Reflexões sobre a educação em saúde como um processo emancipatório / Reflections on health education as an emancipatory process

Rosane Teresinha Fontana, Fabíola Rigo Flores, Katryn Corrêa da Silva, Larissa Scheeren Thomas, Luize Garcia Pires, Neuri Gilnei de Oliveira, Silvia dos Reis Feller

Abstract


Trata-se de uma revisão narrativa, cujo objetivo é refletir sobre a educação em saúde como um processo emancipatório e apontar algumas sugestões que a favorece. Refletindo sobre o paradigma da condução desta atividade, tem o intuito de contribuir com professores, estudantes e profissionais da saúde, para a atenção quanto a importância de desenvolver essa prática com foco na autonomia e no protagonismo dos indivíduos, como elementos emancipatórios para a cogestão de sua própria saúde.


Keywords


Educação. Saúde. Comunidade

References


AGUIAR, A.C.L. Blog como ferramenta educacional: contribuições para o processo interdisciplinar de educação em saúde. Reciis – Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde, v.12, n.2, p. 220-3, 2018.http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v12i2.1301

BRASIL. Sistema Único de Saúde. Educação em Saúde, 2006. Disponível em: . Acesso em 20 mai 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília, 2009.

BRANDÃO, C.R. Círculo de Cultura. In: STRECK, R.D.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J.J. (orgs). Dicionário Paulo Freire. 2. ed., Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

BRUNO, J. et al. Concepções e práticas de educação em saúde na estratégia saúde da família. Atas - Investigação Qualitativa em Saúde, v. 2, 2018.

FONTANA, R.T. Educação e saúde para além do hegemônico. Contexto & Educação, ano 33. n.106, 2018.

FONTANA, R.T., BRUM, Z.P., SANTOS, A.V. Health education as a strategy for healthy sexuality. Rev. pesqui. cuid. fundam, v.5, n.4, p.529-36, 2013.

FRAZÃO, C. M. F. Q. et al. Componentes do modelo teórico de Roy em pacientes submetidos à hemodiálise. Rev Gaúcha Enferm, v. 34, n.4, p. 45-52, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 18 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FUJITA, J.A.L.M. Uso da metodologia da problematização com o Arco de Maguerez no ensino sobre brinquedo terapêutico. Revista Portuguesa de Educação, v. 29, n. 1, p. 229-258, 2016.

GOHN, M. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n. 50, p. 27-38, 2006.

HENRIQUES, L.F.C; TORRES, M.M. Potencialidades do Círculo de Cultura na Educação Popular.In: ASSUMPÇÃO, R.(Org). Educação popular na perspectiva Freiriana. 3ª Serie Educação Popular. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

LIMA, G.C.B.B. Educação em saúde e dispositivos metodológicos aplicados na assistência ao Diabetes Mellitus Saúde debate, v. 43, n.120, 2019.

MACHADO, A.G.M.; WANDERLE, L.C.S.. Educação em Saúde. UNIFESP/UNASUS. Disponívelem: Acesso em 20 mai de 2017.

MANCIA, J. R. et al. Educação permanente no contexto da enfermagem e na saúde. Rev Bras Enferm, v. 57, n.5, p. 605-610, 2004.

MARUXO, H. B. et al. Webquest e história em quadrinhos na formação de recursos humanos em Enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 49, especial 2, p. 68-74, 2015.

MOROSINI, M.V.; FONSECA, A.F.; PEREIRA, I.B. Educação em saúde. Dicionário de educação profissional em saúde, 2009. Disponível em:http://www.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/edusau.html Acesso em 2 mai 2017.

ROTHER, E.T. Revisão sistemática x Revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem; v. 20, n.2, p 5-6, 2007.

SAMPAIO, J. et al. Limits and potentialities of the circles of conversation: analysis of an experience with young people in the backcountry of Pernambuco, Brazil. Interface, v.18, Supl 2, p.1299-1312, 2014

STREHLOW, B.R. et al. Percepção dos usuários sobre os grupos de educação em saúde do PET vigilância em saúde. J.res.:fundamental care, v.8, n.2, p.4243-54, 2016.

THOMAS, L.S.; FONTANA, R.T. O instagram como ferramenta para educação em saúde. 6º Congresso Internacional em Saúde, [S.l.], n. 6, maio 2019. Disponível em. Acesso em: 16 ago. 2019.

VIEIRA, V. et al. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciência e Cultura, n. 4, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-096

Refbacks

  • There are currently no refbacks.