Análise de contaminação bacteriana associada à sondagem vesical de demora em um hospital público da região do Tapajós / Analysis of bacterial contamination associated with delayed bladder catheterization in a public hospital in the Tapajós region

Dinalia Carolina Lopes Pacheco, Tatiane Panagio de Carvalho, Iara Priscilla Lemos, Andreza Alves Pessôa, José Jeosafá Vieira de Sousa Júnior, Itallo Esteves Lacerda de Sousa, Adelene Menezes Portela Bandeira, Juliane de Almeida Lira

Abstract


No Brasil são notórios os gastos dos hospitais com infecções hospitalares (IH), o que ocasiona um grave problema de saúde pública. A infecção do Trato Urinário (ITU) é uma das IH que mais atingem as pessoas internadas em hospitais com um índice de 35-45% dos casos. Assim, o presente trabalho trata de uma análise sobre a contaminação bacteriana associada à sondagem vesical de demora em hospital público na região do Tapajós. Este tem como objetivo Identificar a presença de microrganismos com capacidade patogênica nos cateteres de sondagem vesical de demora (SVD) na clientela do Hospital Municipal de Itaituba/Pará. O estudo trata de uma pesquisa de abordagem quantitativa descritiva e exploratóriaem que foram coletadas amostras de urinas e aplicados questionários a 30 pacientes internados nos setores de Clínica médica e Cirúrgica. Nesta pesquisa foi possível evidenciar que a maioria dos pacientes, do sexo feminino, era proveniente do setor de Clínica Médica e com idade entre 58 e 77 anos. Em relação as análises de amostras de urina dos pacientes sondados, apenas 13,3% apresentaram a presença de microrganismos patológicos. Entre os pacientes, 04 com resultados positivos de nititritos, 75% deles apresentaram cultura para bactérias gram-negativas e 25% para gram-positivas. Evidenciou-se ainda que pelo menos 100% fizeram uso de antibióticos. Ao final pode-se evidenciar a existência de casos de contaminação bacteriana em que é perceptível  a presença de outras comorbidades, além do tempo de permanência do cateter que é também de grande importância para o desenvolvimento da patologia.

 


Keywords


Infecção. Bactérias. SVD. Itaituba.

References


ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2017. Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde.Brasília.

BARACUHY, Y. P. S.; GONDIN, C. S. S E.; BARROS, A. A. P.; BARACUHY, H. P.; BARACUHY, V. S. 2013. Perfil Epidemiológico da Infecção nosocomial do Trato Urinário em Hospital Universitário de Campina Grande (PB).ABCS Health Sci.Capina Grande, v. 38. 3:146 -152.

BRITO, M. T. A.; SILVA, R. B.; PENA, H. W. A. 2014.

Análise da Dinâmica da Estrutura Produtiva do Município de Itaituba, Pará Amazônia¬ Brasil. Revista Observatório de la Economia Latinoamericana.Belém,v. 194, 9:115-1¬16.

CAMPOS, C. V. S., SILVA, K. L. 2013. “Cateterismo Vesical Intermitente Realizado Pelos Cuidadores Domiciliares em Serviço de Atenção Domiciliares em Serviço de Atenção Domiciliar. Revista Mineira de Enfermagem. Minas Gerais, v. 17. 4:753-770.

CEBE. CENTRAL BRASILEIRA DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE, 2014. Estabelecimentos de Saúde do Brasil. (). Acesso em: 04/09/ 2017.

CONTERNO, L. O.; LOBO, J. A.; MASSON, W. 2011. Uso Excessivo do Cateter Vesical em Pacientes Internados em Enfermarias de Hospital Universitário. Revista Escola de Enfermagem USP, São Paulo, v. 45, n. 5, p. 1089-1096.

CYRINO, A. C. T.; STUCHI, R. A. G. 2015. Infecção do Trato Urinário em um Hospital de uma Cidade no Interior de Minas Gerais.Revista de Enfermagem, Juizo de Fora, v, 1. 1:3944-3947.

FAKIN, M. G.; PENA, M.; SHEMES, S. R. J.; BERRIEL-CASS, D.; SZPUNAR, S. M. 2010. Effect of Establishing Guidelines on Appropriate Urina-ry Catter Plancement. Acad Emerd Med,Wayne, v. 17, 3:337-340.

FEITOSA, D. C. A.; SILVA, M. G.; PARADA, C. M. G. L. 2009. Acurácia do Exame de Urina Simples para Diagnóstico de Infecções do Trato Urinário em Gestantes de Baixo Risco. Revista Latino Americana de Enfermagem,Rio de Janeiro, v. 17, 4: 212-219.

GIAROLA, L. B.; BARATIERI, T.; COSTA, A. M.; BEDENDO, J.; MARCON, S. S, ANGÉLICA, M. 2012. Infecção Hospitalar na Perspectiva dos Profissionais. Revista Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 17, 1:01-09.

JAWETZ, M.; MELNICK, V.; ADELBERG, B. 2009. Microbiologia Médica. 24. ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill Interamericana do Brasil Ltda.

KUGA, A. P. V.; FERNANDES M. V. L. 2012. Prevenção de Infecção do Trato Urinário–(ITU) Relacionado à Assistência à Saúde. Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar. São Paulo.

LARBOCLIN. Linha de Lamino Cultivo Para Urina. 2014. Paraná. (

LO, D. S. 2013. Infecção Urinária Comunitária: Etiologia Segundo Idade e Sexo. Jornal Brasileiro de Nefrologia, São Paulo, v.35. 2:93-98.

LOPES, P. M.; QUEIROZ, T. F. F.; RODRIGUES, F. C.; CASTRO, A. S. B. 2010. Análise da Frequência e do Perfil de Sensibilidade da Escherichia Coli como Agente Causador de Infecções do Trato Urinário na Microrregião de Viçosa, MG. Revista Univiçosa,Viçosa, 2:1.

MARRA A. 2011. Antibacterial Resistance: Is There a Way out of the Woods? New Haven (USA): Future Microbiol, Rio de Janeiro, v. 6. 7: 707–709.

MASSON, P.; MATHESON, S.; WEBSTER, A. C.; CRAIGER, J. C. 2009. Meta-analyses in Prevention and Treatment of Urinary Tract Infections. Infectious disease clinics of North America, Nova York, v. 23. 2:355-385.

MIRANDA, M. M.; SIMÕES, A. C. A.; TEIXEIRA, C. D. 2016. Resistência a Antimicrobianos em Cepas de Enterococcus spp, Isoladas da UTI de um Hospital de Cachoeiro de Itapemirim – ES. Educação e ciência Para Cidadania Global. Paraiba. (http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2016/anais/arquivos/0733_0379_01.pdf). acesso em: 11/10/ 2017.

MOELLERING, R. C.; GILBERT, D. N. 2013. Guia Sanford Para Terapia Antimicrobiana. 43. ed. Brasília: AC Farmacêutica.

NOGUEIRA, A. M. S.; PEREIRA, F. G. B.; BELCHIOR, L. G.; FREITAS, L. C. S.; BUENO, S. M.; MUSSI, S. F. M. 2013. Estudo da Eficiência de Antibioticos Contra Bactérias Patogênicas. Revista CientificaUNILAGO,São Paulo,v. 2. 3: 1-7.

PADOVEZE, M. C.; FORTALEZA, C. M. C. B. 2014. Healthcare- associated infections: challenges to public health in Brazil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.48. 6: 995-1001.

PAULI, C. 2016. Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem, Título Coleta de Urina para Urocultura ou Análise Bioquímica. UFSC. (http://www.hu.ufsc.br/documentos/pop/enfermagem/assistenciais /material_biologico/coleta_urocultura.pdf). Acesso em: 20/11/2017.

RAMOS, T. P.; SILVA, V. C. B.; MATIAS, L. P. ARANTES, V. P. 2010. Perfil de Sensibilidade de Microrganismos Isolados em Uroculturas de Pacientes com Infecção do Trato Urinário na Cidade de Paranavaí-PR. Arquivo Ciência da Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 14. 2:111-116.

ROBICHAUD, S.; BLONDEAU, J. M. 2009. Urinary Tract Infections in Older Adults: Issues and new therapeutic options. Geriatrics And Aging,Buenos Aires, v. 11.10:582-88.

RORIZ-FILHO, J. S.; VILAR, F. C.; MOTA, L. M.; LEAL, C. L.; PISI, P. C. B.2010. Infecção do Trato Urinário. Escola de Medicina de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, v. 43. 2:118-125.

SANTOS, R. G.; ALVES, C. D. S.; LEMOS, L. B.; JESUS, I. S.; LEMOS, G. S. 2016. Prescrições de Antimicrobianos de uso Restrito de Pacientes Internados em um Hospital de Ensino. Revista Brasileira de Farmácia. São Paulo, v.7.1: 8-12.

SILVA, E. R. M. 2012. Análise do Perfil das Prescrições de Antimicrobianos na Clínica Médica de um Hospital Público do Pará. Revista Brasileira de Farmácia do Hospital e Serviço de Saúde, São Paulo, v.3.2:15-19.

SILVA, T.V.; ESTEVES, D. C. 2017. Infecção Hospitalar: A Emergência da Klebsiella Pneumoniae. Revista Conexão Eletrônica, Três Lagoas, 14:1.

SILVEIRA, S. A.;ARAÚJO, M. C.; FONSECA, F. M.; OKURA, M. H.; OLIVEIRA, A. C. S.2010. Prevalência e Suscetibilidade Bacteriana em Infecções do Trato Urinário de Pacientes Atendidos no Hospital Universitário de Uberaba. RBAC, Uberaba, v. 42. 3:157-160.

TOLENTINO, A. C. S.; SCHUTZ, V.; PEREGRINO, A. A. F.; SILVA, R. C. L. 2014.Revista de Enfermagem, Recife, v. 8, 10:3256-3265.

WHO, World Health Organization. 2014. Health care-associated infections Fact Sheet. (http://www.who.int/gpsc/country_work/gpsc_ccisc _fact_sheet_en.pdf) Acesso em: 15/08/ 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-142

Refbacks

  • There are currently no refbacks.