O movimento pela humanização do parto e nascimento no Brasil: o impacto em Uberlândia segundo a percepção dos enfermeiros / The movement for humanization of birth and birth in Brazil: the impact in Uberlândia according to the perception of nurses

Marcos Jorge da Silva, Guilherme Silva de Mendonca, Renata Lemos de Sousa Neto, Brenda Magalhães Arantes, Adriana Pereira Duarte, Mariana da Silva Oliveira, Cléria Bragança, Efigênia Aparecida Maciel de Freitas

Abstract


Introdução: O parto é um processo fisiológico natural e na maior parte dos casos não há necessidade de intervenções, exceto nos casos de gravidez de risco. No entando, apesar de a maioria das gestações evoluir naturalmente e sem ricos para a parturiente e a criança, observa-se um numero crescente de intervenções inapropriadas e desnecessárias. Neste sentido o Ministério da Saúde, visando melhorar a qualidade da assistência obstétrica e neonatal, instituiu o Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento (PHPN). Objetivo: Demonstrar a percepção dos Enfermeiros que atuam na rede de saúde do município sobre o impacto do Movimento pela Humanização do Parto e Nascimento em Uberlândia-MG. Metodologia: Trata-se de um estudo observacional, descritivo, de abordagem quali-quantitativa, no qual foram entrevistados 56 Enfermeiros que atuam na rede pública (38) e privada (18) de Uberlândia-MG, com base em um questionário. Ao discurso dos entrevistados foi aplicada a técnica de análise de conteúdo de Bardin (2009). Resultados: Dos 56 entrevistados 44 (78,6%) eram do sexo feminino e 12 (21,4%) do sexo masculino, a média de idade foi de 34,5 anos, com tempo de formação e de atuação de 5 anos. Todos os entrevistados afirmaram conhecer o PHPN, suas instituições incentivam o parto normal (53,5%), há planejamento individual/antecipado sobre onde e por quem o parto será assistido (67,8%), há avaliação de risco no pré-natal/ reavaliação a cada contato/no momento do parto (85,8%). As mulheres tem direito de escolha do local do parto as vezes (57,14%) ou nunca (28,7%); privacidade no local do parto sempre (41%), as vezes(59%); utiliza o partograma sempre (27%), nunca(73%); usa métodos não farmacológicos de alívio da dor sempre (63%), nunca (37%); estimulo a deambulação (27,2%); escolha da posição não supina as vezes (27,2%) nunca (72,8%); estimula o contato pele a pele (100%); amamentação na primeira hora (90%); permite acompanhante durante todo o processo (45,5%). Dos 18 enfermeiros de instituições que prestam assistência ao parto 14(78%) relataram que o enfermeiro obstetra não tem autonomia para assistir o parto. A análise qualitativa dos dados revelaram que os entrevistados demonstraram compreensão adequada da proposta de Ações que Poderiam Melhorar o Modelo Atual de Assistência ao Pré-Natal e Nascimento, evidenciadas em falas como: “Maior comprometimento dos profissionais e dos gestores no cumprimento da legislação vigente Assistência diferenciada, saber ouvir a parturiente reconhecendo suas necessidades emocionais e psicológicas em todo o processo”. Contudo, na percepção deles, até o momento não houve impacto no referido município em decorrência do movimento pela humanização do parto e nascimento, principalmente por resistência dos próprios profissionais, comodismo, falta de capacitação e apoio institucional. Conclusão: Os resultados demonstram que na visão dos enfermeiros não houve impacto na assistência decorrente do PHPN. Evidencia-se que há um longo caminho a percorrer para que as diretrizes e recomendações do programa de humanização do parto e nascimento sejam adotadas pelos profissionais de saúde como parte integrante no processo de trabalho em rede, incluindo a atenção primária e hospitalar.


Keywords


PHPN, Parto Humanizado, Assistência de Enfermagem, Humanização.

References


ALVES, P C. A experiência da enfermidade: considerações teóricas. Cad. Saúde Pública [online]. v. 9, n. 3, p.263-271, 1993. https://doi.org/10.1590/S0102-311X1993000300014.

APOLINÁRIO, D.; RABELO, M.; WOLFF, L. D. G.; SOUZA, S. R. R. K.; LEAL, G. C. G. Práticas na atenção ao parto e nascimento sob a perspectiva das puérpera. Revista RENE, v. 17, n. 1, p. 20-28, 2016. DOI: 10.15253/2175-6783.2016000100004

BARDIM, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2007.

BARE, G. B.; HINKLE, J. L.; KERRY, H. C.; SMELTER, S. C.. Brunner & Suddarth - Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. Guanabara Koogan, ed. 10, v. 02; 2006.

BRASIL. Diretrizes Nacional de Asistência ao Parto Normal. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico]. Brasília : Ministério da Saúde, 2017. 51 p. : il. ISBN 978-85-334-2477-7. Disponível em

GEMG-SES. Governo do Estado de Minas Gerais. Secretaria de Estado de Saúde. Programa Mãe de Minas. 2010. Disponível em: . Acesso em [30 mai 2020].

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatísticas 2013. Disponível em: . Acesso em [25 out 2013].

PMU – Prefeitura Municipal de Uberlândia. Lei nº 12.314, de 23 de novembro de 2015. Dispõe que Maternidades, Casas de Parto E Estabelecimentos Hospitalares Congêneres, da Rede Pública e Privada de Uberlândia ficam obrigados a permitir a presença de Doulas durante todo o período de Trabalho de Parto, Parto e Pós-Parto Imediato, sempre que solicitadas pela Parturiente. Diário Oficial do Município de Uberlândia, nº 4776, 24 de novembro de 2015. 2015. Disponível em http://www.uberlandia.mg.gov.br/uploads/cms_b_arquivos/13921.pdf. Acesso em [10 mar 2016].

BRASIL. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento. Ministério da Saúde. Universidade Estadual do Ceará. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 465 p. : il. – (Cadernos HumanizaSUS ; v. 4). Disponível em . Acesso em [10 mai 2017].

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. 199 p.: il. ISBN: 85-334-0355-0. Disponível em . Acesso em [16 mai 2017].

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Programa de humanização no pré-natal e nascimento. Brasília (DF): O Ministério; 2000. Disponível em . Acesso em [16 mai 2017].

BRASIL. Lei n 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Diário Oficial da União [internet]. Brasilia; 2005. Disponível em: . Acesso em [10 abr 2017].

RNFSDR - Rede Nacional Feminista de Saúde e Direitos Reprodutivos. Dossiê Humanização do parto. Disponível em . Acesso em [10 abr 2017]..

BRASIL. Resumo Executivo Saúde Brasil 2013: uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Resumo Executivo Saúde Brasil 2013: uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 60 p. : il. Disponível em: . Acesso em [16 mai 2017].

BRUGEMANN OM. Resgatando a história obstétrica para vislumbrar a melodia da humanização. In: ZAMPIERE, FM, OLIVEIRA ME, BRUGGMANN OMA, melodia da humanização: reflexões sobre o cuidado no processo de nascimento. Florianópolis (SC): Cidade Futura, 2015. p. 23-26. 2.

CARNEIRO, R. G. Cenas de parto e políticas do corpo = uma etnografia de práticas femininas de parto humanizado. 2011. 356 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: . Acesso em: [10 ago 2017].

FAUNDES, A.; CECATTI, J. G. A operação cesárea no Brasil: incidência, tendências, causas, conseqüências e propostas de ação. Cad. Saúde Pública, v. 7, n. 2, p.150-73, 1991. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1991000200003

FERREIRA, K. M.; VIANA, L. V. M.; MESQUITA, M. A. S. B. Humanização do parto normal: uma revisão de literatura, Rev. Saúde em Foco, Teresina, v. 1, n. 2, art. 1, p. 134-148, 2014.

HOTIMSKY, S. N. A formação em obstetrícia: competência e cuidado na atenção ao parto. Tese (doutorado) em Medicina Preventiva. São Paulo, Brasil: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, 2007. DOI 10.11606/T.5.2007.tde-14112007-082030. Disponível em . Acesso em [20 mai 2017].

LEAL, M. C.; PEREIRA, A. P. E.; DOMINGUES, R. M. S. M.; THEME FILHA, M. M.; DIAS, M. A. B.; PEREIRA, M. N.; BASTOS, M. H.; GAMA, S. G. N.. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad. Saúde Pública, v. 30, n.1 , p. 17-32, 2014. https://doi.org/10.1590/0102-311X00151513

LONGO, C. S. M.; ANDRAUS, L. M. S.; BARBOSA, M. A. Participação do acompanhante na humanização do parto e sua relação com a equipe de saúde. Rev. Eletr. Enf. [Internet], v. 12, n. 2, p. 386-391, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v12i2.5266.

MATOS,T. A.; SOUZA, M. S.; SANTOS, E. K. A.; VELHO, M. B.; SEIBERT, E. R. C.; MARTINS, N. M.. Contato precoce pele a pele entre mãe e filho: significado para a mãe e contribuições para a enfermagem. Rev Bras Enferm., Brasília, v. 63, n. 6, p. 998-1004, 2010. Doi: https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000600020

OMS - Organização Mundial da Saúde. Assistência ao parto normal: um guia prático- Relatório de um grupo técnico. Genebra, p. 53, 2009.

OSAVA, R. H.; TANAKA, A. C. d'A. Os paradigmas da enfermagem obstétrica. Rev. esc. enferm. USP [online], v. 31, n. 1, p. 96-108, 1997.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62341997000100008.

POSSATI, A. B.; PRATES, L. A.; CREMONESE, L.; SCARTON, J.; ALVES, C. N.; RESSEL, L. B. Humanização do parto: significados e expressões de enfermeiras. Esc. Anna Nery, v. 21, n. 4, p.1-6, 2017. DOI: 10.1590/2177-9465-EAN-2016-0366

RODRIGUES, A. V.; SIQUEIRA, A. F. Sobre as dores e temores do parto: dimensões de uma escuta. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [online], v. 8, n. 2, p.179-186, 2008. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292008000200005.

SEIBERT, S. L.; BARBOSA, J. L. S.; SANTOS, J. M.; VARGENS, O. M. C. Medicalização X Humanização: o cuidado ao parto na história. Rev. enferm. UERJ, v. 13, n. 2, p. 245-251, 2005.

SERRUYA, S. J. A experiência do programa de humanização no pré-natal e nascimento (PHPN) do Ministério da Saúde. Tese ( Doutorado) Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, Brasil, 2003.

SERRUYA, S. J.; CECATTI, J. G.; LAGO, T. G. O Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento (PHPN) do Ministério da Saúde no Brasil: resultados iniciais. Cad Saúde Pública, v. 20, n. 5, 2004. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500022

SILVEIRA, S. C. da; CAMARGO, B. V.; CREPALDI, M. A. Assistência ao parto na maternidade: representações sociais de mulheres assistidas e profissionais de saúde. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre , v. 23, n. 1, p. 01-10, 2010 . Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-79722010000100002.

SILVEIRA, S. C; CAMARGO, B.V.; CREPALDI, M.A. Assistência ao parto na maternidade: representações sociais de mulheres assistidas e profissionais de saúde. Psicol. Reflex. Crit. [online], v. 23, n.1, p. 01-10, 2010. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722010000100002.

TORNQUIST, C. S. Armadilhas da Nova Era: natureza e maternidade no ideário da humanização do parto. Rev. Estud. Fem. [online], v. 10, n. 2, p. 483-492, 2002. ISSN 1806-9584. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200016.

TORNQUIST, C. S. Poder e parto - O movimento pela humanização do parto no Brasil. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. 2004. Disponível em . Acesso em [15 abr 2017].

VIEIRA, E. M. A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2002. 84 p. ISBN-10: 8575410164

WOLFF, L. R.; MOURA, M. A. V. A institucionalização do parto e a humanização da assistência: revisão de literatura. Esc Anna Nery Rev Enfermagem, v. 8, n. 2, p. 279-85, ago. 2004.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-034

Refbacks

  • There are currently no refbacks.