Educação bilíngue e autismo um estudo de caso a partir do olhar de professores / Bilingual education and autism a case study from the look of teachers

Giovana Gonçalez Macri

Abstract


O presente estudo tem por finalidade a análise da influência da língua, em especial, o ensino bilíngue - Inglês e Português-, no desenvolvimento da criança portadora de TEA (Transtorno do Espectro Autista). Além disso, levamos em conta o processo de inclusão na sala de aula e a maneira de aquisição de uma segunda língua desta criança. De início, trazemos, por meio de uma entrevista, as visões e experiências de duas professoras de um aluno portador de TEA, em que apresenta dificuldades na interação, comunicação e desenvolvimento do aprendizado e sua relação de aprendizagem com o ensino bilíngue. Foi discutido com as profissionais sobre os desafios que uma criança com necessidades especiais demanda e como trabalharam durante o ano para que este aluno, sem a possibilidade de um mediador, conseguisse se desenvolver autonomamente e aprender a se comunicar nas duas línguas. Em seguida, dialogamos os resultados com os estágios do desenvolvimento infantil de Jean Piaget em que o aluno se encontra e analisamos a turma de acordo com as categorias de imersão do bilinguismo. Aplicamos, também, a teoria de desenvolvimento e aprendizagem de Vygostsky, na qual utiliza a zona de desenvolvimento proximal e a possibilidade de mediador no ensino-aprendizagem. Percebemos que, apesar da criança portadora de TEA ter dificuldades com a comunicação, houve, durante o ano, avanços no desenvolvimento global e na interação com ambiente bilíngue, aumentando assim, seu repertório linguístico e a capacidade de aprendizagem. As dificuldades encontradas, estão ligadas ao não conhecimento e manejo das profissionais para com o transtorno e não por estar em um ensino bilíngue. Notou-se a necessidade de uma terceira pessoa (mediador) acompanhar a criança durante o processo de ensino-aprendizagem para maiores ganhos em seu desenvolvimento. Por fim, a partir da discussão dos resultados, traremos nossa visão e algumas reflexões e inquietações em razão da pesquisa realizada, sem pretender trazer afirmações a respeito do tema, a fim de que novos estudos possam ser realizados.


Keywords


Educação bilíngue, Inclusão Escolar, Transtorno do Espectro Autista.

References


ALVES, Zélia Mana Mendes Biasoli; SILVA, Maria Helena G. F. Dias da. Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, n. 2, p. 61-69, July 1992 . Available from . access on 16 May 2018.

ALTARRIBA, Jeanette; HEREDIA, Roberto. An introduction to bilingualism: principles and processes. USA: Erlbaum, 2008.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-5: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. 992p.

BERNI, Regiane Ibanhez Gimenes. Mediação: um conceito central na teoria de Vygotsky. 2006.

BLOOMFIELD, Leonard. Language. New York: Henry Holt, 1933.

BRASIL. LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015. Acesso em: 25/03/18;

DEIMLING, Natália Neves Macedo; MOSCARDINI, Saulo Fantato. Inclusão escolar: política, marcos históricos, avanços e desafios. Revista on line de Política e Gestão Educacional, [S.l.], n. 12, feb. 2017. ISSN 1519-9029. Disponível em: . Acesso em: 19 may 2018.

GOULART, Iris Barbosa. Piaget Experiências básicas para a utilização pelo professor. Petrópolis: Vozes, 1983.

HARMERS, J e BLANC, M. Bilinguality and Bilingualism. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

KRAMER, Rassana; MOTA, Mailce. Bilinguismo ao longo da vida:efeitos no controle executivo e memória de trabalho. Anais Eletrônicos do IX congresso Brasileiro de linguística Aplicada. Rio de Janeiro, vol 1, 2012.

MACEDO, M. D. C. S. R.; AIMI, D. R. S.; TADA, I. N. C.; SOUZA, A. M. L. Histórico da inclusão escolar: uma discussão entre texto e contexto. Psicologia em Estudo. Maringá, 2014.

MACKEY, W. The Description of Bilingualism. In: Li Wei, The Bilingualism Reader. London; New York: Routledge, 2000.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisa, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 3. ed. rev. aum. São Paulo: Atlas, 1996. 231 p.

Manual sobre ética em pesquisa com seres humanos. / Prefeitura do Município de São Paulo. Secretaria Municipal da Saúde. Comitê de Ética em Pesquisa. São Paulo: s.n., 2004. 2ª. Edição revista, 2010.

MEGALE, Antonieta Heyden. Bilingüismo e educação bilíngüe – discutindo conceitos. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL. V. 3, n. 5, agosto de 2005. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br].

MENEZES, A. R. S. Inclusão escolar de alunos com autismo: quem ensina e quem aprende?. 2012. 160f. Dissertação (Mestrado) Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 2012. Disponível em:

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa tipos fundamentais - A abordagem qualitativa oferece três diferentes possibilidades de se realizar pesquisa: a pesquisa documental, o estudo de caso e a etnografia. Revista de Administração de Empresas São Paulo, v. 35, n.3, p, 20-29 mai./Jun. 1995

PIAGET, Jean. Epistemologia Genética. 4ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

RABELLO, E.T. e PASSOS, J. S. Vygotsky e o desenvolvimento humano.

SILVA, C. A., LACERDA, C., AMARAL S. F – Práticas escolares e a teoria de Jean Piaget -Didática e Prática de Ensino na relação com a Escola.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes Editora, 1993.

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. 6ª edição. Trad. José Cipolla Neto, Luis S. M. Barreto e Solange C. Afeche. São Paulo: Martins Fontes, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-165

Refbacks

  • There are currently no refbacks.