Análise do entendimento do paciente sobre programa de automonitoramento da diabetes / Analysis of patient's understanding about diabetes's self-monitoring program

Flávia Josiérica Montalvão Ladeia, Andressa Lacerda Fernandes Reis, Rita Leite Queiroz, Stenio Fernando Pimentel Duarte, Vinícius Narciso Santos, Rafael Luiz R. de Araújo, Tatielle Pereira Silva, Igor Oliveira Macedo

Abstract


O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônica, com alta incidência em todo o mundo, caracterizada pela elevação da glicose no sangue, e pode causar, quando não tratado, sequelas graves e, por vezes, irreversíveis ao organismo, como a cegueira ou a doença renal crônica. O aumento significativo da incidência desta doença é razão de alerta e também apreensão para a saúde pública, de um modo geral, por apresentar uma considerável taxa de morbimortalidade e também de incapacidades decorrentes das complicações do DM, que prejudicam a qualidade de vida do indivíduo reduzindo sua expectativa de vida. Mediante as considerações observadas sobre a temática, surgiram algumas inquietações as quais buscam compreender quais as informações os diabéticos apresentam quanto a importância da do tratamento da doença. Portanto, com intuito de conhecer a realidade e mostrar a relevância do farmacêutico na saúde pública. Entende-se que esta doença tem altos custos tanto sociais quanto financeiros, para a família e também para os órgãos públicos de saúde, em razão desta relevância notória, tendo como objetivo geral; analisar o entendimento dos pacientes cadastrados acerca do Programa de Automonitoramento da diabetes ofertado no município de Tremedal Bahia.  A título de metodologia, utilizou-se uma abordagem transversal descritiva, realizada com 26 indivíduos, sendo que destes participaram efetivamente 23, e os dados coletados por meio da aplicação de um questionário que foi respondido e posteriormente compilado em tabelas constantes neste estudo. A amostra é composta por indivíduos com idade variando de 06 a 78 anos, onde 21,74% eram pacientes pediátricos e 17,39% pacientes idosos. Os fatores socioeconômicos coletados apontam que a escolaridade era de que 56,52% possuem o ensino fundamental incompleto, 52,17% possuem renda de até um salário mínimo e 78,26% residem na zona rural do município estudado. Do total da amostra, 78,26% sabem da rotina e horários de monitorização, 34,78% tem dificuldade em preencher a ficha de controle glicêmico disponibilizada pelo município. Um total de 73,91% desconhece os valores de referência para as dosagens de glicemia. É relevante ressaltar a importância deste programa para o município e por consequência deste estudo, pois esclarece sobre a sua relevância, visto abranger não só a qualidade de vida do paciente que no automonitoramento da glicemia pode efetivar o seu controle, trazendo inúmeros benefícios para a sua vida. Para o profissional de farmácia acrescenta como responsável por medicamentos, equipamentos e pesquisas, mostrando assim, a sua contribuição na efetivação do sucesso de um programa desta natureza e por fim para o sistema público de saúde, pois poderá contribuir com maiores informações na sobre a temática. Apontando assim, para necessidade de compreender o papel do farmacêutico como agente multiplicador de saúde, desse modo, diante da singularidade do tema, sugere-se que haja mais atenção e empenho com relação a estudos na área.


Keywords


Diabetes Mellitus, Automonitoramento, Controle do Diabetes.

References


ANDRADE, D. O. de; SANTOS, S. P. O.; MATIN, J. F. V. Inflamação, disfunção endotelial e eventos agudos na hipertensão arterial. Rev. Bras. Hipertens, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 134- 139. 2014.

BAQUEDANO, I. R. et al. Fatores relacionados ao autocuidado de pessoas com diabetes mellitus atendidas em Serviço de Urgência no México. Rev. Esc. Enferm. USP. v.44, n.4, p.1017-1023, 2010

BOAS; L. C. G.; FOSS-FREITAS, M. C.; PACE, A. E. Adesão de pessoas com diabetes mellitus tipo 2 ao tratamento medicamentoso. Rev. Bras. Enferm., v.67, n.2, p. 268-273, 2014.

BRANDÃO, A.. Qualificar a Assistência Farmacêutica no SUS. Revista Pharmácia Brasileira. Brasília: Várias. Ano 12, N.º 84, pg. 11, Dezembro/2011, Janeiro/Fevereiro 2012.

BRASIL (Ministério da Saúde). Pesquisa Nacional de Saúde 2013: Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas; Grandes Regiões e Unidades da Federação. [Internet]. Rio de Janeiro; 2014. Disponível em: https://www.seade.gov.br/wpcontent/uploads/2016/01/Primeira_Analise_33_dez_final.pdf. Acesso em 10 mai 2020.

CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A . 5. ed. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

CHAVES, M. O.; TEIXEIRA, M. R. F.; SILVA, S. E. D. Percepções de portadores de diabetes sobre a doença: contribuições da Enfermagem. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v.66, n.2, p.215-221, mar./abr. 2013.

COSTA, A. F., FLOR, L. S., CAMPOS, M. R., OLIVEIRA, A. F., COSTA, M. F. S., SILVA, R. S., LOBATO, L. C. P., SCHRAM, J. M. A. Carga do diabetes mellitus tipo 2 no Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 33, n. 2, p. 1–14, 2017.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GUYTON, A.C. & HALL, A.J. Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro, Ed. Guanabara Koogan S.A. 10ª. edição, 2002

LIMA C. L. J., FERREIRA T. M. C., OLIVEIRA P. S., FERREIRA J. D. L., SILVA E. C., COSTA M. M. L.. Characterization of users at risk of developing diabetes: a cross-sectional study. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0776. Acesso em 10 mai 2020.

MICHA R., PEÑALVO J.L., CUDHEA F., et al. Association between dietary factors and mortality from heart disease, stroke, and type 2 diabetes in the United States. JAMA. 2017. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28267855/. . Acesso em 10 mai 2020.

REMONDI, F. A.; ODA, S.; CABRERA, M. A. S. Não adesão à terapia medicamentosa: da teoria à prática clínica. Rev de Ciênc Farmac Básic. 2014.

RIBEIRO, C. S. A. Controle glicêmico e auto percepção do grau de adesão à insulina em pacientes com diabetes tipo 1 no Brasil. Fundação Oswaldo Cruz Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz. Tese de Doutorado. 2016.

RODRIGUES, A.; COSTA, E. V. Locus de controle, auto-eficácia e qualidade de vida na diabetes tipo 1. EISSN: 2182-8407. Psicologia, Saúde & Doenças, 14(3): 389-404, 2013.

ROMANO, O.. Assistência Farmacêutica Na Saúde Pública: O Bom Exemplo de Cornélio Procópio - PR. Revista Pharmácia Brasileira. Brasília: Várias. Ano 12, N.º 85, pg. 15, março/2012.

SANTOS, J. S.. O Farmacêutico e o SUS. Revista Pharmácia Brasileira. Brasília. Várias ano 11 N.º 80 pág. 04 fevereiro/Março 2011.

SANTOS, Aliny de Lima et al. Complicações microvasculares em diabéticos Tipo 2 e fatores associados: inquérito telefônico de morbidade autorreferida. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 761-770, Mar. 2015.

SANTOS, M. A.; ALVES, R. C. P.; OLIVEIRA, V. A.; RIBAS, C. R.; TEIXEIRA, C. R.; ZANETTI, M. L. Social representations of people with diabetes regarding their perception of family support for the treatment. Rev Esc Enferm USP. v. 45, n.3, p. 651-8, 2011.

SANTOS, W. P. dos; SILVA, M. M. da; SOUSA; F. T. de; FREITAS, F. B. D. de. Interfaces da (não) adesão ao tratamento do diabetes mellitus tipo II. Rev. Nova Esperança. v. 17, n. 2, p. 2317–7160, 2019.

SOUZA, V. P. DE; SANTOS, E. C. B. DOS; ANGELIM, R. C. DE M.; TEIXEIRA, C. R. DE S.; MARTINS, R. D. Conocimientos y Prácticas de los Usuarios con Diabetes Mellitus en Sangre Capilar Glucosa Autocontrol en Casa. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, v. 10, n. 3, p. 737-745, 26 set. 2018.

TANQUEIRO, M. T. O. S. A gestão do autocuidado nos idosos com diabetes: revisão sistemática da literatura. Rev. Enf. Ref., Coimbra, v. serIII, n. 9, p. 151-160, mar. 2013.

TORRES, H. C.; PEREIRA, F. R. L.; ALEXANDRE, L. R. Avaliação das ações educativas na promoção do autogerenciamento dos cuidados em diabetes mellitus tipo 2. Rev. Esc. Enferm. USP. v.45, n.5, p.1077-1082, 2011.

WHITING, D. R.; GUARIGUATA, L.; WEIL, C.; SHAW, J. I. D. F. Diabetes Atlas: Global estimates of the prevalence of diabetes for 2011 and 2030. Diabetes Res. Clin. Pract. v. 94, n. 3, p. 311-321. 2011.

ZIMMET P, ALBERTI G. K, MAGLIANO D. J., et al. Diabetes mellitus statistics on prevalence and mortality: facts and fallacies. Nat. rev. endocrinol. 2016. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27388988/ . Acesso em 10 mai 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-231

Refbacks

  • There are currently no refbacks.