Desenvolvimento de Biscoitos Veterinários contendo extrato de Ginkgo biloba/ Development of Veterinary Biscuits containing Ginkgo biloba extract

Maiara Luiza Marques Ricca

Abstract


O presente trabalho visa o desenvolvimento de um biscoito medicamentoso fitoterápico destinado a uso veterinário para o tratamento da síndrome da disfunção cognitiva em cães. A disfunção cognitiva canina é uma doença neurodegenerativa, caracterizada pela diminuição da função cognitiva do animal, causando, por exemplo, perda de memória. Essa síndrome é muito semelhante ao Alzheimer em humanos.O Ginkgo biloba possui ampla ação antioxidante e tem se mostrado bastante efetivo no alívio de sintomas da disfunção cognitiva em cães idosos, já que é muito raro cães ainda jovens apresentarem tal síndrome. Além disso, sua administração é bastante segura, já que apresenta baixa toxicidade. Os biscoitos foram feitos a base de biscoito industrializado de água e sal com gergelim, além disso, também possui quinoa em sua composição que é fonte de proteínas de alta digestibilidade para cães. Após a homogeneização de todos os excipientes é feita a adição do princípio ativo, em seguida os biscoitos são colocados em moldes e levados a estufa. A estufa deve estar em temperatura controlada e por tempo necessário, após resfriamento os biscoitos são acondicionados em embalagens individuais, para depois serem armazenados na embalagem secundária.O uso de Ginkgo biloba em um biscoito medicamentoso é visando facilitar a administração do medicamento pelo dono ao animal, já que o biscoito é uma forma conhecida pelo animal e presente em sua alimentação.


Keywords


biscoito veterinário medicamentoso; extrato de Ginkgo biloba; síndrome da disfunção cognitiva; medicamento fitoterápico; doença neurodegenerativa; desenvolvimento de medicamento veterinário; Ginkgo biloba.

References


A carreira do farmacêutico veterinário. ICTQ, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2018.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consolidado de normas da COFID (Versão V). 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Farmacopéia Homeopática Brasileira – 3ª edição 2011 Disponível em: < http://www.anvisa.gov.br/hotsite/farmacopeiabrasileira/conteudo/3a_edicao.pdf> Acesso em: 19 ago. 2018

AL-YAHYA, Abdulaziz A. et al. Studies on the reproductive, cytological and biochemical toxicity of Ginkgo Biloba in Swiss albino mice. Journal Of Ethnopharmacology, [s.l.], v. 107, n. 2, p.222-228, set. 2006. Elsevier BV. <“http://dx.doi.org/10.1016/j.jep.2006.03.014”>

BANOV, Daniel et al. Caracterização do Extrato Seco de Ginkgo biloba L. em Formulações de Uso Tópico. Acta Farm. Bonaerense, São Paulo, v. 2, n. 25, p.219-224, dez. 2005. Disponível em: <”http://www.latamjpharm.org/trabajos/25/2/LAJOP_25_2_1_9_4LZR17I8X9.pdf”>. Acesso em: 07 abr. 2018.

BARA, Maria Teresa F. et al. Determinação do teor de princípios ativos em matérias-primas vegetais. Revista Brasileira de Farmacognosia, Goiás, v. 2, n. 16, p.211-215, maio 2006. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2018

BASILIO, Maria Lúcia Rodrigues Barbosa et al. Comparação de metodologias para determinação de umidade em rações. Revista Analytica, Paraná, v. 73, n. 320, p.64-69, 10 out. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2018.

BATATINHA, Maria José Moreira. Produtos de uso veterinário. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2018.

BRASIL. DECRETO-LEI N° 467, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1969. Dispõe sobre a fiscalização de produtos de uso veterinário, dos estabelecimentos que os fabricam e dá outras providências. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasília, DF. 14 fev. 1969. Disponível em: < http://sistemasweb.agricultura.gov.br/sislegis/action/detalhaAto.do?method=visualizarAtoPortalMapa&chave=900874234>. Acesso em: 10 set. 2018.

BRASIL. INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N° 13, DE 3 DE OUTUBRO DE 2003. Aprova o Regulamento de Boas Práticas de Fabricação de Produtos de Uso Veterinário e o Glossário. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasília, DF. 06 out. 2003. Disponível em: < http://sistemasweb.agricultura.gov.br/sislegis/action/detalhaAto.do?method=visualizarAtoPortalMapa&chave=830709255>. Acesso em: 10 set. 2018.

BRASIL. INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA Nº 15, DE 9 DE MAIO DE 2005. Aprova o Regulamento Técnico Para Testes de Estabilidade de Produto Farmacêutico de Uso Veterinário. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasília, DF. 12 mai. 2005. Disponível em: < http://sistemasweb.agricultura.gov.br/sislegis/action/detalhaAto.do?method=visualizarAtoPortalMapa&chave=1775629259>. Acesso em: 10 set. 2018

CAPANEMA, Luciana Xavier de Lemos; VELASCO, Luciano Otávio Marques de; SOUZA, José Oswaldo Barros de; NOGUTI, Mariana Barbosa. Panorama da Indústria Farmacêutica Veterinária. Bndes, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2018.

CARMO FILHO, Aureo do; FAKOURY, Max Kopti; FERRY, Fernando Raphael de Almeida. Ginkgo biloba e memória - revisão sistemática. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p.145-152, jan. 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2018.

CASTRO, Angela Potter de; MELLO, Fernanda Bastos de Mello & João Roberto Braga de. Avaliação toxicologica do Ginkgo biloba sobre a fertilidade e reprodução de ratos Wistar. Acta Scientiae Veterinariae, Rio Grande, p.265-269, jul. 2005.

CUNNINGHAM, James G.. Tratado de fisiologia veterinaria. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999. 528 p.

DEMINICIS, Bruno Borges; MARTINS, Carla Braga. Tópicos especiais em Ciência Animal III. Capítulo 22 – Desafios farmacêuticos no desenvolvimento de produtos veterinários, pág. 231 á 241. Disponível em:

e2da2b5f13.pdf#page=236>. Acesso em: 07 abr. 2018.

DESTRO, Marco Willians Baena et al. ESTUDO DA UTILIZAÇÃO NO PRÉ-OPERATÓRIO DE MEDICAMENTOS OU DROGAS FITOTERÁPICAS QUE ALTERAM A COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA. Rev. Col. Bras. Cir., Rio de Janeiro, v. 33, n. 2, p.107-111, abr. 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2018.

FLORENZA, Orestes V.. Ginkgo biloba e memória: mito ou realidade? Revista Pesquisa Clínica, São Paulo, v. 6, n. 30, p.218-220, 17 dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2018.

FÓRMULA para cães. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2018.

GETTY, Robert. SISSON/GROSSMAN-ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMESTICOS: 2 VOLUMES. 5. ed. São Paulo: Guanabara Koogan, 1986.

GURTLER, H. Ketz, H. A., Schroder, L. et al. Fisiologia Veterinária. Edit. Guanabara. 4 ed. 1987.611p.

ISAH, Tasiu. Rethinking Ginkgo biloba L.: Medicinal uses and conservation. PhcogRev, New Delhi, v. 9, n. 18, p.140-148, ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2018.

KÖNIG, Horst Erich; LIEBICH, Hans-georg. Anatomia doa animais domésticos: Texto e atlas colorido. Porto Alegre: Artmed, 2004. 2 v.

OLIVEIRA, Claudia Borges Dias de, Carlos Roberto de Oliveira. A nova realidade do marketing farmacêutico veterinário: uma estratégia B2B para o sucesso da linha pet. Disponível em: . Acesso em: 31/10/2018

REECE, Willian O. Fisiologia dos animais domésticos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

SARTURI, Leandro. Manipulação de medicamentos veterinários como área de atuação do farmacêutco. Faculdade de Educação e Meio Ambiente, Ariquemes, 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2018.

SINDAN. Sindicato Nacional da Indústria de Produtos Para Saúde Animal. Disponível em: Acesso em: 11 abr. 2018.

TEIXEIRA, Helena Oyarzabal. Síndrome da disfunção cognitiva em cães. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2018.

TRAVANCINHA, J. Alterações comportamentais sugestivas de síndrome da Sindrome da disfunção cognitiva em cães geriátricos. Universidade de Lisboa. 2014. Disponível em: <”http://hdl.handle.net/10400.5/7862”>. Acesso em: 10 nov. 2018.

VASCONCELLOS, R.S; AMARAL H.A; et al. Disfunção cognitiva em cães idosos: avaliação clínica e estratégias terapêuticas. Disponível em: < http://psicovet.com.br/wp-content/uploads/pdf/image/PAPER-8.pdf>. São Paulo. P.62-70. 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-139

Refbacks

  • There are currently no refbacks.