Associação entre fatores sociodemográficos, antropométricos e de estilo de vida em adultos com obesidade abdominal de um município do sertão Pernambucano / Association among sociodemographcs, anthropometric and lifestyle factors in adult whit abdominal obesity from a municipality backwoods Pernambucano

Ivanildo Ribeiro Domingos Júnior, Vanessa Sá Leal, Juliana Souza Oliveira, Raíssa Andrade de Araújo Silva, Maria Izabel Siqueira de Andrade, Pedro Israel Cabral de Lira, Catarine Santos da Silva, Emilia Chagas Costa, Fernanda Cristina de Lima Pinto Tavares

Abstract


A obesidade abdominal é considerada fator de risco para diversas morbidades sendo composta por dois compartimentos distintos de gordura: subcutânea e visceral. A gordura visceral, encontra-se associada a efeitos deletérios, sendo considerada o principal fator de risco para doenças cardiovasculares e metabólicas. O objetivo do trabalho é avaliar a prevalência da obesidade abdominal em adultos de um município do Sertão de Pernambuco, assim como verificar a associação com variáveis socioeconômicas, antropométricas e de estilo de vida. O estudo faz parte de uma pesquisa de base transversal domiciliar intitulada “Avaliação da segurança alimentar e nutricional em conglomerados urbanos e rurais afetados pela seca no sertão de Pernambuco”. As análises descritivas foram realizadas mediante cálculo das distribuições de frequência e medidas de tendência central. Para a análise de associação considerou-se significância para o valor de p<0,05.  Foram entrevistadas 219 pessoas, sendo 103 homens e 116 mulheres. Ao analisar a Circunferência da Cintura, as mulheres apresentaram uma maior prevalência de obesidade abdominal (78,3%). Em relação às variáveis antropométricas, 62,7% apresentaram excesso de peso, destes 41,3% tinham sobrepeso e 21,5% apresentaram obesidade, tendo associação com a circunferência da cintura (p<0,001). Quanto aos aspectos relacionados com o estilo de vida, a maioria dos adultos são sedentário (69,2%), 23,8% faz uso de bebidas alcoólicas e 17,1% referiu fumar. Quanto aos hábitos alimentares, 12,4% dos adultos trocam o almoço por lanches e 31,4% substituem o jantar. Os resultados também mostram que há uma maior prevalência de excesso de adiposidade abdominal nas mulheres (p<0001) quando comparadas aos homens, assim como verificou-se que uma maior circunferência da cintura entre os que possuem excesso de peso (p<0,001). Pode-se concluir que a prevalência da obesidade abdominal na população estudada segue a tendência brasileira, devendo-se enquadrar como grupo alvo de ações de saúde destinadas ao controle de doenças e agravos não transmissíveis.


Keywords


Estado Nutrional. Adultos. Obesidade Abdominal. Sertão.

References


ASHWELL M, HSIEH SD. Six reasons why the waist-to-height ratio is a rapid and effective global indicator for health risks of obesity and how its use could simplify the international public health message on obesity. Int J Food Sci Nutr 2005;56:303-7.

BARROSO, T.A.; et al. Association of Central Obesity with The Incidence of Cardiovascular Diseases and Risk Factors. International Journal of Cardiovascular Sciences. Vol. 30. Num 5. 2017. p. 416-424.

BRASIL IBGE. Monografias municipais do nordeste de Pernambuco – Serra Talhada. Estudos e Pesquisas, informação demográfica e socioeconômica. 2010. Disponível em acesso em 01 Ago. 2019.

BRASIL. IBGE. Síntese de indicadores sociais. Uma análise das condições de vida da população brasileira. Estudos e Pesquisas, informação demográfica e socioeconômica. ISSN 1516-3296. 2013

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares – POF 2008-2009: Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro. 2010a. 130p

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde, SVS. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, VIGITEL 2016. Brasília, DF, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2016. Saúde Suplementar: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 157 p. : il.

CNM – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS. O caso de Pernambuco. Disponível in: www.cnm.org.br. Acesso em: Jul de 2019.

CORRÊA EN, SCHMITZ BAS, VASCONCELOS FAG. Aspects of the built environment associated with obesity in children and adolescents: a narrative review. Rev Nutr 2015; 28:327-40.

FACCHINI, L.A.; et al; Insegurança alimentar no Nordeste e Sul do Brasil: magnitude, fatores associados e padrões de renda per capita para redução das iniquidades. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, p. 161-174, 2014.

FRANCESCHINI, Thaís M. A. O Programa Fome Zero no Brasil: uma análise crítica sob uma perspectiva dos direitos humanos. 61f. 2003. Dissertação (Mestrado) Universidade de Essex, Centro de Direitos Humanos, Essex, 2003.

FREITAS ICM, MORAES SA. Dependência de álcool e fatores associados em adultos residentes em Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil, 2006: Projeto OBEDIARP. Cad Saude Publica. 2016;27(10):2021-31.

HALLAL, P. C. et al. Physical inactivity: prevalence and associated variables in Brazilian adults. Medicine Science and Sports Exercise, v. 35, n. 11, p. 1894-900, 2012.

LIMA, F. E. L. DE; RABITO, E. I.; DIAS, M. R. M. G. Estado nutricional de população adulta beneficiária do Programa Bolsa Família no município de Curitiba, PR. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 14, n. 401992, p. 198–206, 2011.

LINHARES, R. S. et al . Distribuição de obesidade geral e abdominal em adultos de uma cidade no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 28, n. 3, p. 438-447, Mar. 2012.

MALTA DC, et al. Surveillance and monitoring of major chronic diseases in Brazil - National Health Survey, 2013. Rev Bras Epidemiol. 2015; 18 Suppl 2:3-16

MATSUDO, S. et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): Estudo de Validade e Reprodutibilidade no Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 6, n. 2, p. 5–18, 2012.

MELO, Silvia Pereira da Silva de Carvalho et al. Sobrepeso, obesidade e fatores associados aos adultos em uma área urbana carente do Nordeste Brasileiro. Rev. bras. epidemiol., Rio de Janeiro, v. 23, e200036, 2020.

PETRIBÚ Mde M, et al. Prevalence of visceral obesity estimated by predictive equation in young women from Pernambuco. Arq. Bras. Cardiol. 2012; 98(4):307-14. PMID: 22406989.

PINHO CPS, et al. Prevalência e fatores associados à obesidade abdominal em indivíduos na faixa etária de 25 a 59 anos do Estado de Pernambuco, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 29(2):313-324, fev, 2013.

ROCHA, Fabiana Lucena et al . Correlation between indicators of abdominal obesity and serum lipids in the elderly. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 59, n. 1, p. 48-55, Feb. 2013.

SOARES, DA; BARRETO, SM. Sobrepeso e obesidade abdominal em adultos quilombolas, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30(2):341-354, fev, 2015.

SWINBURN B, et al. Strengthening of accountability systems to create healthy food environments and reduce global obesity. Lan - cet 2015; 385:2534-45.

TAVARES TB, NUNES SM, SANTOS MO. Obesidade e qualidade de vida: revisão da literatura. Rev. Med. Minas Gerais. 2010. 20(3): 359-66.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva: WHO; 2011.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: prevent - ing and managing the global epidemic. Gene - va: World Health Organization; 2000. (WHO Technical Report Series, 894).

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva: World Health Organization, 2000. 253 p. (WHO Obesity Technical Report Series, n. 894). Disponível em: Acesso em: Jul. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO, 1995. Disponível em: Acesso em: Jul de 2019




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-192

Refbacks

  • There are currently no refbacks.