Benefícios do tratamento não farmacológico em idosos portadores de diabetes mellitus tipo II/ Benefits of non-pharmacological treatment in the elderly with type II diabetes mellitus

Bruna Maria do Santos Queiroz, Silvana Cavalcanti dos Santos, Luiza Vanessa De Lima Silva, Ayla de Araujo Beserra, Ayane de Araujo Beserra, Luana Flávia Monteiro da Silva, Taysa Vieira de Almeida

Abstract


Objetivo: realizar uma pesquisa de revisão bibliográfica a fim de descrever os conceitos do diabetes tipo 2, analisar a importância da dieta para um melhor estilo de vida alimentar e saudável, determinar os benefícios da prática de exercícios físicos para os idosos portadores desta doença crônica, e verificar a eficácia de ambos no controle dos níveis glicêmicos. Métodos: Tratou-se de uma pesquisa de revisão bibliográfica realizada com base no referencial teórico, através de uma análise de vários autores entre os anos de 2015 a 2019 sendo realiza buscas em fontes seguras e atualizadas, enfatizando a necessidade de abordar os benefícios que a dieta e os exercícios físicos trazem para os idosos portadores desta patologia, melhorando assim, o seu estilo de vida. Resultados: foi realizada uma leitura criteriosa do título e resumo das 45 publicações identificadas, sendo excluídas 24, em virtude de não abordarem a temática do estudo sendo a amostra final composta de 21 artigos. A seguir, foi realizada uma leitura analítica dos textos selecionados, classificando-os segundo a abordagem em que se baseiam. Foram utilizadas três categorias para proceder a essa classificação: compreender o que é DMII, benefícios da atividade física para o idoso com DMII e o Benefícios da dieta para o idoso com DM II. Conclusão: Esta revisão bibliográfica constatou a importância de uma dieta adequada e atividade física regular na prevenção e tratamento do diabetes tipo 2.


Keywords


Idosos, Diabetes, Dieta, Exercícios.

References


AMERICAN DIABETES ASSOCIATION - ADA. Classification and Diagnosis OF Diabetes Mellitus.Diabetes Care. 2019; 42 (supl1):513-528.

MACEDO, G. et al. Diabetes mellitus tipo 2: Insulinização. Projeto Diretrizes: Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina, 2011.

MENDES, R. et al. Programas de Exercícios na Diabetes Tipo 2. Rev. Portuguesa de Diabetes, p. 62-70, 2011.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES (SDB). Diretrizes SBD 2015-2016. São Paulo, AC Farmacêutica, 2016.

CHO, N.H; SHAW, J.E; KARURANGA, S; HUANG, Y; OHLROGGE, A.W; MALANDA, B.I.D.F.: Diabetes Atlas: Global estimates of diabetes prevalence for 2017 and projections for 2045;Diabetes Research and Clinical Practice Volume 138, April 2018, P. 271-281.

MOLENA-FERNADES, C.A. et al.A importância da associação de dieta e atividade física na prevenção e controle do Diabetes Mellitus tipo 2.Acta Sci. Health Sci., Maringá, v.27, n.2, p. 195-205, 2005.

CÂMARA, SAV; BARBOSA, TS; OLIVAN, VC; FERNANDES, ALP; CÂMARA, JV.: Avaliação do risco para desenvolvimento de diabetes mellitus tipo 2 em estudantes universitários. Rio grande do Norte- RN. Rev. Ciência Plural,2019; 5. (2):94-110.

LUCENA, J.B.S. Diabetes Mellitus tipo 1 e tipo 2. Monografia. São Paulo: Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas, 2007.

ARAÚJO, L. M. B., BRITTO, M. M., DA CRUZ, P., & THOMAZ, R. (2000). Tratamento do diabetes mellitus do tipo 2: novas opções. Arquivos brasileiros de endocrinologia & metabologia, 44(6), 509-518.

GLOBAL REPORT ON DIABETES. Diabetes Mellitus – epidemiology; Diabetes Mellitus – prevention and control; Diabetes, Gestational; Chronic Disease; Public Health I. World Health Organization, Geneva, 2016.

TIETE, A. V. C. C.; MASCARENHAS, L. P. G.; SOUZA, W. C. A importância da atividade física para os portadores de diabetes mellitus. Rev. CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida, Santa Catarina, vol. 7, n. 1, p. 2, 2015.

ANTÃO, J. Y. F. L.; DANTAS, M. N. L.; MARTINS, A. A. A Complicações do diabetes mellitus: uma reflexão acerca da atuação do enfermeiro. Revista e ciência, v. 1, n. 1, out. 2013.

ISER, B. P. M. et al. Prevalência de diabetes autorreferido no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Revista Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, p. 306, abr-jun. 2015.

AMERICAN DIABETES ASSOCIATION. (2018). Standards of Medical Care in Diabetes. Diabetes care. 41 (Suppl 1), S73.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES -SBD. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Tratamento e acompanhamento do Diabetes mellitus. São Paulo, 2017. Available from: http://www.diabetes.org.br/ educação/docs/Diretrizes_SBD_2017.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Diabetes Mellitus. Caderno de Atenção Básica, nº 36. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

FLOR, L. S; CAMPOS, M.R; OLIVEIRA, A.F; SCHRAMM, J. M. A. Carga de diabetes no Brasil: fração atribuível ao sobrepeso, obesidade e excesso de peso. Rev Saúde Pública, 2015; 49:29. DOI:10.1590/S0034-8910. 2015049005571.

CARVALHO, S. S.; SILVA, T. M. A.; COELHO, J. M. F. Contribuições do tratamento não farmacológico para diabetes mellitus tipo 2. Rev. de Epidemiologia e Controle Infecção, vol. 5, n. 2, abr/jun. 2015.

SANTOS, A. P. A. Associação entre Atividade Física, Aptidão Física e Qualidade de Vida em Pessoas Idosas com Diabetes Mellitus Tipo 2. Universidade de Évora, 2015.

ARAÚJO, K. O. et al. Avaliação da qualidade de vida de portadores de diabetes mellitus tipo 2. Revista de Enfermagem UFPE On Line, v. 7, n. 9, p. 5583 - 9, Recife, set. 2013.

BERTOLDI, Marieli. A Atividade Física como Fator de Prevenção e Promoção da Saúde: Uma Reflexão Teórica. Tio Hugo, RS, Brasil, 2012. Disponível em: http://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/1074/Bertoldi_Marieli.pdf?sequence=1Acesso em: 10 Jan, 2020.

SILVA, R.S.; BEZERRA, J.A. X.; SILVA, K. V; SILVA, N. N; LOPES, D. T. A.: IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA EM IDOSOS COM DIABETES Revisão Bibliográfica. REV. Diálogos em saúde. Vol. 1 – N. 2 - jul/dez de 2018.

GALVIN, E. A.; NAVARRO, F.; GREATTI, V. R. A importância da prática do exercício físico para portadores de diabetes mellitus: uma revisão crítica. SALUSVITA, Bauru, v. 33, n. 2, p. 209-222, 2014.

MARTINS, P.AG. Diabetes Mellitus: novas abordagens terapêuticas. Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz, Rio Grande do Sul, 2015.

MENDES, T. A. B. et al. Diabetes mellitus: fatores associados à prevalência em idosos, medidas e práticas de controle e uso dos serviços de saúde em São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 27 (6): 1233-1243, jun. 2011.

PEDROZA, M. A. Educação nutricional e atividades educativas como perspectiva de melhora no autocontrole de pacientes diabéticos. Rev.Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2012.

BENETTI, F.; CENI, G. C. Hábitos alimentares de idosos portadores de diabetes: Relação entre ingesta alimentar e recomendações nutricionais. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo, v. 9, n. 3, p. 383-394, set./dez. 2012.

ANTONIO, J. P. et al. Desenvolvimento de um Índice de Alimentação Saudável para pacientes com diabetes tipo 2. Revista de Nutrição, vol. 28, nº 5, set./out. 2015.

DOLNY, L. L. et. al. Educação permanente em saúde (EPS) no processo de trabalho de equipes de saúde da família (ESF)Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 1, p.15-38 jan./feb. 2020. Acesso em; 20/05/2020 disponivel em: file:///C:/Users/Netbook/Downloads/5876-15689-1-PB.pdf




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-181

Refbacks

  • There are currently no refbacks.