Incidência de parasitas intestinais em crianças e manipuladoras de alimentos em uma creche no município de Codó-Maranhão / Incidence of intestinal parasites in children and food handlers in a day care center in Codó-Maranhão

Paulo Ricardo Cruz dos Santos, Natércia Dias da Silva dos Santos, Maisa Campêlo de Sousa, Camila Campêlo de Sousa

Abstract


Introdução: Em todo o mundo, milhares de pessoas sofrem com infecções intestinais causadas por parasitos e a maior incidência ocorre em crianças em idade escolar devido ao seu sistema imunológico imaturo, maior facilidade de transmissão e maus hábitos de higiene pessoal. Objetivo: Examinar as ocorrências de parasitoses intestinais, por meio de exame coproparasitológico, em crianças e manipuladoras de alimentos numa creche em uma cidade do Maranhão. Métodos: Distribuiu-se coletores fecais para os pais das crianças e manipuladoras de alimentos participantes. Esses efetuaram as coletas dos materiais fecais para posterior realização de exame coproparasitológico. Aplicou-se também um questionário com os pais das crianças da creche. Resultados: Dentre os participantes da pesquisa, 60% estavam parasitados com pelo menos uma espécie de enteroparasita. Os parasitas encontrados foram Endolimax nana, Ascaris lumbricoides e Giardia lamblia e, entre as variáveis abordadas no questionário, houve relação significativa entre o resultado do exame coproparasitológico e o destino da água. Conclusão: Os resultados demonstram a necessidade de implementação de medidas de saneamento básico aplicadas à comunidade estudada e programas contínuos nas creches, visando a educação sanitária.

Keywords


Creches, Educação sanitária, Parasitas

References


ASSIS, E. M. et al. Prevalência de parasitos intestinais na comunidade indígena Maxakali, Minas Gerais, Brasil, 2009. Cadernos de Saúde Pública, v. 29, n. 4, p. 681-690, 2013.

BELO, V. S. et al. Factors associated with intestinal parasitosis in a population of children and adolescents. Revista Paulista de Pediatria, v. 30, n. 2, p. 195-201, 2012.

BONITA, R.; BEAGLEHOLE, R.; KJELLSTRÖM, T. Epidemiologia básica. 2nd ed. São Paulo: Santos Editora, 2010.

CAVAGNOLLI, N. I. et al. Prevalência de enteroparasitoses e análise socioeconômicas de escolares em Flores da Cunha-RS. Revista de Patologia Tropical, v. 44, p. 312-322, 2015.

DAMACENO, N. S.; COSTA, T. L. Incidência de enteroparasitoses em pacientes atendidos por um hospital universitário da cidade de Goiânia, GO, Brasil. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 49, p. 195-199, 2016.

DIAS, L. R. et al. Estudo coproparasitológico e epidemiológico de crianças e manipuladores de alimentos durante 3 anos em uma creche da Paraíba. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v. 7, n. 2, 2017.

FREI, F. et al. Levantamento epidemiológico das parasitoses intestinais: viés analítico decorrente do tratamento profilático. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 12, p. 2919-2925, 2008.

GONÇALVES, R. et al. Educação em saúde como estratégia de prevenção e promoção da saúde de uma unidade básica de saúde. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 3, p. 5811-5817, 2020.

HOFFMAN, W. A. et al. The sedimentation-concentration method in Schistosomiasis mansoni. Journal of Publications in Health Tropical and Medicine, v. 9, p. 283-291, 1934.

LEMBI, M. K. S. et al. Análise microbiológica de queijo industrializado do tipo mussarela e condutas para obtenção de qualidade no seu processamento. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 3, p. 4951-4964, 2020.

MARTINS, N. D. Estudo da prevalência de enteroparasitoses no município de Ferreira Gomes/AP após enchente em 2011. Dissertação (Mestrado em Ciências da saúde) – Universidade Federal do Amapá, Macapá, 2012; 94 p.

MELO, M. C. B. et al. Parasitoses intestinais. Revista de Medicina de Minas Gerais, v. 14, n. 1, p. 3-12, 2004.

NEVES, D. P. et al. Parasitologia humana. 13nd ed. São Paulo: Atheneu, 2016.

PEREIRA, C. Ocorrência da esquistossomose e outras parasitoses intestinais em crianças e adolescentes de uma escola municipal de Jequié, Bahia, Brasil. Revista Saúde.com, v. 6, n. 1, p. 24-31, 2010.

PEREIRA, G. L. T. et al. Prevalência de infecções parasitárias intestinais oriundas de crianças residentes em áreas periféricas, município de Juazeiro do Norte - Ceará. Rev. Interfaces, v. 5, n. 14, p. 21-27, 2017.

ROSA, A. B. et al. Prevalência de enteroparasitas em crianças de creches da periferia do município de São Mateus – ES. Diálogos & Ciência – Revista da Faculdade de Tecnologia e Ciências – Rede de Ensino FTC, v. 9, n. 26, 2011.

SANT'ANNA, L. M. L. et al. Estudo comparativo de técnicas parasitológicas baseada no princípio de sedimentação espontânea (Hoffman) e Parasitokit®. Scire Salutis, v. 3, n. 1, p. 6-15, 2013.

SANTOS, S. A.; MERLINI, L. S. Prevalência de enteroparasitoses na população do município de Maria Helena, Paraná. Ciências e Saúde Coletiva, v. 15, n. 3, p. 899-905, 2010.

SILVA, F. S. Infecção por Giardia lamblia em crianças de 0 a 10 anos no município de Chapadinha, Maranhão, Brasil. Revista Instituto Adolfo Lutz, v. 68, p. 309-313, 2009.

SILVA, J. C. et al. Parasitismo por Ascaris lumbricoides e seus aspectos epidemiológicos em crianças do Estado do Maranhão. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 44, n. 1, p. 100-102, 2011.

TEIXEIRA, P. A. Conhecimentos sobre parasitoses intestinais como estratégia para subsidiar ferramentas de educação em saúde. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Instituto Oswaldo Cruz. Pós Graduação em Medicina Tropical, Rio de Janeiro, 2016; 81 p.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-091

Refbacks

  • There are currently no refbacks.