Ensaio a respeito da desistintucionalização por meio da análise de discurso de profissionais da saúde mental / Test regarding deistintucionalization through disease analysis of mental health professionals

Renata Pinheiro Scudeler

Abstract


Introdução: O presente trabalho tem como objetivo analisar diferentes instituições de atenção em saúde mental pós Reforma Psiquiátrica, visando conhecer de que forma conseguem preconizar a autonomia do paciente e a consolidação de seus elos comunitários, familiares, sociais e culturais. Justifica-se na medida em que a formação inicial, assim como a prática psicológica, ainda estão pautadas nos modelos profissionais culturais hegemônicos e pouco discutem a importância destes movimentos e das mudanças por eles provocadas. Sendo a loucura um fato social e político, atravessado por questões econômicas, precisamos atentar para as formas de tratamento preconizado pelas instituições da reforma, uma vez que o sujeito louco é consequência de uma alienação geral, que ainda transita em nosso imaginário. Fundamentação teórica: O conceito de loucura é impossível de ser estudado de maneira isolada por se tratar de um fato relacional. Após alguns anos, o discurso do especialista ainda destina para o louco o espaço da exclusão, silenciando a loucura. A determinação da Psiquiatria como saber/poder sobre a loucura, associada aos procedimentos asilares, sejam eles humanizados ou não, constituem o caráter opressor das instituições psiquiátricas. Por volta da década de 60, Franco Basaglia, médico italiano e percursor da Reforma Psiquiátrica, considerava que apenas a humanização do tratamento não era suficiente, pois o modelo de internação era repressivo e excludente. Decide então criar uma rede de atendimento multidisciplinar que permitisse ao paciente da saúde metal ser assistido durante o dia, bem como inserido em cooperativas, visando sua recuperação social efetiva. Metodologia: Foram visitados um Hospital-Dia e uma Residência Terapêutica, com a finalidade de colher dados junto a diferentes profissionais. Optou-se pela utilização de entrevistas semi-dirigidas. A proposta de análise estruturou-se por meio do método das Zonas de Sentidos. A partir da organização de pré-indicadores e indicadores nos discursos, nos aproximamos cada vez mais de zonas instáveis e profundas de forma a estabelecer núcleos de significação que nos permitiram apreender sentidos presentes nos discursos dos profissionais entrevistados. Análise e Discussão: Foram encontradas as seguintes Zonas de Sentido: Diretrizes e realidade de uma Residência Terapêutica; Consolidação das Residências no contexto da Reforma Psiquiátrica; Formação profissional e o trabalho na Residência Terapêutica; Constituição e atuação do Hospital-Dia; O trabalho em rede e a relação com a comunidade; As consequências e as dificuldades de se relacionar com a loucura. Identificou-se nos discursos a proposta de se ofertar um cuidado fora do contexto hospitalar, que considere os limites e possibilidades de cada caso e trabalhe em direção a uma inserção territorial e social, promovendo um resgate da cidadania e da autonomia. Aquilo que antes era visto só como uma doença passou a ser percebido pelos profissionais como consequência do próprio modelo manicomial. Evidenciou-se, assim, uma crítica não só aos técnicos e dispositivos de saúde, mas também a todo contexto social que não caminha para dialogar com as incontáveis diversidades das formas de ser, classificando as pessoas e delimitando lugares a serem ocupados culturalmente e institucionalmente pelo sujeito dito diferente. Considerações finais: Tornou-se evidente a importância de se continuar propagando continuamente os ideais da Reforma, bem como os da desinstitucionalização. Três aspectos revelaram-se como fundamentais: trabalhar em rede e inserir o sujeito nos diversos equipamentos e espaços sociais; propiciar relações horizontais; e debater aspectos políticos, econômicos e sociais que se evidenciam nos discursos da loucura.


Keywords


reforma psiquiátrica; saúde mental; residência terapêutica; hospital-dia

References


AGUIAR, W. M. J.; OZELLA, S. Núcleos de Significação como Instrumento para Apreensão da Constituição dos Sentidos. Psicologia Ciência e Profissão, Vol. 26, n 2. 2006, 222-245.

AMARANTE, Paulo. Loucos pela vida. A Trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1995.

BASAGLIA, Franco. A instituição negada: relato de um hospital psiquiátrico. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BRASIL. Lei N° 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental.

COSTA, Jurandir Freire. História da Psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1980.

DEVERA, D.; ROSA, A. C. Marcos históricos da reforma psiquiátrica brasileira: Transformações na legislação, na ideologia e na práxis. Revista de Psicologia da Unesp, Vol. 6(1), 2007.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1996.

FOUCAULT, Michel. Doença mental e psicologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

PEREIRA, João Frayze. O que é loucura. São Paulo: Brasiliense, 1985.

TENÓRIO, F. A reforma psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceito. História, Ciências, Saúde. Rio de Janeiro, vol. 9(1):25-59, jan.-abr. 2002.

Vasconcelos, Eduardo Mourão. Abordagens Psicossociais: história, teoria e prática no campo. São Paulo: Hucitec, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-168

Refbacks

  • There are currently no refbacks.