Registro epidemiológico da doença de chagas aguda no município de Belém - Pará no período de 2007 a 2017 / Epidemiological record of acute chagas disease in the city of Belém state of Pará, between 2007 to 2017

Joel Campos de Moraes, Aline Carolina Castro Mota, Isabelle Cássia Viana de Araújo, João Victor Moura Alves, Krisnna Mariana Aranda Alves, Marcela Daun E Lorena Saraty Neves, Marcia Rayssa Farias Torres, Patricia Vastres Vieira da Silva

Abstract


Introdução: A doença de Chagas (DC) é uma infecção endêmica no continente americano, cujo agente etiológico é o protozoário Trypanosoma cruzi, tendo os triatomíneos hematófagos como os vetores descritos. Tal antropozoonose apresenta-se em duas fases, a aguda e a crônica. A transmissão ocorre pelas formas oral, vetorial, transfusional, transplante e congênita. Métodos: Estudo descritivo com informações do banco de dados DATASUS-SINAN acerca dos casos confirmados de doença de Chagas Aguda no período de 2007 a 2017. Resultados: No recorte temporal descrito, observou-se 303 casos confirmados no município de Belém (144 casos no sexo masculino e 159 no feminino), dentre os quais 60,7% apresentaram os sintomas iniciais entre os meses de agosto e novembro. 229 casos tiveram a transmissão oral como provável forma de infecção, dos quais 61,5% apresentaram os primeiros sintomas entre os meses citados anteriormente. Do total de casos com provável transmissão oral, 228 casos foram confirmados por métodos laboratoriais; 169 indivíduos eram pardos, 3 pretos e 20 brancos e 37 “Ign/Branco”; outrossim, 209 indivíduos evoluíram com melhora no quadro, 4 evoluíram a óbito pelo agravo notificado, 1 evoluiu a óbito por outra causa e 15 “Ign/Branco”. Conclusão: Ademais, apesar da grande quantidades de casos, fica explícito com a pesquisa que a taxa de óbitos é cada vez mais baixa, sendo um ponto positivo para o meio científico, mostrando que está havendo possivelmente uma rápida detecção dos possíveis casos ativos de Doença de Chagas Aguda e um eficaz tratamento nos principais centros de saúde do município de Belém.


Keywords


Doença de Chagas, Epidemiologia, Antropozoonose.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Doença de Chagas aguda no Brasil: série histórica de 2000 a 2013. Boletim Epidemiológico, v. 46, n. 21, p. 1-9, 2015.

COURA, J. R.; DIAS, J. C. Epidemiology, control and surveillance of Chagas disease: 100 years after its discovery. Mem Inst Oswaldo Cruz, v. 104, Suppl 1, p. 31-40, 2009.

COURA, J. R. et al. Morbidity of Chagas heart disease in the microregion of Rio Negro, Amazonian Brazil: a case-control study. Mem Inst Oswaldo Cruz, v. 108, n. 8, p. 1009-13, 2013.

COURA, J. R. The main sceneries of Chagas disease transmission. The vectors, blood and oral transmissions: a comprehensive review. Mem Inst Oswaldo Cruz, v. 110, n. 3, p. 277-82, 2015.

DIAS, J. C. P. et al. II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015. Epidemiol Serv Saúde, v. 25, p. 7-86, 2016.

FERREIRA, R. T. B; BRANQUINHO, M. R; LEITE, P. C. Transmissão oral da doença de Chagas pelo consumo de açaí: um desafio para a Vigilância Sanitária. Vig Sanit Debate, v. 2, n. 04, p. 4-11, 2014.

LIMA, R. de. S; TEIXEIRA, A. B; LIMA, V. L. da. S. Doença de chagas: uma atualização bibliográfica. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 51, n. 2, p. 103- 06, 2019.

LIDANI, K. C. F. et al. Chagas Disease: From Discovery to a Worldwide Health Problem. Front Public Health, v. 7, p. 166, 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Doença de Chagas: o que é, causas, sintomas, tratamento e prevenção. Acesso em 23/06/2020. Disponível em

NÓBREGA, A. A. et al. Oral transmission of Chagas disease by consumption of açaí palm fruit, Brazil. Emerg Infect Dis., v. 15, n. 4, p. 653-5, 2009.

PÉREZ-MOLINA, J. A; MOLINA, I. Chagas Disease. The Lancet, v. 391, p. 82–94, 2018.

SANGENIS, L . H. D. et al. Chagas disease transmission by consumption of game meat: systematic review. Rev Bras Epidemiol., v. 19, n. 4, p. 803-811, 2016.

SIMÕES, M. V. et al. Cardiomiopatia da Doença de Chagas. International Journal of Cardiovascular Sciences, v. 31, n. 2, p. 173-189, 2018.

SOUSA JÚNIOR, A. da. S. et al. Análise espaço-temporal da doença de Chagas e seus fatores de risco ambientais e demográficos no município de Barcarena, Pará, Brasil. Rev Bras Epidemiol., v. 20, n. 4, p. 742-755, 2017.

VARGAS, A. et al. Investigação de surto de doença de Chagas aguda na região Extra Amazônica, Rio Grande do Norte, Brasil, 2016. Cad Saude Publica, v. 34, n. 1, 2018.

WESTPHALEN, E. V. N; BISUGO, M. C.; ARAUJO, M. F. L. Aspectos epidemiológicos e históricos do controle da doença de Chagas no Continente Americano. BEPA, Bol. Epidemiol. Paul., v. 9, n. 105, p. 18-35, 2012.

WHO (World Health Organization). Sustaining the drive to overcome the global impact of neglected tropical diseases: second WHO report in neglected tropical diseases. Geneva: World Health Organization; 2013.

WHO (World Health Organization). Chagas disease in Latin America: an epidemiological update based on 2010 estimates. Wkly Epidemiol Rec. v. 90, n. 6, p. 33-44, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-152

Refbacks

  • There are currently no refbacks.