Tratamento de lesão extensa em face decorrente de trauma. Relato de caso / Treatment of extensive injury to the face from trauma. Case report

Lívia Mirelle Barbosa, Caio Vinícius Batista de Arruda, Eduarda Lapenda Gomes da Fonseca, Priscilla Sarmento Pinto, Lívia Maria Lopes de Oliveira, Jéssica da Silva Cunha, Suzana Célia de Aguiar Soares Carneiro, Belmiro Cavalcanti do Egito Vasconcelos

Abstract


Os danos faciais, em particular, dos tecidos moles acontecem normalmente oriundos de acidentes automobilísticos, quedas, violência, e acidentes durante atividades recreativas. A região maxilofacial está relacionada a várias funções importantes, como: visão, olfato, alimentação, respiração e fala. Essas funções são gravemente afetadas, resultando em comprometimento da qualidade de vida. A face também realiza um papel significante na criação das relações sociais, e o trauma facial é a principal causa de sua desfiguração, dessa forma as manipulações das lesões faciais por trauma merecem ser discutidas. O objetivo deste trabalho é relatar um caso de lesão extensa em tecidos moles da face, decorrente de um acidente de trânsito. Paciente do gênero masculino, 35 anos, vítima de acidente motociclístico resultando em traumatismo craniano grave e ferimento extenso em face e couro cabeludo, sem fratura em ossos da face. O tratamento realizado foi a síntese tecidual por planos, e antibioticoterapia venosa. Em acompanhamento pós-operatório do paciente observou-se ausência de deiscência e débito purulento no ferimento. As lesões faciais podem ser tratadas de forma satisfatória com a aproximação dos tecidos, que é mais comumente alcançada via sutura, facilitando ótimos resultados estéticos ao permitir que as bordas da ferida sejam evertidas e alinhadas com precisão, permitindo um reparo tecidual adequado, livre de infecção. O tratamento da lesão em tecidos moles da face por trauma é desafiador para o cirurgião bucomaxilofacial, mas se os princípios de síntese tecidual forem devidamente realizados, o reparo tecidual bem como a reprodução da forma e da função anterior ao trauma serão alcançados com sucesso.

 


Keywords


Traumatismos faciais; Traumatismos Maxilofaciais; Suturas; Cicatrização de Feridas.

References


Hogg NJ, Stewart TC, Armstrong J, et al. Epidemiology of maxillofacial injuries at trauma hospitals in Ontario, Canada, between 1992 and 1997. J Trauma. 2000;49:425–32. DOI: 10.1097/00005373-200009000-00007

Exadaktylos AK, Eggensperger NM, Eggli S, et al. Sports related maxillofacial injuries: the first maxillofacial trauma database in Switzerland. Br J Sports Med. 2004;38:750–3 DOI: 10.1136/bjsm.2003.008581

Singh V, et al. The maxillofacial injuries: A study. National Journal of Maxillofacial Surgery, 2012; 3: 166-171. DOI: 10.4103/0975-5950.111372

Prashanth NT, Raghuveer HP, Kumar RD, Shobha ES, Rangan V, Hullale B. Post-traumatic stress disorder in facial injuries: A comparative study. J Contemp Dent Pract. 2015;16(2):118–25.

Truong TA. Initial Assessment and Evaluation of Traumatic Facial Injuries. Seminars in Plastic Surgery. 2017; 31(2): 69-72. DOI: 10.1055/s-0037-1601370

Braun TL, Maricevich RS. Soft Tissue Management in Facial Trauma. Seminars in Plastic Surgery. 2017; 31(2): 73-79. DOI: 10.1055/s-0037-1601381

Waseem et al.: Is there a relationship between wound infections and laceration closure times? International Journal of Emergency Medicine. 2012 5:32.

Vieira, Cl; Araujo, DCC; Ribeiro, MLS, Laureano Filho, JR. Lesão de tecido mole em pacientes vítimas de trauma buco-maxilo-facial. Rev. cir. traumatol. buco-maxilo-facial. 2013,13(1)97-104.

DeBoard RH: Principles of basic wound evaluation and management in the emergency department. Emerg Med Clin North Am. 2007, 25(1):23–39. DOI: 10.1016/j.emc.2006.12.001

Otterness, K., Thode, H. C., & Singer, A. J. (2019). Methods of laceration closure in the ED: A national perspective. The American Journal of Emergency Medicine, 158365. doi:10.1016/j.ajem.2019.158365

Queirós P, Santos E, Apostolo J, Cardoso D, Cunha M, Rodrigues MA. (2014). The effectiveness of cleansing solutions for wound treatment: A systematic review. The JBI Database of Systematic Reviews and Implementation Reports, 12(10), 121-151. doi: 10.11124/jbisrir-2014-1746

Achar S; Kundu S. Principles of office anesthesia: part I. Infiltrative anesthesia. Am Fam Physician.2002. 66(1)91-94.

Bar-Meir E. et al. Nitrous Oxide Administered by the Plastic Surgeon for Repair of Facial Lacerations in Children in the Emergency Room. Plast Reconstr Surg. 2005. 117.(5)1571-1575 DOI: 10.1097/01.prs.0000206298.71083.df

Singer AJ et al. Single-layer versus double-layer closure of facial lacerations: a randomized controlled trial. Plast Reconstr Surg.2005.116(2)369-370. DOI: 10.1097/01.prs.0000172758.00088.81

Patel KG, Sykes JM. Management of soft-tissue trauma to the face. Operative Techniques in Otolaryngology - Head and Neck Surgery 2008;19(2):90–97

Dantas, RF et al. Lesão de tecidos moles causada por arma branca–Revisão de literatura. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo.2017;25(1)40-46. https://doi.org/10.26843/ro_unicid.v25i1.317.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-107

Refbacks

  • There are currently no refbacks.