Relato de experiência sobre aplicação do método mãe canguru em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal / Experience report on the application of the kangaroo mother method in a Neonatal Intensive Care Unit

Thainara Lopes Silva, Adriana Elisa Carcereri de Oliveira, Janaina Otoni de Carvalho, Elenir Pereira de Paiva, Maíra Buss Thofehrn, Manuela Gomes Campos Borel

Abstract


Introdução:  O método mãe-canguru (MMC) é caracterizado por procedimentos específicos, com a finalidade de reduzir o período de separação entre mãe e filho, visa diminuir os índices alarmantes referentes a mortalidade infantil no país, principalmente no período compreendido entre a vigésima oitava semana de gestação e o sétimo de dia de vida. Objetivos: Relatar experiência vivenciada por enfermeiras durante a aplicação do MMC em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI-NEO) Descrição da experiência/Desenvolvimento: Recém-nascido (RN) de parto vaginal, induzido por corioamnionite materna, APGAR 5/8, 28 semanas, pesando 1125g; diagnóstico de prematuridade extrema, desconforto respiratório e sepse presumida; deu entrada na UTI-NEO intubada, em ventilação mecânica, sonda orogástrica aberta, com acesso venoso periférico para uso de antibiótico, administrado surfactante, imunoglobulina, iniciado protocolo de mínimo toque, fototerapia, e colostroterapia; passado PICC no quarto dia de  vida. Houve perda ponderal, com 10 dias de vida o bebê apresentava 925 g; no 18º dia apresentou um aumento no peso (1095 g). Após 20 dias foi iniciado o MMC onde a mãe teve contato inicial reduzido, ainda na UTI-NEO devido à gravidade do neonato o MMC foi realizado por 12 dias neste ambiente; apesar da excentricidade do local, a ligação mãe-filho permitiu a construção de laços e empoderamento materno, além de visível melhora nos parâmetros vitais;  após a estabilização ele foi transferido para a Unidade Intermediária, onde a mãe acompanhava o lactente durante toda permanência no serviço, colocando-o em seu corpo na posição indicada pelo método, no período de 21 dias. O bebê recebeu alta após 53 dias de internação.  Conclusão: O relato ratifica a importância da humanização da assistência de enfermagem e evidencia a relevância psicossocial e afetiva que tal instrumento detém na promoção do vínculo entre mãe e o bebê.


Keywords


Humanização da assistência, enfermagem, método mãe canguru.

References


Gontijo TL, Abreu, MNS, Proietti FA, Xavier CC (2015). Fatores associados ao método canguru no Brasil.

Silva ARED, Garcia PN, Guariglia DA, (2017). Método canguru e os benefícios para o recém-nascido. HÓRUS, 8(2), 1-10.

BRASIL. PORTARIA Nº 1.683, DE 12 DE JULHO DE 2007. Aprova, na forma do Anexo, a Normas de Orientação para a Implantação do Método Canguru.

Oliveira GGR, Oliveira DN, Ferreira ALC, Tenório MCB. (2018). Implantação do método canguru em um hospital universitário de alagoas: um relato de experiência de enfermeiros. Gep News, 1(1), 225-230.

Mendes GVS, Rocha SS, Sales JCS, Araújo OD, Oliveira Araújo L. (2015). Kangoroo Care Method at Neonatal Intensive Care Unit/Método Canguru na Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional/Unidad de Cuidados Canguro en el convencional Neonatal de Cuidados Intermedios. Revista de Enfermagem da UFPI, 4(4), 68-74.

Brasil, Ministério da Saúde. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Almeida H, Venancio SI, Sanches MTC, Onuki D. (2010). Impacto do método canguru nas taxas de aleitamento materno exclusivo em recém-nascidos de baixo peso. Jornal de pediatria, 86(3).

Rodrigues MAG, Cano MAT. Estudo do ganho de peso e duração da internação do recém-nascido pré-termo de baixo peso com a utilização do método canguru. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 8, n. 2, ago. 2009. ISSN 1518-1944. Disponível em: . Acesso em: 03 jul. 2018. doi: https://doi.org/10.5216/ree.v8i2.7032.

Mota LA, Sá FE, Frota MA. (2012). Estudo comparativo do desenvolvimento sensório-motor de recém-nascidos prematuros da unidade de terapia intensiva neonatal e do método canguru. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 18(4), 191-198.

Souza LP, et al. "Método mãe-canguru: percepção da equipe de enfermagem na promoção à saúde do neonato." Revista Brasileira em Promoção da Saúde 27.3 (2014): 374-380.

Véras RM, Juna MFV, Morais FRR. "A maternidade prematura: o suporte emocional através da fé e religiosidade." Psicol Estud15.2 (2013): 325-32.

Silva LJ, Leila RS, Christoffel MM. "Tecnologia e humanização na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: reflexões no contexto do processo saúde-doença." Revista da Escola de Enfermagem da USP43.3 (2009): 684-689.

Matijasevich A. Estimativas corrigidas da prevalência de nascimentos pré-termo no Brasil, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2013;22(4):557-64.

Santos GJAT, Martins MJL, and Valdinéa Luiz Hertel. "MÉTODO MÃE CANGURU." Revista Eletrônica de Enfermagem do Vale do Paraíba 1.08 (2017).

Pinto, ALC et al. "As influências do método canguru sobre o recém-nascido, a mãe e a sociedade." Revista Educação em Saúde 5 (2017).

Santos MH, Filho FMA, em récem-nascidos pré-termo ou baixo peso: uma revisão da literatura." Universitas: Ciências da Saúde 14.1 (2016): 67-76.

Neves, P. N., Ravelli, A. P. X., & Lemos, J. R. D. (2013). Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo-peso (método mãe canguru): percepções de puérperas. Rev Gaúcha Enferm, 31(1), 48-54.

(https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/1295/1170).




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-121

Refbacks

  • There are currently no refbacks.