Capacitação de agentes comunitários de saúde e análise dos conhecimentos adquiridos a respeito do HIV em um distrito sanitário / Training of community health agents and analysis of the knowledge acquired about HIV in a health district

Amanda Chagas Barreto, Camille Pinto Puga Rebelo, Pâmela Gabrielle Lima Barreiros, Adriane Ribeiro Costa, Ryan Jorge Amorim, Mateus de Souza Castro, Daniel Chagas Barreto, José Antônio Cordero da Silva

Abstract


Introdução: Um dos maiores obstáculos enfrentados no que diz respeito ao controle e prevenção da infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) encontra-se na imprecisão das informações propagadas a respeito do aspecto global da doença, suas formas de transmissão e o tratamento disponível, o qual atualmente é capaz de promover qualidade de vida ao paciente portador do vírus. Atrelado à inexatidão do conhecimento geral está o estigma relacionado ao paciente soropositivo, representando uma grande barreira à testagem e adesão ao tratamento. Ao definir os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) como o esteio da relação entre a população e a Estratégia de Saúde da Família (ESF), torna-se imprescindível evidenciar que estes necessitam de constante capacitação, munindo-os, assim, com o conhecimento fundamental para que estejam cada vez mais aptos a intervir de forma positiva na saúde da população, esclarecendo dúvidas e atuando como intermediários entre a comunidade e as unidades de saúde. Objetivo: Capacitar Agentes Comunitários de Saúde a respeito do HIV. Método: O presente estudo é longitudinal e prospectivo, com uma abordagem quantitativa. Foi dividido em três etapas, sendo estas: questionário pré-capacitação, capacitação e questionário pós-capacitação, com o propósito de analisar a efetividade do projeto. A capacitação foi realizada com 10 ACS de uma Estratégia de Saúde da Família, localizada em Belém-PA, através de metodologia expositiva. Foi utilizado o questionário HIV-KQ-18, desenvolvido por Carey e Schroder (2002), validado e traduzido para o português, para análise dos conhecimentos dos participantes. Resultados e Discussão: A faixa etária dos participantes do estudo foi compreendida entre 33 e 52 anos. O questionário aplicado anteriormente à capacitação revelou um percentual de acertos de 22,2%, constatando o óbice, ainda existente, à compreensão da doença. Após a capacitação, esse percentual passou a ser de 83,4%, evidenciando a efetividade do projeto e reafirmando a importância do desenvolvimento de ações educativas que objetivem a capacitação de Agentes Comunitários de Saúde, especialmente abrangendo temáticas que impactam diretamente na saúde pública. Conclusão: Foi possível identificar, através da intervenção, os empecilhos existentes no que diz respeito à desmistificação do HIV para a população em geral. Considerando a importância do ACS para o bom funcionamento da ESF, ressalta-se a necessidade de capacitação constante a estes profissionais para que seja possível utilizá-los como meio facilitador das informações pertinentes à educação em saúde da comunidade.


Keywords


HIV, Agentes Comunitários de Saúde, Educação em Saúde.

References


Nyblade L, Jain A, Benkirane M, Li L, Lohiniva AL, McLean R, et al. A brief, standardized tool for measuring HIV-related stigma among health facility staff: results of field testing in China, Dominica, Egypt, Kenya, Puerto Rico and St. Christopher & Nevis. Journal of the International Aids Society.2014;16(32):220-231.

Lindberg MH, Wettergren L, Wiklander M, Svedhem-Johansson V, Lars EK. Psychometric Evaluations of the HIV Stigma Scale in a Swedish Context. PLOS one.2014;12(52):28-36.

Altice FL, Mostashari F, Friedland GH. Trust and the Acceptance of and Adherence to Antiretroviral Therapy. Journal of Acquired Immune deficiency syndrome.2001;28(1):47-58

UNAIDS. Estatísticas Globais sobre HIV. 2017.

UNAIDS. Legislação Brasileira e o HIV. 2018.

Garrido PB, Paiva V, do Nascimento VLV, Souza JB, Santos NJS. Aids, estigma e desemprego: implicações para os serviçoes de saúde. Revista de Saúde Pública.2007;41(2):72-79.

Li MJ, Murray JK, Suwanteerangkul J, Wiwatanadate P. Stigma, social support and threatment adhrence among HIV-positive patients in Chiang Mai, Thailand. Aids Education and prevention. 2014;26(5):471-483.

UNAIDS. Right to Health. 2017.

Duarte LR, da Silva DSJR, Cardoso SH. Construindo um programa de educação com Agentes Comunitários de Saúde. Comunicação, Saúde e Educação. 2007;11(23):439-447

Godoi BB, Madeira ALF, Alfradique BM, Domingos GP, Brugiolo IF, Evaristo FC, et al. Capacitação de Agentes Comunitários de Saúde no município de Diamantina/MG. Revista Ciência em Extensão. 2018;14(1):54-69.

de Oliveira AR, Chaves AEP, de Almeida NJ, de Sá LD, Collet N. Satisfação e limitação no cotidiano de trabalho do Agente Comunitário de Saúde. Revista eletrônica de enfermagem. 2010;12(1): 28-36.

Da Silva AFC. HIV/AIDS, os estigmas e a história. História, Ciência e Saúde – Manguinhos.2018;25(2):311-314.

Soares R, Armindo RD, Rocha G. A imunodeficiência e o sistema imunitário: O comportamento em portadores de HIV. Arquivos de Medicina. 2014;28(2):113-121.

Lazzarotto A. HIV/Aids e meia idade: avaliação do conhecimento de indivíduos do Vale do Sinos (RS), Brasil. Ciência & Saúde Coletiva.2010;15(1):1185-1190.

Bastos LM. Avaliação do nível de conhecimento em relação à Aids e sífilis por idosos do interior cearense, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva.2018;23(8):2495-2502.

Schuelter-Trevisol, F. Perfil epidemiológico dos pacientes com HIV atendidos no sul do Estado de Santa Catarina, Brasil, em 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2013;22(1):87-94

De Freitas MGRR, das Graças BCM, Kerr LRFS, Guimarães MDC. Fatores associados ao baixo conhecimento sobre HIV/AIDS entre homens que fazem sexo com homens no Brasil. Caderno de Saúde Pública. 2017;33(10):1678-1686.

De Melo CS. Agentes Comunitários de Saúde: elemento nuclear das ações em saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2013;18(1):2147-2156.

Gonçalves H. Conhecimentos sobre a transmissão de HIV/Aids entre adolescentes com 11 anos de idade do Sul do Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2013;16(2):420-431.

De Jesus GJ, de Oliveira LB, de Souza CJ. Dificuldades do viver com HIV/Aids: Entraves na qualidade de vida. Acta Paulista de Enfermagem.2017;30(8):301-307

Da Silva AP, Machado PRF, da Cost MER. Conhecimento a percepção de vulnerabilidade para o HIV/AIDS entre os acadêmicos de medicina de uma universidade privada. Revista de enfermagem. 2014;21(1):618-623.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-007

Refbacks

  • There are currently no refbacks.