Avaliação dos casos de meningite por definição do agente etiológico no estado do pará entre os anos de 2010 a 2019 / Evaluation of meningitis cases by definition of the etiological agent in the state of pará between 2010 and 2019

Adriana Conceição Borges da Silva, Eluélly Lorrane da Conceição Rodrigues, Eliane Leite da Trindade

Abstract


Introdução: A meningite é uma doença infectocontagiosa caracterizada pela inflamação das meninges, que servem de revestimento e proteção do Sistema Nervoso Central, sendo causada por diversos agentes infecciosos, como bactérias, vírus e fungos. As meningites virais e bacterianas são as mais importantes do ponto de vista da saúde pública, pela sua capacidade de ocasionar morbimortalidade. Objetivo: Avaliar a distribuição dos casos de meningite por definição do agente etiológico no estado do Pará nos anos de 2010 a 2019. Material e Método: Trata-se de um estudo longitudinal, observacional, descritivo, quantitativo e retrospectivo, cujas informações sobre casos e o agente etiológico das meningites foram obtidas do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN), referente ao período de 2010 a 2019, no estado do Pará. Posteriormente, a análise e processamento dos dados foram realizadas no programa Microsoft Office Excel 2013, onde foram aplicados diversos filtros a fim de se obter a frequência dos resultados. Resultados: No Estado do Pará, entre os anos de 2010 a 2019 foram notificados 4.265 casos de meningite. Sobre a etiologia da doença, a bacteriana correspondeu a 45,7% dos casos (n = 1949), a viral 29,31% (n = 1250), por outras etiologias 9,85% (n = 420), meningite não especificada 14,68% (n = 626) e os casos ignorados ou em branco equivalem a 0,47% (n = 20). Dentre as meningites bacterianas, boa parte destas ocorrem por bactéria não especificada (n = 1065), seguida da Neisseria meningitidis (n = 349), Mycobacterium tuberculosis (n = 313), Streptococcus pneumoniae (n = 198) e Haemophilus influenzae (n = 24). Conclusão: No Estado do Pará, o principal agente etiológico da meningite são as bactérias, sendo que a maioria destas não se soube identificar sua espécie. Tal fato, revela a necessidade de aprimoramento na coleta, armazenamento e análise de material cefalorraquidiano, bem como de mais estudos sobre a área em questão, visando melhorias nas ações de vigilância e prevenção em saúde relacionada às meningites infecciosas.

 


Keywords


Epidemiologia; Meningite; Etiologia; Estado do Pará.

References


FCF Dias, CAR Junior, CRL Cardoso, FPFS Veloso, RTAS Rosa, BNS Figueiredo. Meningite: Aspectos Epidemiológicos da Doença na Região Norte do Brasil. Revista de Patologia do Tocantins, v. 4, n. 2, p. 46-49, 2017.

Secretaria de Vigilância em Saúde. Meningites. Guia de Vigilância Epidemiológica. Caderno 12, p. 21-47. Acesso em: 19 de junho de 2020.

Ministério da Saúde. Meningite: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Disponível em: https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/meningites. Acesso em: 19 de junho de 2020.

GJN Rocha, GMA Costa, SAA Silva. Análise transversal da incidência de infecção meningocócica em crianças e adultos de 1 a 59 anos em Sergipe comparativamente com o Brasil, nos anos de 2008 a 2017. Brazilian Journal of Health Review. Curitiba, v. 2, n. 4, p. 2677-2694, jul./aug. 2019.

LCC Cardoso, MKA Santos, NF Mariano. Caracterização do Perfil Epidemiológico de Meningite: Estudo Ecológico na Região Nordeste de 2008 a 2018. 2º Congresso Internacional de Enfermagem - CIE/13° Jornada de Enfermagem da Unit (JEU) - 6 a 10 maio de 2019.

C Stocco, ML Leite, VB Labiak, JSV Filho, E Nascimento. Influência de Variáveis Climáticas sobre a Incidência de Meningite e sua Distribuição Espacial no Município de Ponta Grossa – PR, 2001-2005. Rev. Saúde Soc. São Paulo, v. 19, n. 1, p. 84-93, 2010.

MRCC Monteiro, TMK Alves, LML Abraão, MHN Fachardo. Meningite no Hospital Universitário João de Barros Barreto. Revista Paraense de Medicina, p. 1-6. 2009.

SL Hauser et al. Harrison’s: Neurology in Clinical Medicine 1ª edição. USA: McGraw-Hill, p. 423-55. 2006.

HCG Silva, N Mezarobba. Meningite no Brasil em 2015: O Panorama da Atualidade. Arq. Catarinense de Medicina, v. 47, n. 1, p. 34-46, 2018.

MC Thigpen, CG Whitney, NE Messonnier, ER Zell, R Lynfield, JL Hadler et al. Bacterial Meningitis in The United States, 1998–2007. N. Engl. L. Medicine, v. 364, n. 21, p. 2016-2025, 2011.

Ministério da Saúde. Meningite Bacteriana não Especificada no Brasil 2007 - 2016: Desafio para a Vigilância das Meningites. Boletim Epidemiológico, v. 50, n.1, 2019.

JC Moraes, RB Barata. A doença Meningocócica em São Paulo, Brasil, no século XX: Características Epidemiológicas. Cadernos de Saúde Pública, v. 21, n. 5, p. 1458-71, 2005.

CT Sacchi, LO Fukasawa, MG Gonçalves et al. Incorporation of Real-Time PCR Into Routine Public Health Surveillance of Culture Negative Bacterial Meningitis in São Paulo, Brazil. PLoS ONE, v. 6, p. 1-8, 2011.

RMR Duarte, MR Donalísio, J Fred. Avaliação da Qualidade da Atenção à Doença Meningocócica na Região Metropolitana de Campinas, 2000 a 2012. Epidemiol. Serv. Saúde, v. 23, n. 4, p. 721-729, 2014.

LFS Pereira, CRF Maués, AJS Carvalho, AS Lima, NV Bezerra. Epidemiologia da Tuberculose no Estado do Pará. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 2, n. 2, p. 800-808, mar./apr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-043

Refbacks

  • There are currently no refbacks.