Internações hospitalares por doenças relacionadas ao saneamento básico inadequado na Bahia, de 2010 a 2016 / International hospitals for diseases related to inadequate basic sanitation in Bahia, from 2010 to 2016

João Marcos Freire Pimentel, Pablo Soares Pinheiro Porto, Ivy Cruz Faislon, Katia de Miranda Avena

Abstract


Introdução: O saneamento básico é uma atribuição governamental que produz impactos diretos na saúde. Sua falta ou precariedade acarreta na disseminação de um grupo de doenças chamadas Doenças Relacionadas ao Saneamento Ambiental Inadequado (DRSAI). Na Bahia cerca de 50% da população não possui saneamento e isto reflete nos números de internação por DRSAI, aumentando a ocupação de leitos e, possivelmente, a sobrecarga no sistema de saúde. Objetivo: Descrever o número de internações hospitalares por doenças DRSAI na Bahia, no período de 2010 a 2016, caracterizando o perfil epidemiológico dos indivíduos internados por DRSAI e, além disso, verificar a existência de correlação entre a incidência de DRSAI e as condições de saneamento básico da região. Métodos: Estudo ecológico, retrospectivo, abordando dados do Sistema de Informações Hospitalares (SIH/SUS), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SINS), do estado da Bahia, nos anos de 2010 a 2016. Foram consideradas como variáveis de interesse: faixa etária, sexo, tipo da doença de acordo com diagnóstico principal, internação hospitalar (total e por doenças gastrointestinais), óbito e taxa de mortalidade. Resultados: Entre 2010 e 2016 foram registradas 183.051 internações por DRSAI na Bahia. Destas 52,8% eram mulheres e 45% estavam na faixa etária de 1 a 9 anos. As doenças de transmissão fecal-oral foram as mais recorrentes. Foram notificados 1.471 óbitos por DRSAI, equivalendo a 31,7% das mortes registradas no Nordeste por esta causa. Observou-se que ao decorrer dos anos a proporção de internações por DRSAI diminui ao mesmo tempo em que a taxa de fornecimento de água e esgotamento aumenta. Conclusão: Apesar das melhorias realizadas e dos investimentos governamentais em saneamento básico, as doenças recorrentes da sua inadequação ainda apresentam números altos na Bahia, sugerindo a necessidade de maior investimento governamental neste setor.


Keywords


Internações Hospitalares. Doenças gastrointestinais. Saneamento básico. Bahia

References


Uhr JGZ, Schmechel M, Uhr DAP. Relação entre saneamento básico no Brasil e saúde da população sob a ótica das internações hospitalares por doenças de veiculação hídrica. RACEF – Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace. 2016; 7(2):01-16.

Amaral MH, Oliveira LF, Ramos SB. Tendência das taxas de internação por doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado (DRSAI): Brasil, 1998 a 2014. Ciência ET Praxis. 2019; 11(21):85-90.

Fonseca FR, Vasconcelos CH. Análise espacial das Doenças Relacionadas ao Saneamento Ambiental Inadequado no Brasil. Cad. Saúde Colet. 2011; 19(4):448-53.

Brasil. Trata Brasil. Esgotamento sanitário inadequado e impactos na saúde da população. Um diagnóstico na situação. n. 81, 2014. p. 1-11.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico. [cited 2020 Feb 2]. Available from: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/pesquisa/30/30051.

Venson AH, Rodrigues KCTT, Camara MRG. Evolução da distribuição espacial do acesso aos serviços de saneamento básico nos municípios do Estado da Bahia, nos anos de 2006 e 2012. Ensaios FEE, Porto Alegre. 2017; 38(1):107-134.

Rouquayrol MZ, Almeida Filho N. Epidemiologia & Saúde. 6a ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2003.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Bahia, panorama. [cited 2020 Feb 1]. Available from: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/panorama.

Teixeira JC, Oliveira GS, Viali AM, Muniz SS. Estudo do impacto das deficiências de saneamento básico sobre a saúde pública no Brasil no período de 2001 a 2009. Eng. Sanit. Ambient. 2014; 19(1):87-96.

Souza AC, Petersont KE, Cufino E, Amaral MIV, Gardner J. Underlying and proximate determinants of diarrhoea-specific infant mortality rates among municipalities in the state of Ceará, Northeast Brazil: an ecological study. J Biosoc Sci. 2001; 33(2):227-44.

Oliveira AF, Leite IC, Valente JG. Carga Global das doenças diarreicas atribuíveis ao sistema de abastecimento de água e saneamento em Minas Gerais, Brasil, 2005. Ciênc. Saúde Coletiva. 2015;20(4):1027-1036.

Rasella D. Impacto do Programa Água para Todos (PAT) sobre a morbi-mortalidade por diarreia em crianças do Estado da Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2013; 29(1):40-50.

Paiva RFP, Souza MFP. Associação entre condições socioeconômicas, sanitárias e de atenção básica e a morbidade hospitalar por doenças de veiculação hídrica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2018; 34(1):1-11.

Queiroz JTM, Heller L, Silva SR. Análise da correlação de ocorrência da doença diarreica aguda com a qualidade da água para consumo humano no município de Vitória-ES. Saude Soc. 2009; 18(3):479-489.

Siqueira MS, Rosa RS, Bordin R, Nugem RC. Internações por doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado na rede pública de saúde da região metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 2010 – 2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2017; 26(4):795-806.

Bühler HF, Ignotti E, Neves SMADS, Hacon SDS. Análise espacial de indicadores integrados de saúde e ambiente para morbimortalidade por diarreia infantil no Brasil, 2010. Cadernos de Saúde Pública. 2014; 30(9):1921-1934.

Ichihara MYT, Rodrigues LC, Santos CA, Teixeira MDGL, Barreto ML. Risk factors for hospital admission of Brazilian children with non-rotavirus diarrhoea: a case control-study. Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene. 2015; 109(7): 454-461.

Raupp L, Cunha GM, Fávaro TR, Santos RV. Saneamento básico e desigualdades de cor/raça em domicílios urbanos com a presença de crianças menores de 5 anos, com foco na população indígena. Cadernos de Saúde Pública. 2019; 35(sup 3):e00058515.

Andreazzi MAR, Barcellos C, Hacon S. Velhos indicadores para novos problemas: a relação entre saneamento e saúde. Rev Panam Salud Pública. 2007; 22(3):211-217.

Brasil. Fundação Nacional de Saúde. Impactos na saúde e no sistema único de saúde decorrentes de agravos relacionados a um saneamento ambiental inadequado. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2010. [cited 2020 Feb 5]. Available from: http://www.funasa.gov.br/site/wpcontent/files/estudosPesquisas_ImpactosSaude.pdf.

Ferreira PSF, Motta PC, Souza TC, Silva TP, Oliveira JF, Santos ASP. Avaliação preliminar dos efeitos da ineficiência dos serviços de saneamento na saúde pública brasileira. Revista Internacional de Ciências. 2016; 6(2):214-229.

Ercumen A, Gruber JS, Colford JM. Water distribution system deficiencies and gastrointestinal illness: a systematic review and meta-analysis. Environ Health Perspect. 2014; 122(7):651-660.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-059

Refbacks

  • There are currently no refbacks.