Fatores que interferem no desempenho da utilização de leitos de unidade de terapia intensiva(UTI) / Factors that interfer in the performance of the use of intensive care unit beds (UTI)

Arimatéia Portela de Azevedo, Geissa Paula Trindade Nobre, Taís Amaral Dantas, Maria Lucivane Felix da Silva, Jones dos Anjos Muniz, Ronny Pimentel Assis, Maria Ivani de Freitas Medeiros

Abstract


Introdução: A taxa de Ocupação Operacional da Unidade de Terapia (UTI) serve para avaliar o grau de utilização dos leitos operacionais no hospital como um todo. Mede o perfil de utilização e gestão do leito operacional no hospital. Está relacionado ao intervalo de substituição e a média de permanência. Objetivo: Realizar avaliação dos indicadores de desempenho na utilização de leitos em uma UTI para adultos em um hospital referência em infectologia de Manaus, Amazonas. Metodologia: O presente estudo foi do tipo retrospectivo, descritivo e quantitativo, onde se pretendeu realizar o registro de informações referentes ao desempenho na utilização de leitos de uma UTI. Resultados: Na Unidade de Terapia Intensiva – UTI para pacientes adultos, que tem capacidade para sete leitos (sendo dois para pacientes em isolamento por aerossol), no período de 24 meses foram registradas 410 saídas por altas e transferências ou óbitos e 3.842 pacientes/dia onde 55% dos pacientes ficou em média 45 dias internados. Houve aumento no índice de giro de 6,84% no ano de 2019 em relação ao ano anterior Conclusão: É necessário que se leve em consideração os fatores que podem ter interferido de forma direta ou indireta no desempenho da utilização de leitos da UTI investigada, pois a longa permanência de pacientes crônicos portadores de doenças imunossupressoras pode ser um motivador para a pouca rotatividade de leitos.


Keywords


Enfermagem, Unidade de Terapia Intensiva, Internação, Epidemiologia nos Serviços de Saúde

References


Azevedo AP, Sena RPS, Diniz AC S, Conceição A C, Azevedo A M, Araújo KM, Paes N M. Physical resources and inputs available as in-hospital control measures applied to prevent transmission of mycobacterium tuberculosis. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 2, p. 2168-2181 mar./apr. 2020. ISSN 2595-6825. file:///C:/Users/33822280259/Downloads/7885-20819-1-PB%20(5).pdf

Oliveira ABF, Dias O M, Mello M M, Araújo S, Dragosavac D, Nucci A, Falcão A L E. Fatores Associados à maior mortalidade e tempo de internação prolongado em uma unidade de terapia intensiva de adultos. Rev. bras. ter. intensiva [online]. 2010, vol.22, n.3 pp.250-256.

Backes MTS, Erdmann AL, Buscher A.O ambiente vivo, dinâmico e complexo de cuidados em Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Latino-Am. Enfermagem maio-jun. 2015;23(3):411-8. Disponível emem abril de 2020: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n3/pt_0104-1169-rlae-0568-2570.pdf

Berenholtz et al., 2002; Pronovost et al., 2003. Tempo médio de Internação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Proqualis/Instituto de Comunicação Científica e Tecnológica em Saúde/Fiocruz, 2014. Disponível em fevereiro de 2019: https://proqualis.net/sites/proqualis.net/files/4Tempo%20m%C3%A9dio%20de%20Interna%C3%A7%C3%A3o%20na%20Unidade%20de%20Terapia%20Intensiva%20.pdf

Bezerra, GKA. Unidade de Terapia Intensiva Perfil das Admissões: Hospital Regional de Guarabira, Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, R brasci Saúde 16(4):491-496, 2012.Visualizado em janeiro de 2019: http://periodicos.ufpb.br/index.php/rbcs/article/download/11900/9116

BRASIL. Ministério da Saúde. Agencia Nacional de saúde suplementar. Taxa de ocupação operacional geral. Novembro de 2012. Disponível em janeiro de 2019: http://www.ans.gov.br/images/stories/prestadores/E-EFI-01.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agencia Nacional de saúde suplementar. Taxa de ocupação operacional UTI Adulto. Janeiro de 2013. Disponível em janeiro de 2019: http://www.ans.gov.br/images/stories/prestadores/E-EFI-03.pdf

Castro RR, Barbosa NB, Alves T, Najberg E. Perfil das Internações em Unidades de Terapia Intensiva Adulto na cidade de Anápolis – Goiás – 2012. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde - RGSS Vol. 5, N. 2. Julho/ Dezembro. 2016.Disponível em fevereiro de 2019: http://www.revistargss.org.br/ojs/index.php/rgss/article/viewFile/243/190

Freitas ERFS. Perfil e gravidade dos pacientes das unidades de terapia intensiva: aplicação prospectiva do escore APACHE II. Revista Latino-Americana de Enfermagem, vol. 18, núm. 3, 2010, pp. Tela 20-Tela 26 Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil. Disponível em janeiro de 2019: https://www.redalyc.org/pdf/2814/281421933004.pdf

Garcia CTF, Cigana DJ, Sandri a, Braga LZT, Goergen C, Aozane F. Indicadores de uma Unidade de Terapia Intensiva em um Hospital de Grande Porte do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Ciência Alimentando o Brasil, 2016. Disponível em abril de 2019: https://www.publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/salaoconhecimento/article/view/6917/5684

Goldwasser RS, Lobo MS, Arrua EF, Angelo SA, Ribeiro EC, Silva JR. Planejamento e compreensão da rede de terapia intensiva no Estado do Rio de Janeiro. RevBras Ter Intensiva. 2018;30(3):347-357. Disponível em abril de 2019: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v30n3/0103-507X-rbti-30-03-0347.pdf

Guia CM, Bionde RS, Sotero S, Lima AA, Almeira KJQ, Amorim FF. Perfil epidemiológico e preditores de mortalidade de uma unidade de terapia intensiva geral de hospital público do Distrito Federal. Com. Ciências Saúde. 2015; 26(1/2): 9-19.Disponível em abril de 2020: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/ccs_artigos/2015_perfil_epidemiologico.pdf.

Resolução 543/2017 do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Disponível em 11 abril de 2020: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-5432017_51440.html

BRASIL. Hospital do SUS Utilizando Critérios Clínicos de Gravidade e Prognóstico. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Edição 04. Ano 02, Vol. 01. pp 791-802, Julho de 2017. ISSN:2448-0959. Disponível em janeiro de 2019: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/terapia-intensiva

Ramos MCA,Cruz LP, Kishima VC, Pollaral WM, Lira ACO, Couttolenc BF. Avaliação de desempenho de hospitais que prestam atendimento pelo sistema público de saúde, Brasil. Rev Saúde Pública 2015;49:43. Disponível em fevereiro de 2019: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v49/pt_0034-8910-rsp-S0034-89102015049005748.pdf

Silva AMN, Souza EFD, Barbosa TLA, Silva CSO , Gomes LMX. Fatores que contribuem para o tempo de internação prolongada no ambiente hospitalar. J. res.: fundam. care. online 2014. out./dez. 6(4):1590-1600. Disponível em Janeiro de 2019: https://www.redalyc.org/html/5057/505750770023

SILVA, G.S. et al. Avaliação do tempo de permanência hospitalar em cirurgia de revascularização miocárdica segundo a fonte pagadora. Revista da Associação Médica Brasileira, v.59, n.3, p.248-253, 2013.

Moraes D S, Cordeiro N M, Fonseca AD G, Souza L P S, , Silva S , Lopes J R. Fatores associados à internação prolongada nas admissões pela urgência e emergência. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 15, n. 2, p. 680-691, ago./dez. 2017. file:///C:/Users/33822280259/Downloads/3770-12109-1-PB.pdf

Nascimento AB. Gerenciamento de leitos hospitalares: análise conjunta do tempo de internação com indicadores demográficos e epidemiológicos. RevEnferm Atenção Saúde [Online]. jan/jun 2015; 4(1):65-78. Visto em Abril de 2020. Disponível em: file:///C:/Users/33822280259/Downloads/1264-6011-1-SM.pdf

Nogueira LS, Souza RMC, Padilha KG, Koike KM. Características clínicas e gravidade de pacientes Internados em UTIS públicas e privadas. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2012 Jan-Mar; 21(1): 59-67. Disponível em fevereiro de 2019: http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n1/a07v21n1

Oliveira FJG, Caetano JA, Silva VM, Almeida PC, Rodrigues ABR, Siqueira JF. O uso de indicadores clínicos na avaliação das práticas de prevenção e controle de infecção de corrente sanguínea. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2015 Out-Dez; 24(4): 1018-26. Disponível em abril de 2019: http://www.scielo.br/pdf/tce/v24n4/pt_0104-0707-tce-24-04-01018.pdf

Stube M, Herman CTS, Benetti ERR, Stumm EMF. O enfermeiro na prevenção de infecções em terapia intensiva. RevEnferm UFPE on line. Recife, 7(esp):6989-97, dez., 2013. Disponível em abril de 2019: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/12368/15110

Janaína Barros Santos Costa, Ítalo Camilo da Silva Nogueira. Análise da percepção dos gestores de uma instituição financeira sobre as práticas de governança corporativa. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 6, p. 33195-33215 jun. 2020. ISSN 2525-8761. Disponivel em: file:///C:/Users/33822280259/Downloads/10975-28414-1-PB.pdf




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-016

Refbacks

  • There are currently no refbacks.