Ações educativas desenvolvidas no dia internacional da mulher: relato de experiência / Educational actions developed on international women's day: experience report

Aline Cândida de Araújo, Talita Giselly dos Santos Souza, Gleidson Gomes do Nascimento, Lucas Gabriel da Silva Santos

Abstract


Oficialmente, a partir do ano de 1975, a data oito de março foi definida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Dia Internacional das Mulheres. Levando em consideração todo contexto histórico a respeito da trajetória das mulheres até a sociedade moderna, além dos dados a respeito de violência e machismo enraizado, faz-se necessário a abordagem da temática para gerar reflexões e senso crítico na sociedade.  Diante desse contexto, o presente trabalho busca apresentar uma sequência didática realizada por professores em uma escola privada no município de Vitória de Santo Antão – Pernambuco, onde, a partir do ambiente escolar, foram abordados temas relacionados à violência contra a mulher, prevenção e saúde, além de reflexões históricas sobre a origem da data em questão. Para isso, foram realizadas oficinas e palestras com o intuito apresentar para os alunos de forma mais didática o possível, questões voltadas à temática, para colocar em evidência os múltiplos papeis adotados pelas mulheres na sociedade em que vivemos. No que concerne às questões didáticas, é sabido que, diante do contexto de ensino-aprendizagem, seja qual for seu âmbito, é necessário o desenvolvimento de habilidades pedagógicas para serem colocadas em práticas, visto a necessidade de uma aprendizagem mais significativa e eficaz.


Keywords


Educação, Oito de março, Sequência Didática.

References


BANSAL, A.; SINGH, M. P.; RAI, B. Human papillomavirus-associated cancers: A growing global problem. International Journal of Applied and Basic Medical Research, v. 6, n. 2, p. 84, 2016.

BLAY, E. A. 8 de março: conquistas e controvérsias. Rev. Estudos Feministas, v. 9, n. 2, p. 601-607, 2001.

BOTTON, A.; STREY, M. N. Educar para o empoderamento de meninas: apostas na infância para promover a igualdade de gênero. Inclusão Social, v. 11, n. 2, 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde Série A. Manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 132p, 2010. Disponível em: Acesso em 19 de abril de 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2015. Disponívelem: Acesso em 19 de abril de 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Boletim Epidemiológico de Sífilis 2019. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2019. Disponível em: Acesso em 19 de abril de 2020.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL – CFESS. Série assistente social no combate ao preconceito: machismo. 2019 Disponível em: Acesso em 22 de abril de 2020.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA - CNJ. Lei Maria da Penha. 2019. Disponível em: Acesso em 22 de abril de 2020.

EHLICH, K.; TILBURG, K. H. Discurso escolar: diálogo? In: Cadernos de Estudos Linguísticos, n. 11, p. 145-172, 1986.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 3 ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população Brasileira, 2015. Disponível em:< https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv95011.pdf> Acesso em 19 de abril de 2020.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER – INCA (Brasil). Sistema de Informação sobre Mortalidade, 2019. Disponível em: Acesso em 19 de abril de 2020.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Tradução de João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, 2002.

MARIA, V. M.; ALMEIDA, S.; DA SILVA, A. X.; DE ALMEIDA, B. C.; DE LIMA FURTADO, J.; BARBOSA, R. V. C. A ludicidade no processo ensino-aprendizagem. Corpus et Scientia, v. 5, n. 2, 2009.

UNITED NATIONS POPULATION FUND - UNFPA. Motherhood in childhood: facing the challenge of adolescent pregnancy. New York: United Nations Populations Fund - UNFPA, 2013. 132 p. UNFPA state of world population 2013. Disponível em: . Acesso em 19 de abril de 2020.

SILVA BUENO, B. L.; AZEVEDO, H. H. D. Empoderamento feminino: trabalhando a autoestima na escola. Relacult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 5, n. 4, 2019.

SILVA, K. V.; SILVA, M. H. Dicionário de conceitos históricos. São Paulo: Contexto, 2011.

TORRES, P. L.; ALCANTARA, P.; IRALA, E. A. F. Grupos de consenso: uma proposta de aprendizagem colaborativa para o processo de ensino-aprendizagem. Revista diálogo educacional, v. 4, n. 13, p. 129-145, 2004.

VIEIRA, A. G.; DE CASTRO AERTS, D. R. G.; CÂMARA, S.; SCHUBERT, C.; GEDRAT, D. C.; ALVES, G. G. A escola enquanto espaço produtor da saúde de seus alunos. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 12, p. 916-932, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-170

Refbacks

  • There are currently no refbacks.