Causas e consequências de quedas de idosos em domicílio / Causes and consequences of fall among elderly people at home

Cândida Leão Marinho, Vanusa do Nascimento, Beatriz da Silva Rosa Bonadiman, Stella Regina Folhadela Torres

Abstract


Os idosos representam dois terços da população mundial, fenômeno que imprime a necessidade de maiores estudos relativos aos problemas de saúde em que são expostos, como a ocorrência de quedas, nos quais são os acidentes domésticos mais graves e frequentes entre eles sendo considerada uma das principais causas externas de morbidade e mortalidade nesse segmento populacional. Os fatores de risco que mais se associam às quedas são: idade avançada (80 anos e mais); sexo feminino; história prévia de quedas; imobilidade; baixa aptidão física; fraqueza muscular de membros inferiores; fraqueza do aperto de mão; equilíbrio diminuído; marcha lenta com passos curtos; dano cognitivo; doença de Parkinson; sedativos, hipnóticos, ansiolíticos e polifarmacia. São considerados determinantes na ocorrência de quedas na população idosa fatores intrínsecos, através de alterações nos sistemas musculoesqueléticas, vestibular, sensorial e cognitivo, e os fatores extrínsecos relacionados ao ambiente. É importante considerar alterações no domicílio que o tornem um ambiente mais saudável e seguro, facilitando a deambulação dos idosos e o desenvolvimento de atividades de vida diárias, diminuindo o risco de quedas. O conhecimento dos fatores de risco é importante para nortear o planejamento de medidas preventivas com o intuito de evitar quedas e suas consequências, no ambiente domiciliar, tendo como objetivo principal a redução do declínio funcional e a melhora da qualidade de vida da população idosa.


Keywords


Idoso, quedas e habitação.

References


Agnelli LB. Avaliação da acessibilidade do idoso em sua residência. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Terapia Ocupacional; 2012.

Aguiar CF, Assis M. Perfil de mulheres idosas segundo a ocorrência de quedas: estudo de demanda no Núcleo de Atenção ao idoso da UNATI/UERJ. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2009;12(3):391-404.

Barbosa, J.L.M; Nascimento, A.F.E. incidência de internação de idoso por motivo de quedas, em um Hospital Geral de Taubaté. Revista Biociências. V.7, n.1, p. 35-42 2001.

Britto FC, Costa SMN. Quedas. In: Papaleo Netto M, Brito FC. Urgências em geriatria. São Paulo: Ed. Atheneu; 2001. p. 323-35.

Cunha UG de V, Guimarães RM. Sinais e sintomas em geriatria. Rio de Janeiro: Revinter; 1989. p. 141-54.

Chaimowicz, F. et al. Saúde do idoso.2ed. Belo Horizonte: NESCON/UFMG, coopmed, 2009.

Chibante CL, Santos TD, Valente GC, Santos FHE, Santos L. O gerenciamento do cuidado de enfermagem aos clientes idosos: A busca por evidências. Rev Enferm UFPE online [Internet]. 2016.

Dall JO, van Lieshout JJ. Falls and medications in the elderly. Neth J Med. 2005;63(3):91-6.

Espada CVOA, Pereira MMN. Quedas em idosos a viver na comunidade: politicas de saúde e estratégias de prevenção. J Nurs UFPE on line [Internet]. 2012 May [cited 2015 Mar 29];6(5):1226-33.

Esquenazi D, Silva SRB, Guimarães MAM. Aspectos fisiopatológicos do envelhecimento humano e quedas em idosos Revista HUPE, Rio de Janeiro 2014 ;13(2):11-20.

Fabrício SCC, Rodrigues RAP, Junior, MLC. Causas e consequências de quedas em idosos atendidos em hospital público. Rev Saúde Pública, 8 (1): 93-9, fev. 2004.

Ferretti F, Lunardi D, Bruschi L. Causas e consequências de quedas de idosos em domicílio. Fisioter Mov [Internet]. 2013

Fiedler MM, Peres KG. Capacidade funcional e fatores associados em idosos do Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2008;24(2):409-15.

Ganança FF, Mezzalira R, Cruz OLM. Campanha Nacional de Prevenção a Quedas de Idosos. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia 2008; 74 (2): 162 - 8.

Gartner, L. P.; Hiatt, J. L. Cartilagem e osso. In:______ Tratado de Histologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014. Cap. 4, p. 80-107.

Gawryszewski VP. A importância das quedas no mesmo nível entre idosos no Estado de São Paulo. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(2):162-7.

Gazzola JM, Aratani MC, Perracini MR, Ganança MM, Ganança FF. Circunstâncias e Conseqüências de quedas em idosos com vestibulopatia crônica. Rev Bras Otorrinolaringol.,2006;72:388-93.

Gill TM, Robison JT, Williams CS. Mismatches between the home environment and physical capabilities among community living older persons. J Am Geriatr Soc. 1999;47(1):88-92.

Gomes ECC, Marques APO, Leal MCC, Barros BP. Fatores associados ao risco de quedas em idosos institucionalizados: uma revisão integrativa. Ciência & Saúde coletiva [Internet]. 2014; 19(8):3543-51.

(Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mudança demográfica no Brasil no início do século XXI: subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

Ishizuka MA. Avaliação e comparação dos fatores intrínsecos dos riscos de quedas em idosos com diferentes estados funcionais. Campinas: Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas; 2003.

Machado TR, Oliveira CJ, Costa FBC, Araujo TL. Avaliação da presença de risco para queda em idosos. Rev. Eletr. Enf. 2009;11(1):32-8.

Martins VMC. Quedas em pacientes geriátricos. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz; 1999. p. 51.

Matsudo, S.M., Matsudo, V.K.R. e Barros, T.L.N. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Revista brasileira de ciência e movimento, Brasília, v.8, n.4, p.21-32, 2000.

Mendes MRSS, Gusmão JL, Faro ACM, Leite RCBO. A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração. Acta Paul Enfermagem. 2005;18(4):422-6.

Melzer I, Benjuya N, Kaplanski J. Postural stability in the elderly: a comparison between fallers and non-fallers. Age Ageing. 2004;33(6):602-7.

Moraes, L.A.; Gagliard, F.R. O Treinamento Resistido Promove Saúde e Autonomia aos Idosos. Revista de Educação Física UNIFAFIBE. v.1, n.1, 2012.

Moura RN, Santos FC, Driemeier M, Santos LM, Ramos LR. Quedas em idosos: fatores de risco associados. Gerontol. 1999;7(2):15-21.

Oliveira FS, Santos SSC, Kerber NPC,Francioni FF, Cruz VD. Scientific production about the environmental risk factors for falls in the elderly: integrative review. J Nurs UFPE. São Paulo; 2015. p. 1017-9.

Papaléo Netto, M. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu; 2002.

Pedro, E. M; Amorim, D. B. Análise comparativa da massa e forca muscular e do equilíbrio entre indivíduos idosos praticantes e não praticantes de musculação. Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 6, ed. especial, p. 174-183, jul. 2008.

Pereira SRM, Buksman S, Perracini M, Py L, Barreto KML, Leite VMM. Quedas em idosos. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia; 2001.

Pinho TAM, Silva AO, Tura LFR, Moreira MASP,Gurgel SN, Smith AAF, Bezerra VP. Avaliação do risco de quedas em idosos atendidos em Unidade Básica de Saúde. Rev Esc Enferm USP 2012; 46 (2): 320-7.

Piovesan, A. C.; Pivetta, H. M. F.; P, J. M. B. Fatores que predispõem a quedas em idosos residentes na região oeste de Santa Maria, RS. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 1, n. 14, p. 75-83, 2011.

Rocha FL, Cunha UG de V. Aspectos psicológicos e psiquiátricos das quedas do idoso. Arq Bras Med 1994; 68:9 -13.

Silva MJ, Lopes MVO, Araujo MFM, Morales GLA. Avaliação do grau de dependência nas atividades da vida diária em idosos da cidade de Fortaleza – Ceará. Acta Paul Enferm. 2006;19(2):201-6.

Yuaso DR, Sguizzatto GT. Fisioterapia em pacientes idosos. In: Papaleo Neto M. Gerontologia. São Paulo: Atheneu; 1996. p. 331-3.

Zago AS. Exercício físico e o processo saúde-doença no envelhecimento. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2010; 13 (1):153-158.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-225

Refbacks

  • There are currently no refbacks.