Perfil clínico obstétrico das parturientes atendidas em um hospital universitário, quanto à indicação do tipo de parto / Obstetric clinical profile of parturients served in a university hospital as to the indication of the type of childbirth

Camila Andrade Chitarra, Guilherme Silva de Mendonça, Karen Magalhães Arantes, Aline Alvim Ferreira, Divina Maria de Jesus, Joselene Beatriz Soares Silva, Luiz Almeida da Silva, Efigênia Aparecida Maciel de Freitas

Abstract


Introdução: Tem-se observado no Brasil, nos últimos anos, elevação na taxa de cesariana. A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera que não há justificativa para um percentual de partos cesáreos superior a 15% em nenhuma região do mundo. O Ministério da Saúde do Brasil, igualmente, considera que elevadas taxas de cesáreas são fatores determinantes da morbimortalidade materna e perinatal (KILSZTAJS et al, 2007).Objetivos: Identificar o perfil clinico/obstétrico das parturientes atendidas em um hospital universitário, quanto à indicação do tipo de parto. Metodologia: Estudo de corte transversal, descritivo, com abordagem quantitativa, em um hospital público universitário em Uberlândia-MG o qual realiza cerca de 200 partos/mês. Participaram do estudo 250 puérperas selecionadas aleatoriamente. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevista. Resultados: Das 250 mulheres pesquisadas, 188(75,2%) evoluíram para cesárea e 62(24,8%) para parto normal, destas 199(79,6%) eram casadas e 51(20,4%) solteiras. Quanto à história obstétrica 103(41,2%) eram primigestas, nulíparas, 200(50,0%) nenhum aborto. Das 89(35,6%) que apresentaram indicações de cesariana as principais foram: Oligohidrâmnio 11(12,3%), escolha da paciente 10(11,2%), Hipertensão Arterial 7(7,8%) e Pré-eclâmpsia 4(4,5%). Conclusão: A partir da relação entre o tipo de parto realizado e o histórico obstétrico é possível observar a existência de inadequações das condutas assistenciais e incompatibilidade com o baixo índice de partos normais encontrados. Ressalta-se que outras pesquisas devem ser realizadas para subsidiar a elaboração de programas de capacitação profissional no intuito de elevar as taxas de parto normal de acordo com o preconizado e diminuir a ocorrência de cesariana sem indicação clínica que a justifique.


Keywords


Parto normal, Cesárea, Puerpério

References


ANS - Agência Nacional de Saúde Suplementar. Projeto Parto Adequado reforça combate à mortalidade materna, 2019. Disponível em: . Acesso em: [20 fev 2020].

BARBOSA, G. P.; GIFFIN, K.; ANGULO-TUESTA, A.; GAMA, A. S.; CHOR, D.; D’ORSI, E.; REIS, A. C. G.V. Parto cesáreo: quem o deseja? Em quais circunstâncias? Cad Saude Publica, Rio Grande do Sul, v. 19, n. 6, p. 1611-20, 2003. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000600006.

BEZERRA, M. H. E.; JUNIOR, A. A. C.; FEITOSA, G. F. R.; CARVALHO, A. A. Mortalidade materna por hipertensão: índice e análise de suas características em uma maternidade-escola. RBGO, Rio de Janeiro, v. 27, n. 9, p. 548-553, 2005. Doi: https://doi.org/10.1590/S0100-72032005000900008

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. 199 p.: il. ISBN: 85-334-0355-0. Disponível em . Acesso em [10 mai 2016].

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pre-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 162 p.

CORRÊA, S. H. F.; GOMES, B. M. Acompanhamento ambulatorial de gestantes com diabetes mellitus no Hospital Universitário Pedro Ernesto – UERJ. Arq Bras Endocrinol Metab., Rio de Janeiro, v. 48, n. 4, p. 499-504, 2004. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302004000400010

D’ORSI, E.; CARVALHO, M. S. Perfil de nascimentos no Município do Rio de Janeiro: uma análise espacial. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 367-379, 1998. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1998000200013.

DAUPHINEE, J. D. VBAC: Safety for the patient and the nurse. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs., v. 1, n. 33, p. 105-115, 2004. Doi:10.1177/0884217503261160.

DIAS, M. A. B.; DOMINGUES, R. M. S. M.; PEREIRA, A. P. E.; FONSECA, S. C.; GAMA, S. G. N.; THEME FILHA, M. M.; BITTENCOURT, S. D. A.; ROCHA, P. M. M.; SCHILITHZ, A. O. C.; LEAL, M. C. Trajetória das mulheres na definição pelo parto cesáreo: estudo de caso em duas unidades do Sistema de Saúde Su¬plementar do Estado do Rio de Janeiro. Ciênc. Saúde Coletiva, São Paulo (SP), v. 13, n. 5, p. 1521-1534, 2008. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000500017.

FAISAL-CURY, A.; MENEZES, P. R. Fatores associados à preferência por cesariana. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 2, p. 226-232, 2006. Doi: 10.1590/S0034-910200600020000.

FREITAS, F. P.; SAKAE, M. T.; JACOMINO, P. L. M. E. M. Fatores médicos e não médicos associados às taxas de cesariana em um hospital universitário no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n.5, p.1051-1061, 2008. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000500012

HANNAH, M. E.; HANNAH, W. J.; HEWSON, S. A.; HODNETT, E. D.; SAIGAL, S.; WILLAN, A. R. Planned caesarean section versus planned vaginal birth for breech presentation at term: a randomised multicentre trial. Term Breech Trial Collaborative Group. Lancet, v. 356, n. 9239, p. 1375-1383, 2000. DOI: 10.1016/s0140-6736(00)02840-3

KILSZTAJS, S.; LOPES, S. E.; CARMO, N. S. M.; REYES, A. M. A. Vitalidade do recém-nascido por tipo de parto no Estado de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 8, p. 1886-1892, ago, 2007. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000800015.

KIM, C.; KO, S. K.; KIM, K. Y. Are league tables controlling epidemic of caesarean sections in South Korea? J Obstet Gynecol, Bangladesh, v. 1, n. 112, p. 607-611, 2005. DOI: 10.1111/j.1471-0528.2004.00481.x

LACERDA, C. I.; MOREIRA, M. M. T. Características obstétricas de mulheres atendidas por pré-eclâmpsia e eclampsia. Maringá, v. 33, n. 1, p. 71-76, 2011. DOI: 10.4025/actascihealthsci.v33i1.7711

MANZINI, F. C., et al. Avaliação da assistência ao parto em maternidade terciária do interior do Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife (PE), v. 9, n. 1, p. 59-67, jan/ mar, 2009.

MANZINI, F. C.; BORGES, V. T. M.; PARADA, C. M. G. L. Avaliação da assistência ao parto em maternidade terciária do interior do Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [online], vol.9, n.1, pp.59-67, 2009. Doi: https://doi.org/10.1590/S1519-38292009000100007.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia Científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MELCHIORI, L. E.; MAIA, A. C. B.; BREDARIOLLI, R. N.; HORY, R. I. Preferência de gestantes pelo parto normal ou cesariano. Interação em Psicologia, Curitiba, v. 13, n. 1, p. 13-23, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v13i1.9858

MELO, B. C. P.; AMORIM, M. M. R.; KATZ, L.; COUTINHO, I.; VERÍSSIMO, G.

Perfil epidemiológico e evolução clínica pós-parto na pré-eclâmpsia grave. Rev Assoc Med Bras, Recife, v. 55, n.2, p. 175-80, 2009. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-42302009000200022.

MOURA, F. M. J. S. P.; CRIZOSTOMO, C. D.; NERY, I. S.; MENDONÇA, R. C. M.; ARAÚJO, O. D.; ROCHA, S. S. A humanização e a assistência de enfermagem ao parto normal. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 4, p. 452-455, 2007. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672007000400018

OMS - Organização Mundial da Saúde. Declaração da OMS sobre taxas de cesáreas. Genebra: 2015. Disponível em . Acessado: [10 jun 2016].

SANTOS, M. J.; KASSOUF, A. L. Estudos econômicos das causas de criminalidade no Brasil: Evidências e Controvérsias. Revista Economia, Campo Grande, v. 9, n. 2, p. 343-372, 2008.

SERRUYA, J. S.; CECATTI, G. J.; LAGO, G. T. O programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento do Ministério da Saúde no Brasil: resultados iniciais. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.20, n.5, p.1281-1289, 2004. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500022

SILVA, L. M.; OLIVEIRA, S. M. J. V.; SILVA, F. M. B.; ALVARENGA, M. B. Uso da bola suíça no trabalho de parto. Acta Paul Enferm, São Paulo (SP), v. 24, n. 5, p. 656-662, 2011. Disponível em . Acesso em [20 mai 2017].

SOUZA, A. M. M.; SOUZA, K. V.; REZENDE, E. M.; MARTINS, E. F; CAMPOS, D.; LANSKY, S. Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Esc Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 324-331, 2016. Doi: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160044

SPINDOLA, T.; PENNA, G. H. L.; PROGIANTI, M. J. Perfil epidemiológico de mulheres atendidas na consulta do pré-natal de um hospital universitário. Rev Esc Enferm USP, São Paulo, v. 40, n.3, p. 381-388, 2006. Doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342006000300010.

TESSER, D. C.; KNOBEL, R.; RIGON, T.; BAVARESCO, Z. G. Os médicos e o excesso de cesárias no Brasil. Sau. & Transf. Soc., Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 04-12, 2011.

TITA, A. T.; LANDON, M. B.; SPONG, C. Y.; et al.. Timing of Elective Repeat Cesarean Delivery at Term and Neonatal Outcomes. N Engl J Med, New England, v. 360, n. 3, p. 111-120, 2009. DOI: 10.1056/NEJMoa0803267

TREVISAN, R. M.; LORENZI, S. R. D.; ARAUJO, M. N.; ÉSBER, K. Perfil da assistência pré-natal entre usuárias do Sistema Único de Saúde em Caxias do Sul. RBGO, Rio de Janeiro, v. 24, n.5, p. 293-299, 2002. Doi: https://doi.org/10.1590/S0100-72032002000500002.

YE, J.; BETRAN, A. P.; VELA, M. G.; SOUZA, J. P.; ZHANG, J. Searching for the Optimal Rate of Medically Necessary Cesarean Delivery. Birth, v. 41, n. 3, p. 237-43, 2014. Doi: 10.1111/birt.12104




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-055

Refbacks

  • There are currently no refbacks.