Análise epidemiológica de hanseníase infantil em uma unidade básica saúde da família em Belém-PA/ Epidemiological analysis of child leprosy in a basic family health unit in Belém-PA

Jhessica Mousinho Jorge e Jorge, Juliane Tayse Ribeiro Maia

Abstract


Introdução: A hanseníase é uma doença dermatoneurológica, crônica e granulomatosa de evolução lenta, causada por um organismo intracelular obrigatório denominado Mycobacterium leprae ou bacilo de Hansen, que afeta principalmente o tegumento e a parte periférica do sistema nervoso. Caracteriza-se como uma doença de notificação compulsória no Brasil e, por isso, é necessário observar manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em quaisquer áreas da pele, promovendo uma sensação de formigamento e de dormência, com diminuição ou ausência de dor e da sensibilidade. A enfermidade pode afetar todas as faixas etárias, contudo, quando a doença se expressa na infância, principalmente na faixa etária de até cinco anos, indica alta endemicidade, falta de informações sobre a doença e ausência de ações efetivas de educação em saúde, principalmente quando se trata de crianças. O Brasil é responsável por 93% de todas as notificações da hanseníase no continente americano, no qual cerca de 8 % desses casos ocorrem em crianças menores de 15 anos.O Pará é o quarto Estado com maior número de casos de hanseníase confirmados em menores de 15 anos no país. Objetivo: conhecer o perfil epidemiológico de pacientes com Hanseníase em menores de 15 anos admitidos em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) do Pará em um período de 4 anos. Métodos: Estudo do tipo transversal, observacional, descritivo. Foram coletados os dados de 9 prontuários e fichas de notificação compulsória, entre o período de janeiro de 2014 a maio de 2018 na UBS, os quais foram analisados pela estatística descritiva. Para a análise dos dados foram utilizados recursos de computação, por meio do processamento no sistema Microsoft Excel, Software BioEstat versão 5.0, todos em ambiente Windows 7. Resultados: Houve diferença significativa quanto ao sexo, sendo 78% homens e 22% mulheres e a faixa etária predominante foi de 9 anos. Quanto à doença 60% dos casos eram multibacilares com mais de 5 lesões e 40% dos casos são paucibacilares apresentando uma única lesão. A adesão ao tratamento PQT com Blister foi de 80% com 12 doses e 20% com 6 doses. Conclusão: Foi observado que, a maioria das crianças acometidas com a doença, possui condições socioeconômicas precárias, apresentando moradia com poucos cômodos, condições insalubres, baixa renda familiar e histórico familiar de hanseníase. Apesar de ter uma diminuição em números da hanseníase, em 2018 surgiu um novo caso, sendo importante o controle e a prevenção da doença.


Keywords


Hanseníase, hanseníase infantil, leprosy.

References


Sociedade Brasileira de Dermatologia. Hanseníase. Disponível em: . Acesso em: 27 fev.2017.

Franco MCA, Macedo GMM, Menezes BQ, Jucá Neto FOM, Franco ACA, Xavier MB. Perfil de casos e fatores de risco para Hanseníase, em menores de quinze anos, em município hiperendêmico da região norte do Brasil. Revista Paraense de Medicina. V.28 (4): outubro-dezembro 2014 29

Lopes DAC, Pereira LG. Análise da incidência de hanseníase no município de Juína no período de 2004 a 2013. Rev. Saúde AJES. 2015; 1(2):1-26.

Souza CS. Hanseníase: Formas Clínicas e Diagnóstico Diferencial. Medicina, Ribeirão Preto. 1997; 30: 325-334

Moraes MO, Cardoso CC, Vanderborght PR, Pacheco AG. Genetics of host response in leprosy. Lepr Rev. 2006;77:189-202

Mendonça VA, Melo GEBA, Teixeira AL. Imunologia da hanseníase. An Bras Dermatol. 2008; 83(4):343-50.

Lastória JC, Abreu MAMM. Hanseníase: diagnóstico e tratamento. Diagnóstico e Tratamento. 2012; 17(4):173-9.

Ministério da Saúde (Brasil). Taxas de detecção geral e em menores de 15 anos de hanseníase Brasil, 1994 a 2015. Boletim Epidemiológico, Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde; 2014.

FUNDHANS. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2017

Pires CAA, Malcher CMSR, Júnior JMCA, Albuquerque TG, Corrêa IRS, Daxbacher ELR. Hanseníase em menores de 15 anos: a importância do exame de contato. Rev Paul Pediatr. 2012; 30(2): 292-5.

Faria CRS, Fregonesi CEPT, Corazza DAG, Andrade DM, Mantovani NADT, Silva RS, et al. Grau de incapacidade física de portadores de hanseníase: estudo de coorte retrospectivo. Arq. Ciênc. Saúde. 2015 out-dez; 22(4): 58-62.

Alves ED, Ferreira TL, Ferreira IN. Hanseníase: Avanços e Desafios. Brasília: NESPROM, 2014. 492 p.

Franco MCA, Moraes GM, Menezes BQ, Neto FOMJ, Franco ACA, Xavier MB. Perfil dos casos e fatores de risco para hanseníase em menores de quinze anos, no município hiperendêmico da região norte do Brasil. Revista Paraense de Medicina. 2014; 28(4): 29-40.

Secretaria de Estado de Saúde Pública. Pará reduz casos de hanseníase com trabalho de combate à doença. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016

Datasus. Acompanhamento dos dados de Hanseníase - Pará. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016

Araújo MG. Hanseníase no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2003; 36(3): 373-382.

Delmogenes PH, Zebian KK, Hamersk TL, Garcia MV, Sherer EF. Hanseníase: Incidência no município de Barra do Garças/MT. Rev. Eletrônica da Univar. 2013. 1(9): 10.

Brito KKG, Santana EMF, Peixoto VB, Nogueira JA, Soares MJGO. Análise epidemiológica da hanseníase em um estado endêmico do nordeste brasileiro. Rev. Gaúcha Enferm. 2015;36(esp):24-30.

Palú FH, Cetolin SF. Perfil clínico-epidemiológico dos pacientes com hanseníase no extremo oeste catarinense, 2004 à 2014. Arq. Catarin Med. 2015 abr-jun; 44(2): 90-98.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Boletim epidemiológico. Situação epidemiológica da hanseníase no Brasil – análise de indicadores selecionados na última década para eliminação. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-081

Refbacks

  • There are currently no refbacks.