Evolução comparativa e temporal das tendências de mortalidade por Câncer Colorretal em Sergipe e Nordeste no período de 2008 a 2018 / Comparative and temporal evolution of Colorectal Cancer mortality trends in Sergipe and Northeast from 2008 to 2018

Isabella Paiva Palmeira, Laísa de Souza Guimarães, Anne Karoline Tavares dos Santos, Renata Lima Batalha de Andrade, Maria Bernadete Galrão de Almeida Figueiredo, Marco Antonio Prado Nunes, Carla Viviane Freitas de Jesus, Sonia Oliveira Lima

Abstract


Introdução: A incidência e as taxas de mortalidade por Câncer Colorretal (CCR) têm apresentado uma tendência mundial de crescimento. Objetivo: Analisar a evolução temporal e comparar as tendências de taxa de mortalidade por CCR no estado de Sergipe e no Nordeste brasileiro, no período de 2008 a 2018. Métodos: Estudo documental, de óbitos por CCR, no estado de Sergipe e na região Nordeste. Os dados foram coletados no Sistema de Informação em Mortalidade, do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. A análise temporal foi realizada com aplicação do modelo de regressão por pontos de inflexão Joinpoint Regression Analysis. Resultados: Os óbitos por CCR em Sergipe e no Nordeste, foi predominante na região do cólon, seguido pelo reto e junção retossigmoide, prevaleceu nos idosos, com semelhança entre os sexos, porém ligeiramente maior nas mulheres. As taxas de mortalidade permaneceram crescentes entre 2008 e 2018, tanto em Sergipe como no Nordeste do Brasil. Em Sergipe, destacaram-se os seguintes pontos de inflexão (joinpoints), um aumento da mortalidade de 8,6% ao ano em mulheres e de 5,3% ao ano em homens, enquanto o Nordeste apresentou uma taxa de crescimento de 6,6% ao ano, para ambos os sexos. Conclusão: Necessita-se do fortalecimento e ampliação de medidas de promoção em saúde com ações preventivas, de diagnóstico precoce e de tratamento do CCR focadas no rastreamento da população, principalmente a mais idosa. A realização e manutenção dessas ações, a longo prazo, são comprovadamente capazes de impactar, positivamente na redução dos óbitos por essa afecção.


Keywords


Câncer Colorretal, Mortalidade, Epidemiologia, Saúde pública

References


Bray F, Ferlay J, Soerjomataram I, Siegel R, Torre L, Jemal A. Global Cancer Statistics 2018: GLOBOCAN Estimates of Incidence and Mortality Worldwide for 36 Cancers in 185 Countries: Global Cancer Statistics 2018. CA: A Cancer Journal for Clinicians. 2018 09;68. DOI: 10.3322/caac.21492

Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2020: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Câncer; 2020 [acesso em 2020 jun]. Disponível em: www.inca.gov.br/publicacoes/livros/estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil

Gonçalves AF, Neves MB, Alves GR, Selzler M, Sobrinho CA, Abreu AC, et al. Efeito do exercício físico no músculo esquelético de camundongos com câncer colorretal: revisão de literatura. Brazilian Journal of health Review 2020; 3: 3685-3693. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-194

AMERICAN CANCER SOCIETY. Cancer facts & figures 2019. Atlanta: American Cancer Society, 2019. Disponível em: www.cancer.org/research/cancer-facts-statistics/all-cancer-facts-figures/cancer-facts-figures-2019.html

Mello MRSP, Moura SF, Muzi CD, Guimarães RM. Clinical Evaluation and Pattern of Symptoms in Colorectal Cancer Patients. Arq Gastroenterol 2020; 00:36(ahead). DOI: https://doi.org/10.1590/s0004-2803.202000000-24

Moura SF, de Mello MRSP, Muzi CD, Guimarães RM. Padrão Sintomatológico em Pacientes do Câncer Colorretal de acordo com a Idade. Rev Bras Cancerol 2020; 66(1): e-15474. DOI: https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2020v66n1.474

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2015. Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro; 2016. [acesso em 2020 Jun 10]. 25 p. Disponível em: hftp://ftp.ibge.gov.br/Tabuas_Completas_de_Mortalidade/Tabuas_Completas_de_Mortalidade_2015/tabua_de_mortalidade_analise.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde: 2013. Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas: Brasil, grandes regiões e unidades da federação [Internet]. Rio de Janeiro; 2014. [acesso em 2020 Jun 20]. 181 p. Disponível em: hftp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf

Maida M, Macaluso FS, Ianiro G, Mangiola F, Sinagra E, Hold G, et al. Screening of colorectal cancer: present and future. Expert Rev Anticancer Ther 2017; 17(12): 1131 – 1146. DOI: https://doi.org/10.1080/14737140.2017.1392243.

Menezes C, Ferreira D, Faro F, Bomfim M, Trindade L. Câncer colorretal na população brasileira: taxa de mortalidade no período de 2005-2015. Rev Bras em Promoção da Saúde 2016; 29(2): 172–9. DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p172

Medeiros MJ. Relacionamento entre câncer colorretal e indicadores socioeconômicos no município de São Paulo: uso de modelos de regressão espacial [tese de doutorado]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo (USP); 2015. DOI: 10.11606/T.6.2015.tde-01062015-113524

BRASIL. Ministério da Saúde. SIM: Sistema de informações sobre mortalidade. Brasília, DF: Ministério da Saúde, c2008b. Disponível em: http://www.datasus.gov.br. Acesso em: maio 2020.

Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer - INCA [homepage na Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2018 [acesso em 2020 Maio 5]. Atlas on-line de mortalidade; [aproximadamente 1 tela]. Disponível em: https://mortalidade.inca.gov.br/MortalidadeWeb/

Fay M, Kim HJ, Feuer EJ, Midthune DN. Permutation Tests for joinpoint regression with Applications to Cancer Rates. Stat Med 2000; 01(19):335 – 351. DOI: 10.1002/(sici)1097-0258(20000215)19:3

Feng Z, Shi X, Zhang Q, Zhang X, Li X, Chen Z, et al. Analysis of clinicopathological features and prognosis of 1315 cases in colorectal cancer located at different anatomical subsites. Pathol Res Pract 2019; 07: 215. DOI: 10.1016/j.prp.2019.152560

Campos F, de Araújo MF, Monteiro M, Nahas S, Cecconello I. Incidence of colorectal cancer in young patients. Rev Col Bras Cir 2017; 04(44): 208–215. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0100-69912017002004

Oliveira M, Latorre M, Tanaka L, Rossi B, Curado M. Disparidades na mortalidade de câncer colorretal nos estados brasileiros. Rev Bras Epidemiol 2018; 08: 21. DOI: 10.1590/1980-549720180012

Barros MC, Pinheiro ITR, Oliveira LA, Santos WRCC, Carvalho CA. Evolução da Mortalidade por Câncer de Fígado e Colorretal segundo Sexo e Regiões do Brasil de 1990 a 2014. Revista CEUMA Perspectivas 2017; 29(1). DOI: https://doi.org/10.24863/rccp.v29i1.64

Marques D, Lima M, Santos S, Marques A. Perfil epidemiológico dos óbitos ocorridos no Brasil em decorrência de câncer colorretal no período de 2012-2016. Academus Rev Cient da Saúde 2019; 09(04): 7–16. DOI: 10.24118/reva1806.9495.4.3.2019.563

Silva AA, Cordeiro HM, Novaes MCC, Sousa MBS, Magalhães RPM, Oliveira MVM. Morbimortalidade hospitalar por câncer colorretal no Brasil, no período de 2008 a 2016. REAC 2019; 5: e939. DOI: https://doi.org/10.25248/reac.e939.2019

Gasparini B, Valadão M, Miranda-Filho A, Silva C. Análise do efeito idade-período-coorte na mortalidade por câncer colorretal no Estado do Rio de Janeiro, Brasil, no período 1980 a 2014. Cad Saúde Pública 2018; 03: 34. DOI: 10.1590/0102-311x00038017

Duray A, Demoulin S, Petermans J, Moutschen M , Saussez S , Jerusalém G, Delvenne P. Aging and cancer: coincidence or etiologic relationship? Rev Med Liege 2014; 69(5-6): 276-281. PMID: 25065232

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2015. Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro; 2016. [acesso em 2017 Aug 31]. 25 p. Disponívem em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Tabuas_Completas_de_Mortalidade/Tabuas_Completas_de_Mortalidade_2015/tabua_de_mortalidade_analise.pdf

Levorato CD, Mello LM, Silva AS, Nunes AA. Fatores associados à procura por serviços de saúde numa perspectiva relacional de gênero. Ciênc Saúde Coletiva 2014; 19(4): 1263-1274. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232014194.01242013

Lemos A, Ribeiro C, Fernandes J, Bernardes K, Fernandes R. Men's health: the reasons for men to reach out to health services. Journal of Nursing UFPE 2017; 11(11): 4645-4652. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i11a231205p4645-4652-2017

Custódio MS, Anjos AS, Santos D do N, Xavier FEB, Silva AMF. Avaliação do conhecimento dos médicos da atenção primária sobre rastreamento de câncer colorretal em um município de Sergipe. Medicina (Ribeirão Preto Online) 2019; 52(2): 91-7. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v52i2p91-97

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Um panorama da saúde no Brasil: acesso e utilização dos serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção à saúde 2008. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2010.

Barbosa I, Costa Í, Bernal M, Souza D. Desigualdades socioeconômicas e mortalidade por câncer: um estudo ecológico no Brasil. Rev Bras promoção da saúde 2016; 09(29): 350–356. DOI: 10.5020/18061230.2016.p350

Dagostin C, Rigo F, Damázio L. Associação entre Alimentação Vegetariana e a Prevenção do Câncer Colorretal: Uma Revisão De Literatura. Rev Contexto & Saúde 2019; 12(19): 44–51. DOI: 10.21527/2176-7114.2019.37.44-51

Silva RCF. De Volta para o Futuro: Excesso de Peso e Câncer Colorretal. Rev Bras Cancerol 2019; 63(4): 273-5. DOI: https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2017v63n4.137

IARC. International Agency for Research on Cancer. Monographs evaluate consumption of red meat and processed meat. Lyon. World Health Organization, Oct. 2015.

World cancer research Fund international/American institute for cancer research. Diet, nutrition, physical activity and colorectal cancer. [internet]; 2017 [acesso em 2020 jun 19]. Disponível em: http://wcrf.org/colorectal-cancer-2017

Wolf AMD, Fontham ETH, Church TR, Flowers CR, Guerra CE, LaMonte SJ, et al. Colorectal cancer screening for average-risk adults: 2018 guideline update from the American Cancer Society. CA: Cancer J Clin 2018; 68(4): 250–281. DOI: https://doi.org/10.3322/caac.21457

Strum, WB. Colorectal Adenomas. N Engl J Med 2016; 374(11): 1065–1075. DOI: 10.1056/NEJMra1513581




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-148

Refbacks

  • There are currently no refbacks.