Construção cultural de gênero na educação brasileira: perspectivas teóricas / Gender cultural construction in brazilian education: theoretical perspectives

Jefferson Diego Bezerra da Silva, Talita Giselly dos Santos Souza, Aline Cândida de Araújo, Regiane Maria Silva França, Jamerson Kleber França da Silva

Abstract


O objetivo deste artigo de cunho bibliográfico é identificar através de revisão literária como a escola atribui à sua proposta a discussão de questões sobre gênero. Inicialmente atribuímos ao sistema patriarcal a identidade cultural de que há uma ponte que difere e segrega o homem da mulher, em que o homem ocupa uma posição superior por ser biologicamente mais apto. Esse modelo com o passar das gerações perdurou na sociedade e também se inseriu em todas as atividades praticadas pelos indivíduos, inclusive na escola. As cantigas, jogos, fardamentos e até mesmo a disposição das salas de aulas coexistiam consciente e inconscientemente separando meninos e meninas. Nesse sentido, os alunos os alunos cresciam e tornavam-se indivíduos que defendiam essas concepções em casa, no ambiente de trabalho e até mesmo nas relações afetivas. É um tema pertinente a ser abordado, tanto por essas questões sociais, quanto pelo fato de a escola implementar diretrizes curriculares que valorizem as singularidades dos seus alunos. Por extensão, também atribuímos a relevância pelo remodelamento do trabalho pedagógico, visto que o educador pode ter um olhar mais aprofundado para os interesses e necessidades de seus alunos. Ao final desta discussão enfatizamos a importância da escola em traçar propostas que permitam aos alunos entenderem e respeitarem qualquer diferença que se apresenta no indivíduo, seja ela de gênero ou não. Outrossim, a escola tem a responsabilidade de ajudar o indivíduo a se preparar para a fase adulta, espera-se dos profissionais de educação empenho para formarem academicamente e socialmente indivíduos respeitosos, críticos  e cientes dos direitos que cada um tem de se expressar, e que a identidade que cada pessoa expressa faz parte do todo que compõe uma sociedade.

 

 


Keywords


Identidade de Gênero, Ambiente Escolar, Atuação Profissional, Educação Construtiva.

References


ALMEIDA, J. S. "Meninos e meninas estudando juntos: os debates sobre as classes mistas nas escolas brasileiras (1890/1930)." Revista HISTEDBR On-line, v. 14, n. 58, p. 115-123, 2014. Disponível em: Acesso em 15 de mai. de 2020.

BOSSA, N. A Psicopedagogia no Brasil, contribuições a partir da prática. 4. Ed. Rio de Janeiro: Editora Wak, 2011.

CASAGRANDE, L. S. Relações de Gênero e Educação: Um Convite à Reflexão. In: Gênero e Diversidade Sexual no Ambiente Escolar. Refletindo Gênero na Escola. A Importância de Repensar Conceitos e Preconceitos. Secretaria de Educação Continuada. Ministério da Educação. Curitiba, 2008.

CERQUEIRA, D.; et. al. Atlas da violência 2019. Instituto de Pesquisa Econômica Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: Acesso em 11 de abr. de 2020.

CHABANNE, J. L. Dificuldades de aprendizagem. Um enfoque inovador do ensino escolar. Trad. Regina Rodrigues. São Paulo: Ática, 2006.

CHRISPINO, A. Mediação de conflitos: cabe à escola tornar-se competente para promover transformações. Revista do Professor, Porto Alegre, n. 79, p. 45-48, 2004.

DIESEL, Aline; BALDES, Alda Leila Santos; MARTINS, Silvana Neumann. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017.

FELIPE, J. Proposta Pedagógica. In: Educação para a Igualdade de Gênero. TV Escola. Salto para o Futuro. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Educação. Proposta Pedagógica. Ano XVIII – Boletim 26, p. 03-14, 2008. Disponível em: Acesso em 25 abr. de 2020.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Ática, 2017.

JAKIMIU, V. C. L. Violência Simbólica nas Relações de Gênero: Caminhos para Promover uma Educação Emancipatória. In: BONA JÚNIOR, A. (Org.) A Sexualidade em Questão. Estudos e Subsídios Sobre o Abuso e a Educação Sexual de Crianças e Adolescentes. União da Vitória, PR: Uniporto, 2011.

LACERDA, M. B. Colonização dos corpos: ensaio sobre o público e o privado. Patriarcalismo, patrimonialismo, personalismo e violência contra as mulheres na formação do Brasil. 2010. 117 f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010. DOI: https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.16570

LOPES, R. C. S. A relação professor aluno e o processo ensino aprendizagem. Paraná, 2009. Disponível em: Acesso em 05 de mai. de 2020.

MAYER, E. F. D. A constituição do humano na aprendizagem. 2013. 90f. Dissertação (Mestrado em Educação nas Ciências) - UNIJUÍ – Universidade Regional Do Noroeste do Estado Do Rio Grande Do Sul, Ijuí, 2013. Disponível em: Acesso em 05 de mai. de 2020.

OLIVEIRA, M. G. Metodologias Ativas no Ensino de História: um Caminho para o Desenvolvimento da Consciência Crítica. In: SILVA, A. R. L.; BIEGING, P.; BUSARELLO, R. I. Metodologia ativa na educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2017.

PORSCHE, S. C.; BATTISTI, E.; DAL CORNO, G. O. M.; POZENATO, M. H. M. O gênero verbete no ensino. Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais, O ensino em foco. Caxias do Sul. Agosto. 2009. Disponível em: Acesso em 05 de mai. de 2020.

REIS, A. P. P. Z.; GOMES, C. A. Violência Simbólica nas Relações de Gênero: Práticas Pedagógicas Reprodutoras de Desigualdades. In: IX Congresso Nacional de Educação – EDUCERE. III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, PUCPR, p. 191 – 209, 2009. Disponível em: Acesso em 29 de abr. de 2020.

REIS, J. F. Os desafios da alfabetização de jovens e adultos. 2015. 39f. Trabalho de conclusão (Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania) – Universidade de Brasília - Educação Salvador, Brasília. 2015. Disponível em: Acesso em 20 de mar. de 2020.

ROSEMBERG, F. Caminhos Cruzados: Educação e Gênero na Produção Acadêmica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 47-68, 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022001000100004.

ROSISTOLATO, R. P. R. Gênero e cotidiano escolar: dilemas e perspectivas da intervenção escolar na socialização afetivo-sexual dos adolescentes." Rev. Estud. Fem., v. 17, n. 1, 2009. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2009000100002.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & realidade, v.20, n. 2, 1995. Disponível em: Acesso em 12 de mar. de 2020.

ROHDEN, F. "Gênero, sexualidade e raça/etnia: desafios transversais na formação do professor. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 136, p. 157-174, 2009. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742009000100008.

SILVA, C. S.; NASCIMENTO, A. L. Papel da psicologia da educação na formação docente: o que pensam os alunos do plano nacional de formação de professores da educação básica / universidade federal do Piauí. Revista do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica / Universidade Federal do Piauí, Teresina, v. 1, n. 1, p. 107-129, 2013.

SILVA, K. V.; SILVA, M. H. Dicionário de conceitos históricos. São Paulo: Contexto, 2011.

SOARES, R. Pedagogias Culturais Produzindo Identidades. In: Educação para a Igualdade de Gênero. TV Escola. Salto para o Futuro. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Educação. Proposta Pedagógica. Ano XVIII – Boletim 26, p. 47-53, 2008. Disponível em: Acesso em 25 abr. de 2020.

LOURENÇO, A. A.; PAIVA, M. O. A. "A motivação escolar e o processo de aprendizagem. Ciências & Cognição, v. 15, n. 2, 2010. Disponível em: Acesso em 20 de mar. 2020.

TEIXEIRA, D. V. Desigualdade de gênero: sobre garantias e responsabilidades sociais de homens e mulheres. Revista Direito GV, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 253-274, 2010.

UNESCO. Educação para todos: Gênero e Educação para Todos. O salto para a Igualdade. Relatório global de EPT 2003/2004. São Paulo: Moderna, 2004. Disponível em: Acesso em 05 de mar. 2020.

ZIEBELL, C. R. Gênero e direitos humanos. 2015. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/dados/livros/edh/estaduais/rs/adunisinos/clair.htm> Acesso em 11 de abr. de 2020.

WALLON, H. Psicologia e educação da infância. Lisboa, Estampa, 1975.

YOUNG, M. Para que servem as escolas? Educação & Sociedade, v. 28, n. 101, p. 1287- 1302, 2007. Disponível em: Acesso em: 19 dez. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000400002.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-234

Refbacks

  • There are currently no refbacks.