Impactos da hesitação vacinal na epidemiologia do sarampo/ Impacts of vacinal hesitation on measurement epidemiology

Maria Tereza Nogueira Fonseca e Souza, Kamila Castro Oliveira Camargos, Marcela Rêda Guimarães, Mariana Rodrigues de Oliveira Neves, Cíntia Fontes Alves

Abstract


O sarampo é uma infecção altamente contagiosa causada pelo vírus Measles morbillivirus. A transmissão ocorre por vias aéreas e os principais sintomas são febre, tosse, coriza, congestão nasal e mal-estar. Em 3 a 5 dias, pode também surgir exantema abrangendo todo corpo. A profilaxia para o sarampo é a vacinação, que é disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em 1990, a cobertura vacinal contra o sarampo estava acima de 95%, porém, a partir de 2016, observou-se queda nas taxas de vacinação, com declínio de 10 a 20 pontos percentuais, levando a perda da certificação de erradicação do sarampo concedida ao Brasil em 2013 pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). O objetivo deste trabalho é realizar uma análise das campanhas de vacinação do sarampo para compreender o que levou ao surto dessa afecção em 2019, bem como discutir as implicações da hesitação vacinal na epidemiologia da mesma. Para tanto, realizou-se uma revisão bibliográfica sobre hesitação vacinal e epidemia de sarampo nas bases de dados BvS e PubMed, além de análise de dados disponibilizados pelo DataSUS sobre abrangência da campanha de vacinação contra o sarampo e informes epidemiológicos do Ministério da Saúde. O aumento das notificações dessa virose teve início em 2013. No período de 2013 a 2015 foram registrados 1.310 casos de sarampo no Ceará e Pernambuco. Em 2017, a cobertura da vacinação no Brasil foi de 84,9% na primeira dose e de 71,5% na segunda, índice inferior a meta de 95% preconizada pelo Programa Nacional de Imunizações. Em 2018, nos estados Amazonas e Roraima, mais de 1500 casos foram notificados e, em janeiro de 2019, foram confirmados 4.776 casos no país. Diante desses números, uma importante hipótese para o declínio da vacinação é a hesitação vacinal, nomenclatura reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 2012, dada a importância do fenômeno. Ainda não há muitas publicações sobre hesitação vacinal e epidemia de sarampo no Brasil, porém a hipótese já é considerada pela Fiocruz e por comunicados do Ministério da Saúde a respeito de notícias falsas contrárias a vacinação. O fenômeno já teve relevância reconhecida no surto de sarampo ocorrido em 2000 nos EUA, onde a desconfiança de parte da população acerca dos benefícios da vacinação contribuiu para o ressurgimento da virose. Dessa forma, questiona-se se o atual surto de sarampo no Brasil se relaciona com a hesitação vacinal.


Keywords


Sarampo, Surto, Recusa de Vacinação, Infecção, Cobertura Vacinal .

References


MAJUMDER MS. et. al. Substandard Vaccination Compliance and the 2015 Measles Outbreak. JAMA, United States, v.169, n. 5, p.494–495, may. 2015. Disponível em: Accesso em 04 Nov. 2019. DOI:10.1001/jamapediatrics.2015.0384

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Situação do Sarampo no Brasil - 2019. Brasília, 2019. Disponível em:

SATO, A. P. S. Qual a importância da hesitação vacinal na queda das coberturas vacinais no Brasil?. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 52, n.96, 2018. Disponível em: . Accesso em 04 Nov. 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2018052001199.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-100

Refbacks

  • There are currently no refbacks.