Estudantes de Enfermagem e a Importância que Atribuem para as Disciplinas das Ciências Biológicas e da Saúde/ Students of Nursing and the Importance they Attach to the Biological and Health Sciences Disciplines

Fabrício da Gama Pereira, Leandro Felipe Mufato, Rogério Benedito da Silva Añez, Stenio Eder Vittorazzi

Abstract


Objetivo: analisar a importância atribuída pelos estudantes às disciplinas das Ciências Biológicas e da Saúde em um Curso de Graduação em Enfermagem. Método: Trata-se de um estudo descritivo com uma abordagem quantitativa na modalidade não probabilística por conveniência realizado com 221 estudantes do curso de enfermagem de uma universidade pública, no período de setembro a outubro de 2019. Resultados:  197 (89,1%) dos estudantes eram do sexo feminino e 187 (84,6%) tinham entre 18 e 25 anos de idade. A maioria, 119 (53,8%), encontravam-se nos semestres em que as disciplinas de Ciências Biológicas e da Saúde são ofertadas e 168 (76%) sabiam quais são essas disciplinas das Ciências Biológicas e da Saúde. A maioria, 190 (86,4%), deu avaliações positivas ao estudo dessas disciplinas. Ainda, 26 (11,7%) estudantes não possuem opinião formada sobre a importância delas na formação e 4 (1,8%) afirmam não reconhecer tal importância. Conclusão: Os acadêmicos atribuíram importância ao estudo das disciplinas das Ciências Biológicas e da Saúde que variou de acordo com o momento em que se encontravam na graduação. A importância dessas disciplinas parece sofrer influência das demais e das características da própria profissão de Enfermagem.


Keywords


Ciências da Saúde; Ciências Biológicas; Disciplinas básicas

References


ALMEIDA, D. B. et al. Estereótipos sexistas na enfermagem portuguesa: Um estudo histórico no período de 1935 a 1974. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 20, n. 2, p. 228-235, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160030. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1277/127745723003.pdf. Acesso em: 10 de nov. 2019.

AZEVEDO, A. M. S.; AKERMAN, M. O ensino de Ciências Básicas na Enfermagem: um panorama desafiador de pesquisa em ensino. ABCS Health Sciences, v. 40, n. 3, p. 306-311, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.812. Disponível em: https://nepas.emnuvens.com.br/abcshs/article/view/812/707. Acesso em: 17 nov. 2019.

BARBOSA, A. C. S. et al. Perfil de egressos de Enfermagem: competências e inserção profissional. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 27, s/p, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.3222.3205. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692019000100386&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 nov. 2019.

BARRETO, M. S. et al. Percepção da equipe de enfermagem sobre a função do enfermeiro no serviço de emergência. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 16, n. 6, p. 833-841, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.15.253/2175-6783.2015600009. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3240/324043261011.pdf. Acesso em: 25 nov. 2019.

BRAGA, L. M.; TORRES, L. M.; FERREIRA, V. M. Condições de Trabalho e Fazer em Enfermagem. Revista de Enfermagem da UFJF, v. 1, n. 1, p. 811-817, ago. 2016. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/enfermagem/article/view/3788. Acesso em: 26 nov. 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 20 jan. 2019;

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional [internet]. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 02 out. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 3. Institui as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em enfermagem [internet]. Brasília, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES03.pdf. Acesso em: 02 out. 2018.

BUBLITZ, S. et al. Perfil sociodemográfico e acadêmico de discentes de enfermagem de quatro instituições brasileiras. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 36, n. 1, p. 77-83, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472015000100077&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 nov. 2019.

CAMPBELL, J.; LEATHARD, H. Nurses' knowledge of biological and related science. NT Research, v. 5, n. 5, p. 372-380, Londres, 2000. DOI: https://doi.org/10.1177/136140960000500510. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/136140960000500509 .Acesso em: 19 nov. 2019.

CAMPOS, E. C. Protocolo de Assistência de Enfermagem: Visão do enfermeiro[...]. Orientador: Regina Stella. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Saúde Coletiva). Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista “Julio Mesquita Filho, Botucatu, 2017. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/148948/campos_ec_me_bot_int.pdf?sequence=6&isAllowed=y. Acesso em 20 nov. 2019.

CARNIO, E. C. Ciências Básicas e Enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 19, n. 5, p. 1061-1062, out. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692011000500001&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 16 nov. 2018

CATUNDA, H. L. O. et al. Percurso metodológico em pesquisas de enfermagem para construção e validação de protocolos. Texto e Contexto Enfermagem, v. 26, n. 2, s/p, Florianópolis, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072017000650016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v26n2/pt_0104-0707-tce-26-02-e00650016.pdf . Acesso em: 25 nov. 2019.

CHAGAS, S. N. F.; BRITO, R. S.; BORGES, A. M. M. Percepção dos estudantes de graduação em enfermagem sobre o trabalho do enfermeiro. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, v. 6, n. 3, 2421-2429, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v6i3.1118. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/1118/1174. Acesso em: 10 de nov. 2019.

COFEN. Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil: 2016 [internet]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/perfilenfermagem/index.html. Acesso em: 10 de nov. 2019.

COFEN. Resolução Cofen nº 358/2009. Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes píblicos ou privados, em que ocorre cuidado profissional de enfermagem [internet]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html. Acesso em 27 nov. 2019.

COUTINHO, E. F; LIMA, E. T.; SANTOS, C. C. Um panorama sobre o desempenho de uma disciplina inicial de programação em um curso de graduação. Revista Tecnologias na Educação, v. 19, n. 9, p. 1-15, 2017. Disponível em: http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2017/07/Art14-vol19-julho2017.pdf. Acesso em 17 nov. 2019.

CUNHA, Y. F. F.; SOUSA, R. R. Gênero e enfermagem: um ensaio sobre a inserção do homem no exercício da enfermagem. RAHIS, v. 13, n. 3, s/p, 2016. DOI: https://doi.org/10.21450/rahis.v13i3.4264. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/rahis/article/view/140-149. Acesso em: 10 de nov. 2019.

FOSCHIERA, F.; VIERA, C. S. O diagnóstico de enfermagem no contexto das ações de enfermagem: percepção dos enfermeiros docentes e assistenciais. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 6, n. 2, P. 189-198, 2004. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/revista6_2/pdf/Orig6_diag.pdf. Acesso em: 23 nov. 2019.

GALAVOTE, H. S. et al. O trabalho do enfermeiro na atenção primária à saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 20, n. 1, p. 90-98, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160013. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1277/127744318013.pdf. Acesso em: 26 nov. 2019.

GIL; A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2017.

GONÇALVES, J. R. L. et al. Percepção dos discentes de enfermagem do PET GraduaSUS sobre sua formação acadêmica. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social, v. 7, n. 2, p. 211-219, 2019. http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/3735/pdf. Acesso em: 10 de nov. 2019.

IGLÉSIAS, A. G.; BOLLELA, V. R. Integração curricular: um desafio para os cursos de graduação da área da Saúde. Medicina (Ribeirão Preto. Online), v. 48, n. 3, p. 265-272, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v48i3p265-272. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/104318/102966. Acesso em 17 nov. 2019.

JANISSEK, J. et al. Práticas inovadoras de gestão no contexto das universidades públicas brasileiras: validação da escala para medir seu grau de importância e adoção. Revista do Serviço Público, v. 68, n. 2, s/p, 2017. DOI: https://doi.org/10.21874/rsp.v68i2.1631. Disponível em: https://repositorio.enap.gov.br/handle/1/3081. Acesso em: 13 mai. 2019.

MACEDO, T. T. et al. Perfil alimentar, clínico e padrão de atividade física em ingressantes universitários de enfermagem. Revista Cubana de Enfermería, v. 35, n. 1, s/p, 2019. http://www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/1785/423. Acesso em: 10 de nov. 2019.

MAKUCH, D. M. V.; ZAGONEL, I. P. S. Abordagem pedagógica na implementação de programas curriculares na formação do enfermeiro. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, s/p, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2017-0025 Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2018.

OGUISSO, Taka. Trajetória histórica da enfermagem. Barueri. Manole, 2014.

PADOVANI, O.; CORRÊA, A. K. Currículo e Formação do Enfermeiro: desafios das universidades na atualidade. Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, v. 8, n. 2, p. 112-119, 2017. Disponível em: http://stat.cbsm.incubadora.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/view/3841/4990. Acesso em 17 nov. 2019.

PINTO, A. A. M. Métodos Ativo de Aprendizagem ou Tradicional?: Similaridades [...].Orientador: Maria José Sanches Marin. 2v. Tese de Doutorado (Doutorado em Enfermagem). Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista “Julio Mesquita Filho, Botucatu, 2018. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/153777. Acesso em 17 nov. 2019.

SILVA, B. L. G.; ALVES, E. S.; FORTES, A. F. A. Percepção de estudantes de enfermagem sobre o que é ser enfermeiro. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, v. 23, n. 2, P. 102-109, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2014.01.42870. Disponível em: https://revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/6136. Acesso em: 10 de nov. 2019.

VILLELA, L. B.; CONDÉ, U. D.’O. C.; NUNES, R. C. P. Disciplinas básicas do curso de Engenharia de Produção como possível causa de retenção e evasão. Anais Emepro, s/v; s/n, 2018, p. 1-11. Disponível em: http://www.ufjf.br/getproducao/files/2018/06/Disciplinas-b%C3%A1sicas-do-curso-de-Engenharia-de-Produ%C3%A7%C3%A3o-como-poss%C3%ADvel-causa-da-reten%C3%A7%C3%A3o-e-evas%C3%A3o.pdf. Acesso em 17 nov. 2019.

WINTERS, J. R. F.; PRADO, M. L. do.; HEIDEMANN, I. T. S. B. A formação em enfermagem orientada aos princípios do Sistema Único de Saúde: percepção dos formandos. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 248-253, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160033. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452016000200248&lng=en&nrm=iso. Acesso em 15 de nov. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-130

Refbacks

  • There are currently no refbacks.