Avaliação da utilização do programa “Aqui tem farmácia popular” pelos pacientes atendidos na atenção básica do Município de Tremedal-Bahia / Evaluation of the use of the “Here has popular pharmacy” program by patients served in basic attention in the Municipality of Tremedal-Bahia

Cristiane Feitosa, Rafael Luiz de Araújo Rodrigues, Tatielle Pereira Silva

Abstract


O Governo Federal criou o Programa Farmácia Popular do Brasil para ampliar o acesso aos medicamentos para as doenças mais comuns entre os cidadãos. O Programa possui uma rede própria de Farmácias Populares e a parceria com farmácias e drogarias da rede privada, chamada de "Aqui tem Farmácia Popular". Este estudo teve como objetivo avaliar a utilização do programa “Aqui Tem Farmácia Popular” pelos pacientes hipertensos e diabéticos assistidos pela Atenção Básica municipal de Tremedal e propor estratégias que estimulem sua utilização.  Foi realizada uma pesquisa de corte transversal com abordagem quali-quantitativa em uma amostragem probabilística sistemática, com o conjunto amostral constituindo-se por 289 usuários dos serviços da Farmácia Básica Municipal na zona urbana do município. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário semi-estruturado com questões de ordem sociodemográficas-comportamentais além de perguntas referentes à identificação da utilização do programa “Aqui Tem Farmácia Popular”. Do total da amostra, 52,94% residiam em zona rural, 46,37% possuem escolaridade fundamental incompleto e 57,09% não possuem conhecimento do programa em estudo e 69,20% não conhecem os benefícios advindos do programa. Este estudo mostra o conhecimento e utilização do Programa Farmácia Popular, ao mesmo tempo que vem contribuir para aliviar as despesas familiares, principalmente as das camadas populares, em que os gastos com medicamentos têm maior peso no orçamento.  


Keywords


Programa farmácia popular do brasil, Aqui tem farmácia popular, políticas de saúde.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 491, de 09 de março de 2006. Dispõe sobre a expansão do Programa “Farmácia Popular do Brasil”. Diário Oficial da União 2006; 10 mar

CUNHA, D. R; REZENDE, A. A. Caracterização sociodemográfica de pacientes da comunidade de Brasília teimosa em natal, rio grande do Norte: avaliação das doenças crônicas não transmissíveis e polifarmácia associada. 2018; 1-37.

VASCONCELOS, D. M. M.; CHAVES, G. C.; AZEREDO, T. B.; DA SILVA, R. M. Política Nacional de Medicamentos em retrospectiva: um balanço de (quase) 20 anos de implementação. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 8, p. 2609–2614, 2017.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.858, de 13 de abril de 2004. Autoriza a Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz a disponibilizar medicamentos, mediante ressarcimento, e dá outras providências. Diário Oficial da União 2004; 14 abr

PINTO, C. D. B. S.; COSTA, N. R.; OSORIO-DE-CASTRO, C. G. S. Quem acessa o Programa Farmácia Popular do Brasil? Aspectos do fornecimento público de medicamentos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 6, p. 2963-2973, 2011.

COSTA, E. A.; ARAÚJO, P. S.; PEREIRA, M.T. et al. Situação sanitária dos medicamentos na atenção básica no Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública [internet]. 2017 [acesso em 2018 abr 4]; 51(supl):2-12. Disponível em: https://doi.org/10.11606/S01518- 8787.2017051007106.

MACHADO, C. V.; BAPTISTA, T. W. F.; NOGUEIRA, C. O. Políticas de saúde no Brasil nos anos 2000: a agenda federal de prioridades. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 3, p. 521-532, 2011.

MINAYO, M. C. S, SANCHES, O. Quantitativo-Qualitativo: oposição ou complementariedade. Cad Saúde pública, 1993; 9(3): 239-262

ALMEIDA, A. T, BENEVIDES, R. P, SÁ E, D, VIEIRA, F. S. Impacto do Programa Farmácia Popular do Brasil sobre a saúde de pacientes crônicos. Revista de saúde pública, 2019; 53(20): 1-11. https://doi.org/10.11606/S1518- 8787.2019053000733.

CUNHA, D. R; REZENDE, A. A. Caracterização sociodemográfica de pacientes da comunidade de Brasília teimosa em natal, rio grande do Norte: avaliação das doenças crônicas não transmissíveis e polifarmácia associada. 2018; 1-37.

PINTO, C. D. B. S. Quem acessa o Programa Farmácia Popular do Brasil? Aspectos do fornecimento público de medicamentos. Rev Ciência & Saúde Coletiva 2011; 16(Supl.6): 2963-2973.

GOMES, M. R. Uma Análise geográfica do Programa Farmácia Popular do Brasil na cidade de Dourados. 2018. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2018.

COSTA, K. S, TAVARES, N. U, MENGUE, S. S, PEREIRA, M. A, MALTA, D. C, JÚNIOR, J. B. Obtenção de medicamentos para hipertensão e diabetes no Programa Farmácia Popular do Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, 2016; 25(1): 33-44. DOI: 10.5123/S1679- 49742016000100004

PINTO, C. S, COSTA, N. R, CASTRO, C. G. Quem acessa o Programa Farmácia Popular do Brasil/ Aspectos do fornecimento público de medicamentos. Ciencia e Saude Coletiva. 2011;16(6):2963–2973.

FERREIRA, P. A. A.; CASTRO, R. R. Efeitos do copagamento de medicamentos sobre saúde no Brasil: evidências do programa Aqui Tem Farmácia Popular. Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social; 2017, 123 p

YAMAUTI, S. M.; BARBERATO-FILHO, S.; LOPES, L. C. Elenco de medicamentos do Programa Farmácia Popular e a Política Nacional de Assistência Farmacêutica. Cad Saúde Pública. 2015 ago; 31(8):1648-1662.

MENDES, V.M., O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: O imperativo da consolidação da Estratégia da Saúde da Família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2012.

SILVA, R. M.; CAETANO, R. Programa "Farmácia Popular do Brasil" caracterização e evolução entre 2004-2012. Ciênc Saúde Coletiva. 2015 out; 20(10):2943-2956.

SILVA, R. M.; CAETANO, R. Costs of public pharmaceutical services in Rio de Janeiro compared to Farmácia Popular Program. Rev de Saúde Pública, São Paulo, v. 50, 2016.

Brutti, B., Flores, J., Hermes, J., Martelli, G., Porto, D. da S., Anversa, E. T. R. Diabete Mellitus: definição, diagnóstico, tratamento e mortalidade no Brasil, Rio Grande do Sul e Santa Maria, no período de 2010 a 2014. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 2, n. 4, p. 3174-3182 jul./aug. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-172

Refbacks

  • There are currently no refbacks.