A adesão ao tratamento antirretroviral de pacientes com síndrome lipodistrófica associada ao HIV em um hospital amazônico / Adherence to antiretroviral treatment for patients with lipodistrophic syndrome associated with HIV in an amazon hospital

Débora Suellen de Oliveira Guimarães, João Gabriel Barbosa Lima, Diana Domingas Silva do Rosário, Rosana Maria Feio Libonati

Abstract


Introdução: A síndrome lipodistrófica em HIV é caracterizada por alterações na distribuição da gordura corporal e as mudanças metabólicas caracterizada pelo o aumento sérico dos lipídeos; pela resistência periférica à insulina, a qual resulta em Diabetes Mellitus. Essas alterações estão relacionadas à TARV – terapia antirretroviral, à infecção crônica provocada pelo HIV, a fatores genéticos e aos hábitos de vida do portador. Metodologia: A coleta de dados foi realizada através de entrevista aos pacientes portadores da síndrome lipodistrófica associada a HIV/AIDS nas faixas etárias acima de 18 anos, que concordarem em participar da pesquisa. Os questionários aplicados foram: um questionário de caracterização dos adultos com HIV/AIDS e para a adesão ao tratamento antirretroviral será utilizado o “questionário para a avaliação da adesão ao tratamento antirretroviral em pessoas com HIV/AIDS” (CEAT – HIV), desenvolvido por Remor (2002) e validado para a versão brasileira por Remor, Milner-Moskovics e Preussler (2007). Resultados: A maioria dos entrevistados eram do sexo masculino (66%), com faixa de idade compreendida entre 29 e 73 anos, quanto ao grau de instrução, 44% possuía o ensino médio completo. Eram predominantemente de nível socioeconômico baixo, ou seja, com renda familiar em torno de 1 a 3 salários mínimos (88%). Quanto ao estado civil, apenas 14% eram casados. Dentre os entrevistados, 17 (34%) tiveram escore final para estritamente aderente ao tratamento, 23 (46%) com boa adesão ao tratamento e apenas 10 (20%) eram pouco aderentes ao tratamento. Discussão: A partir das respostas ao questionário CEAT-VIH, os pacientes dessa pesquisa obtiveram uma pontuação média de 76,6 pontos, com desvio-padrão de 6,05 indicando estarem aderentes ao tratamento. Observou-se que 100% dos entrevistados tomam a medicação no horário certo, portanto 96% se sentem cumpridores do tratamento.  28% já passaram um dia sem tomar a medicação. 0 % perceberam piora do quadro clinico e deixaram de tomar a medicação. Conclusão: A pesquisa tem implicações para a prática profissional, com a constatação da importância de observar, melhorar e intervir para que possam ser atendidas as demandas dos usuários dos serviços, visando a encaminhar ações direcionadas para a sua resolubilidade e fortalecimento do vínculo do paciente com a equipe de saúde, assim como orientar a importância de uma boa adesão ao tratamento para a eficácia do mesmo. Descritores: Síndrome Lipodistrófica, AIDS, Adesão ao tratamento.

 


Keywords


HIV, Infecção, Antirretroviral.

References


ABBATE, M. C et al. Lipodistrofia: Pessoas que vivem com HIV/Aids. Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, 2006.

ABERG, J.A; GALLANT, J.E;ANDRESON, J; OLESKE, J.M; LIBMAN, H; CURRIER, J.S; STONE, V.E; KAPLAN, J.E.; Primary care Guidelines for HIV. Clinical Infectious Diseases, v.39, p. 609-29, 2004.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. HIV/Aids, hepatites e outras DST. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Aids no Brasil/Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais/SVS/MS. Política Brasileira. Brasília, 2011.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim Epidemiológico - Aids e DST -Ano II - nº 1 - até semana epidemiológica 26ª - dezembro de 2013. Disponível em: www.aids.gov.br.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Aids no Brasil/Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais/SVS/MS. Política Brasileira. Brasília, 2012.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de adesão ao tratamento para pessoas vivendo com HIV e Aids / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. – Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de tratamento da lipoatrofia facial: recomendações para o preenchimento facial com polimetilmetacrilato em portadores de HIV/AIDS / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

FIUZA, M. L. T. Religiosidade, adesão e qualidade de vida em pessoas vivendo com AIDS em uso de antirretrovirais. Dissertação (mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

GEOCZE, L. et al. Qualidade de vida e adesão ao tratamento anti-retroviral de

pacientes portadores de HIV. Rev Saúde Pública 2010;44(4):743-9.

GIR, E.; VAICHULONIS, C.G.; OLIVEIRA, M.D.; Adesão à terapia antirretroviral por indivíduos com HIV/AIDS assistidos em uma instituição do interior paulista. Rev. Latino-am. Enfermagem, 2005.

HOLMES, W.C, SHEA, J.A. A New HIV/AIDS Targeted Quality of life (HAT-QOL) Instrument: development, reliability and validity. Medical Care 1998; 36: 138-54.

MARGALHO, et al., HAART e qualidade de vida e sintomatologia psicopatológica. Acta Med Port. 2011; 24(S2): 539-548.

REMOR, E. Valoración de la adhesión al tratamiento antirretroviral en pacientes VIH+. Psicothema, 2002; 14(2), 262-267.

REMOR, E.; MILNER-MOSKOVICS, J.; PREUSSLER G. Adaptação brasileira do “Cuestionario para la Evaluación de la Adhesión al Tratamento Antiretroviral”. Rev Saúde Pública. 2007;41(5):685-94

SANTOS, E.C.M., FRANÇA, I. JR., LOPES, F. Qualidade de vida de pessoas vivendo com HIV/Aids em São Paulo. Rev Saúde Pública 2007; 41(Supl. 2): 64-71.

SCHMITZ, M. F., CRYSTAL, S. Social relations, coping, and psychological distress among persons with HIV/AIDS. Journal of Applied Social Psychology. 2000, (665-685).

STERRATINO, G.; SANTORO, L.; BARTOLOZZI, M. Self-reported adherence suports patient preference for the single tablet regimen (STR) in the current cART era. Patient Prefer adherence, v. 6, p. 427-433, 2012.

THOMPSON, E. Resiliency in families with a member facing AIDS. In:The dynamics of resilient families (pp. 135-159). California: Sage.1999.

ZAMBRINI, H; SILVA, E. F. R. Síndrome Lipodistrófica em HIV. Ministério da Saúde, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-050

Refbacks

  • There are currently no refbacks.