Avaliação do risco de transtornos alimentares em praticantes da dieta vegetariana / Evaluation of the risk of food disorders in vegetarian diet practice

Bianca Gardini Rustichelli, Andrea Romero de Almeida

Abstract


Introdução: Transtornos alimentares tem etiologia multifatorial e são caracterizados pela atitude alimentar comprometida, levando o indivíduo a praticar dietas restritivas severas ou criar aversões alimentares. O CRN-3 esclarece que indivíduos com distúrbios alimentares estão propensos a adotar dietas restritivas, tal qual a vegetariana. Objetivo: Avaliar a incidência de características de transtornos alimentares em indivíduos que adotaram a dieta vegetariana. Metodologia: Estudo transversal com aplicação de questionário online, contando com perguntas de informações pessoais e os instrumentos BSQ-34 e EAT-26. Resultados: A amostra foi constituída por 93 participantes, sendo 91,4% do gênero feminino e 8,6% masculino. A análise da pontuação demonstrou que 25,81% (n=24) da amostra ficou acima da faixa de corte no BSQ-34 e 29,03% (n=27) no EAT-26. Apesar de 61,29% (n=57) da amostra estar eutrófica, 43,01% (n=40) pontuou a questão do EAT-26 referente a ter medo de engordar. Estudos afirmam que a dieta vegetariana pode mascarar padrões de dietas restritivas, com o objetivo de manter um baixo peso corporal ou perder peso. Conclusão: Uma parcela significante da amostra apresentou características que indicam riscos para transtornos alimentares em ambos os questionários aplicados. São necessários mais estudos acerca do tema, uma vez que a adoção dessa restrição alimentar está associada na literatura com comportamentos de distúrbios alimentares, como preocupação com peso e auto-imagem.


Keywords


Dieta Vegetariana, Transtornos Alimentares, Imagem corporal

References


Alvarenga M, Figueiredo M, Timerman F, Antonaccio C. Nutrição comportamental. 1 ed. Barueri: Editora Manole ltda; 2015. 550p.

Alvarenga M, Scagliusi FB, Philippi ST. Nutrição e transtornos alimentares: avaliação e tratamentos. 1 ed. Barueri: Editora Manole ltda; 2011. 521p.

Beig BB. A prática vegetariana e os seus argumentos legitimadores: viés religioso. Revista Nures, 2009 Jan-Abr;11:1-15.

Cassidy ES, West PC, Gerber JS, Foley JA. Redefining agricultural yields: from tonnes to people nourished per hectare. Environ. Res. Lett. 2013 Ago;8:n.p.

Costa AN. Produção e bem-estar animal: aspectos técnicos e éticos da produção intensiva de suínos. Ciênc. vet. trop.2008 Abr;11(1 suppl.):43-8.

Craig WJ, Mangels AR. Position of the American Dietetic Association: Vegetarian Diets. J Am Diet Assoc. 2009 Jul;109(7):1266-82.

DSM-5: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5 ed. Porto Alegre: American psychiatric association; 2014, 948p.

Emissões por setor: agropecuária [internet]. [Brasil]: Sistema de estimativas de emissões de gases do efeito estufa; 2015 [citado 05 Abr 2017]. Disponível em http://plataforma.seeg.eco.br/sectors/agropecuaria.

Endel S. Cashrut e Shabat na cozinha judaica: leis e costumes. ed. 3. São Paulo: Chabad; 2006. p.14-16.

Eshel G, Martin PA. Diet, Energy and Global Warming. Earth Interactions. 2005 Dez;10(2):1-17.

Estima CCP, Philippi ST, Leal VGS, Pimentel CVMB, Alvarenga, MS. Vegetarianism and Eating Disorder Risk Behavior in Adolescents from São Paulo, Brazil. Rev Esp Nutr Hum Diet. 2012 Jul-Set; 3(16):94-99.

Ferreira C. O Peso da Magreza O corpo como um instrumento de ranking social [dissertação]. [Coimbra]: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra; 2011. 386p.

Ferreira DRF. Alimentação Vegetariana: Abordagem Terapêutica [monografia]. [Porto]: Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto; 2012. 23p.

Ferreira GMF, Staut TCP, Araújo SP, Oliveira NC, Portes LA. Estilo de vida entre brasileiros: Adventistas do Sétimo Dia. Lifestyle Journal. 2011 Ago;1(1):17-25.

Finnigan B. Vegetarianism and Disordered Eating. National Eating Disorder Information Centre [internet]. Toronto: National Eating Disorder Information Centre [citado 26 out 2017]. n.p. Disponível em: http://nedic.ca/sites/default/files/files/Vegetarianism%20and%20disordered%20eating.pdf

Fischer ML, Cordeiro AL, Librelato RF. A abstinência voluntária do consumo de carne pode ser compreendida como um princípio ético?. Ciências Sociais Unisinos. 2016 Jan-Abr; 1(52):122-31.

Garner DM, Garfinkel PE. The eating atitudes test: an indez of symptoms of anorexia nervosa. Great Britain: Psychological Medicine. 1979 May;9(2):273-9.

Garner DM, Olmsted MP, Bohr Y, Garfinkel PE. The eating attitudes test: psychometric features and clinical correlates. Great Britain: Psychological Med. 1982 Nov;12(4):871-8.

Gaspar S. Vegetarianismo adolescente como uma expressão da anorexia nervosa: Apresentação de uma proposta analítica. Análise Psicológica. 1999;17(2):307-16.

Guerriero S. Caminhos e descaminhos da contracultura no Brasil: o caso do Movimento Hare Krishna. Revista Nures. 2009 Mai-Ago;12:n.p.

Guerriero S. O Movimento Hare Krishna no Brasil: uma interpretação da cultura védica na sociedade ocidental. Revista de Estudos da Religião. 2001;1:44-56.

Hauschild L, Adami FS, Fassina P. Estado nutricional e qualidade da dieta em indivíduos vegetarianos estritos e não-estritos. Revista UNINGÁ Review. 2015 Jul-Set; 23(2):18-24.

Klopp SA, Heiss CJ, Smith HS. Self-reported vegetarianism may be a marker for college women at risk for disordered eating. J Am Diet Assoc. 2003 Jun;103(6):745-7.

Luna SPL. Dor, senciência e bem-estar em animais. Ciênc. vet. trop. 2008 Abr; 11(1 suppl.):17-21.

Mekonnen MM, Hoekstra AY. A Global Assessment of the Water Footprint of Farm Animal Products. Ecosystems. 2012;15:401–15.

Melina V, Craig W, Levin S. Position of the American Dietetic Association: Vegetarian Diets. J Am Diet Assoc. 2016 Dez;116(12):1970–80.

Molento CFM, Bond GB. Produção e bem-estar animal: Aspectos éticos e técnicos da produção de bovinos. Ciênc. vet. trop. 2008 Abr; 11(1 suppl.):36-42.

Morgan CM, Vecchiatti IR, Negrão AB. Etiologia dos transtornos alimentares: aspectos biológicos, psicológicos e sócio-culturais. Rev Bras Psiquiatr. 2002;24(suppl. III):18-23.

Naconecy C. Ética & Vegetarianismo [internet]. [local não informado]: SVB – Sociedade Vegetariana Brasileira; 2015 [citado 12 Mar 2017]. Disponível em http://www.svb.org.br/livros/etica_e_vegetarianismo.pdf.

Newby PK, Tucker KL, Wolk A. Risk of overweight and obesity among semivegetarian, lactovegetarian, and vegan women. Am J Clin Nutr. 2005;81:1267–74.

Nogueira AJ. Padrões alimentares, saúde e sustentabilidade na comunidade adventista [dissertação]. [Lisboa]: Universidade Aberta; 2014. 86 p.

Nunes MA, Barros FC, Anselmo Olinto MT, Camey S, Mari JD. Prevalence of abnormal eating behaviors and inappropriate methods for weight control in young women from Brazil: a population – based study. Eat Weight Disord. 2003 Jun;8(2):100-6.

Obesity: preventing and managing the global epidemic [internet]. Geneva: World Health Organization (WHO); 2000 [citado 8 Mar 2018]. 252p. Disponível em: http://www.who.int/nutrition/publications/obesity/WHO_TRS_894/en/

Oliveira KKG, Padilha MRF, NKS Shinohara, Correia MJ. As Leis Dietéticas da Culinária Judaica. Revista de Comportamento, Cultura e Sociedade. 2012;1(2):n.p.

OPAS. Organização Pan-Americana: XXXVI Reunión del Comitê Asesor de Investigaciones en Salud – Encuestra Multicêntrica – Salud Beinestar y Envejecimeiento (SABE) em América Latina e el Caribe – Informe preliminar [internet]. Kingston: 2001 Jul [citado 24 Out 2017]. 93p. Disponível em: envejecimiento.csic.es/documentos/documentos/paho-salud-01.pdf.

Pedro N. Dieta vegetariana – factos e contradições. Revista Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. 2010 Jul-Set;17(3):173-8.

Pereira JC. Vegetarianismo e obesidade sob perspectiva genética. Uma revisão da literatura sobre obesidade, genética e vegetarianismo [Trabalho de Conclusão de Curso]. [Campina Grande]: Universidade Estadual da Paraíba; 2012. 31 p.

Philippi, ST, Alvarenga M. Transtornos alimentares: uma visão nutricional. Barueri: Manole; 2004, 226 p.

Pietro MD, Silveira DX. Internal validity, dimensionality and performance of the Body Shape Questionnaire in a group of Brazilian college students. Rev Bras Psiquiatr. 2009 Mar;1(9):21-24.

Ribeiro MF, RA Beraldo, Touso MFS, Vassimon HS. Ingestão alimentar, perfil bioquímico e estado nutricional entre vegetarianos e não vegetarianos. Arq. Ciênc. Saúde. 2015;3(22):58-63.

RiveroI S, Almeida O, Ávila S, Oliveira W. Pecuária e desmatamento: uma análise das principais causas diretas do desmatamento na Amazônia. Nova Economia. 2009 Jan-Abr; 19(1):41-66.

Robinson-O'Brien R, Perry CL, Wall MM, Story M, Neumark-Sztainer D. Adolescent and young adult vegetarianism: better dietary intake and weight outcomes but increased risk of disordered eating behaviors. J Am Diet Assoc. 2009 Abr;109(4):648-55.

Rocha JSR, Lara LJC, Baião NC. Produção e bem-estar animal: aspectos éticos e técnicos da produção intensiva de aves. Ciênc. vet. trop. 2008 Abri;11(1 suppl.):49-55.

Rola C. Vegetarianismo e Comportamento Alimentar [dissertação]. [Lisboa]: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa: 103 p.

Russo R. Imagem corporal: construção através da cultura do belo. Movimento & Percepção. 2005 Jan-Jun;5(6):80-90.

Saikali CJ, Soubhia CS, Scalfaro BM, Cordás TA. Imagem corporal nos transtornos alimentares. Rev. Psiq. Clin. 2004 Set;31(4):164-6.

Santos VM. A dieta lactovegetariana dos Hare Krishna: estilo de vida e adaptações normativas alimentares. Revista Idealogando. 2017 Fev;1(1):19-34.

Schuck C, Ribeiro R. Comendo o Planeta: Impactos Ambientais da Criação e Consumo de Animais [internet]. [Brasil]: Sociedade Vegetariana Brasileira; 2015 [citado 27 Mar 2017]. Disponível em http://www.svb.org.br/livros/comendo_o_planeta.pdf.

Shoji R. Reinterpretação do Budismo Chinês e Coreano no Brasil. Revista de Estudos da Religião. 2004;3:74-87.

Silva AP, Cavalcante GS, Junior CAS, Lima CC, Silva KQ, Mourão CL. Avaliação sanitária e de bem estar animal de bovinos abatidos no matadouro de limoeiro do Norte, Ceará. Ciênc. vet. trop.2015 Mai-Ago;18(2):181-4.

Sliwytch E. Tudo o que você precisa saber sobre alimentação vegetariana [internet]. [local não informado]: SVB – Sociedade Vegetariana Brasileira; [citado 11 Mar 2017]. Disponível em http://www.svb.org.br/livros/alimentacao-vegetariana.pdf.

Steinfeld H, Gerber P, Wassenaar T, Castel V, Rosales M, Haan C. Livestock’s long shadow: environmental issues and options [internet]. [sem local informado]: Food and Agriculture Organization of the United Nations; 2006 [citado 8 Mar 2018]. 24p.

Teixeira RCMA, Molina MDCB, Flor DS, Zandonade E, Mill JG. Estado nutricional e estilo de vida em vegetarianos e onívoros – Grande Vitória – ES. Rev Bras Epidemiol. 2006; 9(1): 131-43

Topel MF. As leis dietéticas judaicas: um prato cheio para a antropologia. Horizontes Antropológicos. 2003 Jun;9(19):203-22.

Vegetarianismo. Brasil: Conselho Regional de Nutricionistas 3ª região; 2015. 3p. Parecer técnico No.:11.

Weinberg C, Cordás TA, Munoz PA. Santa Rosa de Lima: uma santa anoréxica na América Latina?. Rev Psiquiatr. 2005 Jan-Abr;27(1):51-6.

Yager J, Devlin MJ, Halmi KA, Herzog DB, Mitchell JE III, Powers P, Zerbe KJ. Practice Guideline for the Treatment of Patients with Eating Disorders [internet]. [sem local informado]: American Psychiatric Association Practice Guidelines; 2006 [citado 07 Mar 2018]. 128p. Disponível em:

https://psychiatryonline.org/pb/assets/raw/sitewide/practice_guidelines/guidelines/eatingdisorders.pdf




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-017

Refbacks

  • There are currently no refbacks.