Sofrimento moral vivenciado pelo enfermeiro em unidade de terapia intensiva neonatal / Moral suffering experienced by nurses in neonatal intensive care unit

Vanessa Torres Pereira, Marluce Alves Nunes Oliveira, Elaine Guedes Fontoura, Maria Lúcia Servo, Kátia Santana Freitas, Pollyana Pereira Portela, Joselice Almeida Góis

Abstract


O sofrimento moral emerge quando há o conhecimento da maneira correta de agir, embora assim não o faça, por impedimentos externos ou internos à ação. Pesquisa qualitativa, exploratória e descritiva, que tem como objetivo compreender o sofrimento moral vivenciado pelo enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. O estudo foi desenvolvido em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal de hospital geral público, em Feira de Santana-Bahia-Brasil. A Pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Estadual de Feira de Santana, sob parecer número 1.976.768. Os participantes foram seis enfermeiros que atuam em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Foi utilizada a entrevista semiestruturada como técnica de coleta de dados, realizada em julho de 2017.  A análise dos dados foi realizada pelo método de análise proposto por Martins e Bicudo. A partir da leitura horizontal e vertical dos depoimentos emergiram duas categorias “compreensão dos enfermeiros sobre o sofrimento moral” e “enfermeiros na vivência do sofrimento moral”. Os resultados apontaram que os enfermeiros compreendem o sofrimento moral. Eles emergem pela inobservância dos valores e princípios éticos; a falta de autonomia do enfermeiro e tem relação com a ansiedade/impotência do enfermeiro. O estudo revelou também que enfermeiros vivenciam o sofrimento moral em seu ambiente laboral, enquanto outros não vivenciam, mas reconhecem que ocorre na prática. Concluímos que existe a necessidade de que as instituições de saúde promovam condições adequadas de trabalho para o enfermeiro de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, a fim de prevenir o sofrimento moral e possibilitar a promoção de uma assistência de saúde com qualidade, carga horária de trabalho ideal, prevenção de doenças relativas ao sofrimento moral, como a síndrome de Burnout, estresse ocupacional ou esgotamento físico e mental. O enfermeiro deve realizar o cuidado ao Recém-Nascido com qualidade, humanização e ética em ambiente cooperativo para o restabelecimento da saúde do recém-nascido.

 


Keywords


Sofrimento moral, Enfermeiro, Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.

References


AMESTOY, S. C., et al. Gerenciamento de conflitos: desafios vivenciados pelos enfermeiros-líderes no ambiente hospitalar. Rev Gaúcha Enferm., v. 35, n. 2, p. 79-85, jun., 2014.

BARLEM. E. L., Sofrimento moral em trabalhadores de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 21 (esp) , p. 1 - 9, Jan - Fev, 2013.

BERGER, J. T. Moral Distress in Medical Education and Training. J Gen Intern Med, v. 29, n. 2, p.395–398, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. PORTARIA Nº 930, DE 10 DE MAIO DE 2012. Define as diretrizes e objetivos para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente grave e os critérios de classificação e habilitação de leitos de Unidade Neonatal no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 2012.

BRASIL, Ministério da Saúde. RESOLUÇÃO Nº 7, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Subsecretaria de Assuntos Administrativos. Assédio: violência e sofrimento no ambiente de trabalho: assédio moral / Ministério da Saúde, SecretariaExecutiva, Subsecretaria de Assuntos Administrativos. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 36 p

CARNEVALE, F. A. Confronting moral distress in Nursing: recognizing nurses as moral agents. Rev Bras Enferm, v. 66 (esp), p. 33 - 38, 2013.

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN 564/2017. Aprova o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Conselho Regional de Enfermagem da Bahia, 2017.

DALMOLIN, G. L., LUNARDI, V. L., LUNARDI FILHO, W. D. O sofrimento moral dos profissionais de enfermagem no exercício da profissão. Rio de Janeiro: Rev. enferm. UERJ, v. 17, n.1, p. 35 – 40, jan/mar, 2009.

DALMOLIN, G. L., et. al. Implicações do sofrimento moral para os (as) enfermeiros (as) e aproximações com o burnout. Texto contexto enferm. Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 200-208, jan - mar, 2012.

HUFFMAN, D. M., RITTENMEYER, L. How professional nurses working in hospital environments experience moral distress: a systematic review. Crit Care Nurs Clin North Am. v. 24, n. 1, p. 91-100, 2012.

JAMETON, A., Dilemmas of Moral Distress: Moral responsibility and nursing practice. AWHONN's Clinical Issues in Perinatal and Women's Health. v. 4, n. 4, p. 542 - 551, 1993.

LUNARDI, V. L. et al. Sofrimento moral e a dimensão ética no trabalho da enfermagem. Rev Bras Enferm: Brasília, v. 62, n. 4, p. 599-603, jul - ago, 2009.

MARTINS, J.; BICUDO, M. A. V. A pesquisa qualitativa em psicologia: fundamentos e recursos básicos. 5ª ed. São Paulo: Centauro, p. 110, 2005.

MOLAZEM, Z. et al. Effect of education based on the “4A Model” on the Iranian nurses’moral distress in CCU wards. J MedEthicsHist Med. v. 6, n. 5, p. 1 - 8, 2013.

MONTANHOLI, L. L.; MERIGHI, M. A.B.; JESUS, M. C. P.Atuação da enfermeira na unidade de terapia intensiva neonatal: entre o ideal, o real e o possível. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v. 19, n. 2, p. 01 - 08, 2011.

PEREIRA, V. T. Conflitos Éticos vividos pela equipe de enfermagem no intraoperatório. Universidade Estadual de Feira de Santana (Relatório Final do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica (PIBIC) / Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), Feira de Santana, 2016.

RAMOS, F. R, et. al. Consequências do sofrimento moral em enfermeiros: revisão integrativa. Cogitare Enferm. v. 21, n. 2, p. 01-13, Abr/jun, 2016.

SILVEIRA, L. R.; et. al.. sofrimento moral em enfermeiros dos departamentos de fiscalização do brasil. Acta Paul Enferm. v. 29, n. 4, p. 454- 462, 2016.

VALERIANO, R. S.; DIAS, C. A. análise do impacto da falta de recursos materiais no desempenho do profissional de enfermagem. Rev. online ciência & consciência - cec, v. 2, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-032

Refbacks

  • There are currently no refbacks.