Análise temporal e espacial da prevalência de doença de chagas aguda no estado do Pará no período de 2010 a 2014 / Temporal and spatial analysis of the prevalence of acute chagas disease in the state of Pará from 2010 to 2014

Luiz Felipe Santiago Bittencourt, Karen Maria Araújo Silva, Suzanne Caldas da Costa, Matheus Costa Freitas

Abstract


A Doença de Chagas (DC), ou tripanossomíase americana é uma antropozoonose causada pelo protozoário flagelado Trypanosoma cruzi. Sua transmissão se dá de forma vetorial, oral, vertical ou transfusional.  Possui duas formas clínicas: aguda e crônica sendo a aguda alvo de notificação compulsória como forma de consolidação da vigilância epidemiológica. O objetivo desse estudo é identificar a prevalência da Doença de Chagas Aguda em pacientes atendidos no estado do Pará no período de 2010-2014 através de apreciação retrospectiva e ecológica, de caráter quantitativo, baseada no Banco de Dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil (DATASUS) com análise seguindo a estatística descritiva.  Observou-se prevalência da forma de transmissão oral, e maior prevalência nas regiões metropolitana I, Tocantins e Marajó com períodos relacionados a safra do açaí e bolsões de pobreza. Contudo, a forma vetorial foi a segunda maior forma de transmissão destacando-se também que em muitos casos tal informação foi ignorada. A faixa etária de 20-59 anos foi a mais atingida em todos os anos. Não foi constatada predominância de gênero, e houve pouca evolução para óbito pelo agravo. Nesse sentido faz-se necessário o maior conhecimento relativo a cenários epidemiológicos da doença de Chagas e sua dinâmica de transmissão dentro do estado, envolvendo pessoas infectadas e sob risco de infecção.

 


Keywords


Doença de Chagas; Epidemiologia; Assistência à Saúde.

References


ALMEIDA,E.A.; RAMOS JÚNIOR,A.N.; CORREIA, D.; SHIKANAI- YASUDA,M.A.. Co-infection Trypanosoma cruzi/HIV: systematic review (1980-2010). Rev. Soc. Bras. Med.Trop.,v.44,n.6,p.762770,2011.Disponívelem:https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22231251. Acessado em: 08 dezembro 2017.

BARRETO, M.L. et al. Successes and failures in the control of infectious diseases in Brazil: social and environmental context, policies, interventions, and research needs. Lancet.,v.377,n.9780,p.18771889,2011.Disponívelem:http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(11)60202-X/fulltext. Acesso em: 09 dezembro 2017.

BRABIN, L.. The epidemiological significance of Chagas’ disease in women. Mem. Inst. OswaldoCruz.V.87,n.1,p.7379,1992.Disponívelem:https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1308557. Acesso em: 09 dezembro 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume 3 1. ed. atual. – Brasília: MS, 2017. p. 477-494

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Doença de Chagas aguda: manual prático de subsídio à notificação obrigatória no SINAN. Brasília: MS, 2004 1ª ed.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília:MS, 2014. Disponívelem:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_epidemiologica_7ed.pdf. Acessado em: 08 dezembro 2017.

CARDOSO, E.J.S. et al. Perfil epidemiológico dos portadores de doença de chagas: dos indicadores de risco ao processo de enfrentamento da doença Arq. Ciênc. Saúde., v.24, n.1,p.4146,2017.Disponívelem:http://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/545. Acesso em: 09 dezembro 2017.

COURA, J.R.. The main sceneries of Chagas disease transmission. The vectors, blood and oral transmissions: a comprehensive review. Mem. Inst. Oswaldo Cruz., v. 110, n.3, p. 277-282, 2015. Disponível em: http://memorias.ioc.fiocruz.br/component/k2/item/2738-0362_the-mainsceneriesofchagasdiseasetransmissionthevectorsbloodandoraltransmissions-a-comprehensive-review. Acesso em: 09 dezembro 2017

DIAS, J. C. P. et al. II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 25, p. 7-86, Junho 2016

DIAS, J.C.P.. Human chagas disease and migration in the context of globalization: some particularaspects.J.Trop.Med.,2013.Disponívelem:https://www.hindawi.com/journals/jtm/2013/789758/. Acessado em: 06 dezembro 2017.

PINTO,A.Y. et al. Clinical follow-up of responses to treatment with benznidazol in Amazon: a cohort study of acute Chagas disease. Plos One., v.8, n.5, 2013. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3664625/. Acesso em: 09 dezembro 2017.

SHIKANAI-YASUDA,M.A.;CARVALHO,N.B.. Oral transmission of Chagas disease. Clin.Infec.tDis.,v.54,n.6,p.845852,2012.Disponívelem:https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22238161. Acesso em: 08 dezembro 2017

SILVA, E.M et al. Estudo clínico-epidemiológico da doença de Chagas no distrito de Serra Azul, Mateus Leme, centro-oeste do Estado de Minas Gerais. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., v.43,n.2,p.178181,2010.Disponívelem:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0037-86822010000200014&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 08 dezembro 2017.

SILVEIRA, A.C.; DIAS, J.C.P.. O controle da transmissão vetorial. Rev. Soc. Bras. Med. Trop.,v.11,n.2,2011.Disponívelem:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822011000800009. Acesso em: 08 dezembro 2017.

VERONESSI-FOCACCIA. Tratado de infectologia. 5 ed rev. e atual. São Paulo: Atheneu, 2015. p. 1785-1829




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-054

Refbacks

  • There are currently no refbacks.