Cuidado farmacêutico em UTI oncológica / Pharmaceutical care in oncology UTI

Juliana Pereira dos Santos, Regina Maria da Hora dos Santos Azevedo, Patrícia Lima de Araújo, Maria Teresita Bendicho, Rosa Malena Fagundes Xavier

Abstract


Introdução: O câncer se caracteriza como um conjunto de doenças em que as células malignas crescem e disseminam-se descontroladamente. Torna-se frequente a necessidade de suporte da terapia intensiva para pacientes oncológicos, pois contribui para melhora clínica, superação da fase aguda da doença e restabelecimento da função orgânica. A complexidade crescente dos regimes farmacoterapêuticos que pacientes críticos necessitam durante a fase aguda da doença levou o farmacêutico clínico a se tornar um membro integrante da equipe da UTI. Objetivo: Relatar a experiência dos residentes na atuação farmacêutica para realização das atividades clínicas no cuidado dos pacientes oncológicos em uma UTI. Materiais e Método: Estudo descritivo mediante o relato de experiência de farmacêuticos do programa de Residência Multiprofissional em Oncologia da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), inserida em um Hospital especializado em Oncologia, localizado na capital do estado da Bahia, no período de março a agosto de 2019. Dentre as atividades clínicas, as variáveis destacadas no trabalho foram as intervenções farmacêuticas realizadas e aceitabilidade destas perante a equipe médica. Resultados e Discussão: Durante o período de março até agosto de 2019, 132 pacientes foram acompanhados pela farmácia clínica e registrados um total de 70 intervenções farmacêuticas, 34% (24) foram relacionados à introdução de medicamentos necessários, 17% (12) em relação ao ajuste da sobredose prescrita, 16% (11) foi de ajuste da subdose prescrita, 16% (11) relacionados ao ajuste da via de administração, 9% (6) foi suspensão do medicamento inseguro, 6% (4) das intervenções foram relacionadas à adesão e 2% (2) substituição de medicamento inseguro. Em relação aceitabilidade das intervenções farmacêuticas pela equipe médica, 80% (56) das intervenções foram aceitas, 3% (2) foram aceitas parcialmente e 17% (12) não foram aceitas. Conclusão: O acompanhamento farmacoterapêutico em UTI oncológica contribui para a racionalização da terapia farmacológica e auxilia no cumprimento do plano terapêutico.


Keywords


Oncologia, Cuidado Farmacêutico, Intervenções farmacêuticas

References


AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Protocolo de segurança na prescrição, uso e administração de medicamentos, 2013.

DALLA, T. V; GARCIA, P. C. Critérios de admissão do paciente oncológico em Unidades de Terapia Intensiva de hospitais gerais. Revista de Ciências Médicas, v. 27, n. 2, p. 73-84, 2019.

DIAS, D. et al. Avaliação de Intervenções Clínicas Farmacêuticas em uma UTI de um hospital público de Santa Catarina. Revista Brasileira Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, v. 9, n. 3, p. 005, 2018.

FERNANDES, L. L. A importância do farmacêutico hospitalar juntamente com a equipe multidisciplinar na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Revista FAROL, v. 8, n. 8, p. 5-21, 2019.

FREEDMAN, N. et al. Prognosis of cancer patients in the Intensive Care Unit. UpToDate®, 2020. Disponível em: < https://www.uptodate.com/contents/prognosis-of-cancer-patients-in-the-intensive-care-unit?search=unidade%20de%20terapia%20intensiva%20e%20pacientes%20oncologicos&source=search_result&selectedTitle=1~150&usage_type=default&display_rank=1>. Acesso em 06 abr. 2020.

KOCH, A; CHECKLEY, W. Do hospitals need oncological critical care units? J Thorac Dis. 2017; 9: E304–9

MEDEIROS, R. D. A.; MORAES, J. P. Intervenções farmacêuticas em prescrições medicamentosas na unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, v. 5, n. 2, 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Rio de Janeiro: INCA, 2019.

PILAU, R.; HEINECK, I.; HEGELE, V. Atuação do farmacêutico clínico em Unidade de Terapia Intensiva adulto: uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, v. 5, n. 1, 2014.

POLISEL, C. et al. Intervenções farmacêuticas em uma unidade de terapia intensiva de um hospital universitário. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, v. 8, n. 3, 2017.

PRICE, K. J. et al. Role of the Clinical Pharmacist in the Oncologic Intensive Care Unit. Oncologic Critical Care, p. 129-135, 2020.

RIBEIRO, V. F. et al. Realização de intervenções farmacêuticas por meio de uma experiência em farmácia clínica. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, v. 6, n. 4, 2015.

SOARES, M. et al. Effects of organizational characteristics on outcomes and resource use in patients with cancer admitted to intensive care units. Journal of Clinical Oncology, v. 34, n. 27, p. 3315-3324, 2016.

SOUZA, L. B. et al. Importância do farmacêutico clínico no uso seguro e racional de medicamentos no âmbito hospitalar. Revista Pensar Acadêmico, v. 16, n. 1, p. 109-124, 2018.

VIANA, S. S. C.; ARANTES, T.; RIBEIRO, S. C. C. Intervenções do farmacêutico clínico em uma Unidade de Cuidados Intermediários com foco no paciente idoso. Einstein, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 283-288, 2017.

WHO, World Health Organization. Health topics. Cancer. Geneva, 2018. Disponível em:< https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/cancer>. Acesso em 06 abr. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-137

Refbacks

  • There are currently no refbacks.