no refbacks.