Fratura de Holstein Lewis em paciente feminina de 39 anos: relato de caso / Holstein Lewis fracture in a 39-year-old female patient: a case report

Victor Nagib Queiroz Balech, Luciana Lara Vicente Parreira, André Victor Viana Garcia, Amanda Oliva Spaziani, Jaison Higino Micas, Marcelo Dias Rodrigues, Raissa Silva Frota, Daniel Brito Fernandes, Gustavo Pazoto Nakamura, Flávio Henrique Nuevo Benez dos Santos

Abstract


As fraturas de Holstein Lewis (HLF) são fraturas espirais do terço distal da diáfise do úmero que muitas vezes aprisionam o nervo radial. Considerando os fatores destacados, este estudo objetiva relatar um caso fratura de Holstein Lewis e buscar embasamento literário para fundamentar o caso. O presente trabalho foi realizado em forma de relato de caso por meio do prontuário médico e relato da paciente. Além disso, foram pesquisados, artigos científicos. Paciente do sexo feminino, 39 anos, com a hipotese diagnóstica de fratura de úmero esquedo. Ao exame ortopédico, apresentava dor, edema e crepitação em braço esquerdo associado desvio, sem déficit neurológico ou vascular. Foi diagnosticada com fratura de Holstein Lewis em úmero esquerdo. Optou-se por tratamento conservador. No décimo dia evoluiu com parestesia e praxia da mão esquerda e impossibilidade de estender ou fletir o polegar esquerdo e os dedos e foi indicado o tratamento cirúrgico. Na cirurgia observou-se o nervo radial com laceração no foco de fratura e ocorreu reparação do mesmo, realizou-se um RAFI da fratura com placa DCP com nove furos de grandes fragmentos estreita mais 6 parafusos corticais. No primeiro dia após o ato operatório, a paciente evoluiu com retorno da sensibilidade e da flexão e extensão dos dedos, porém permanece sem fletir e estender o polegar. Foi encaminhada à fisioterapia. Apesar da alta frequência de fraturas diafisárias do úmero, a fratura do terço distal é rara. Quando atingido em ambos os lados das fraturas, e no mínimo seis, preferencialmente oito pontos de fixação cortical em ambos os lados de uma fratura devem ser realizados.

References


Benegas E, Ferreira AAN, Bollinger RN, Prada FS, Malavolta EA, Marchitto GO. et al. Fraturas da diáfise do úmero. Rev. bras. ortop. vol.45 no.1 São Paulo 2010.

DE SOUSA, Gutembergue Santos; DE SOUSA, Lirian Raquel Bezerra; FERREIRA, Maria Goreth Silva. Epidemiologia Dos Acidentes Com Fraturas Na Infância: O Retrato De Um Município Da Amazônia Brasileira. Revista Eletronica Gestão & Saúde, p. 68-80, 2019.

GUERRA, Ricardo Luís Salvaterra. TRATAMENTO DE RETARDO DE CONSOLIDAÇÃO, EM FRATURA DE DIÁFISE DE ÚMERO, COM ESTIMULAÇÃO POR ULTRASSOM PULSADO: RELATO DE CASO. Revista Saúde e Meio Ambiente, v. 4, n. 1, p. 93-102, 2017.

BORGES, Maria Inês de Oliveira. Fraturas diafisárias do úmero: dois tratamentos cirúrgicos em comparação. 2017. Tese de Doutorado.

DURÃO, Carlos; RAMOS, Jorge. Ainda Existe Espaço para o Tratamento Conservador nas Fraturas Complexas da Diáfise do Úmero?. 2017.

MATSUNAGA, Fabio Teruo. Tratamento das fraturas da diáfise do úmero: osteossíntese com placa em ponte versus tratamento não cirúrgico com órtese funcional. Ensaio clínico randomizado. 2015.

MOURA, Diogo Lino et al. Tratamento de fraturas patológicas tumorais diafisárias do úmero com haste intramedular rígida bloqueada estática–Experiência de 22 anos. Revista Brasileira de Ortopedia, 2018.

DRESSLER, Hugo Bertani; DE PAULA, Ricardo Nunes Borges. Fratura intra‐articular da extremidade distal do úmero tipo IV de Bryan e Morrey tratada cirurgicamente com acesso anterior: relato de caso. Revista Brasileira de Ortopedia, v. 50, n. 3, p. 352-355, 2015.

LUFT, Michel et al. HASTES INTRAMEDULARES FLEXÍVEIS NO TRATAMENTO DE FRATURAS DA DIÁFISE DO ÚMERO EM ADULTOS: UM ESTUDO FASE I. 2015.

PIGNATARO, Gustavo Soriano et al. Avaliação da reprodutibilidade da classificação AO/Asif para fraturas diafisárias do úmero. Revista Brasileira de Ortopedia, v. 50, n. 4, p. 378-382, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-029

Refbacks

  • There are currently no refbacks.