Efeito in vitro do extrato de Tucumã (astrocaryum aculeatum) em células mononucleares de sangue periférico / Effect on the glass of Tucuman extract (astrocaryum aculeatum) on peripheral blood mononuclear cells

Felipe Ongaratto, Beatriz da Silva Rosa Bonadiman, Filomena Marafon, Greicy Cristine Kosvoski, Claudio do Carmo Chaves, Claudia Maria Chaves, Ivana Beatrice Mânica da Cruz, Margarete Dulce Bagatini

Abstract


O tucumã (Astrocaryum aculeatum) fruto nativo da Amazônia Brasileira, vem sendo estudado por apresentar uma série de compostos bioativos, como, vitamina A,ômega 3, 6 e 9, carotenoides, catequinas e quercetina que trariam benefícios para saúde humana. Estudos prévios demonstraram a capacidade antitumoral, anti-hiperglicêmica, antinflamatória e antimicrobiana desse fruto. Porém, ainda são poucas as informações sobre a atividade do tucumã. Dessa forma, o objetivo dessa pesquisa foi verificar o efeito do extrato etanólico de tucumã nas células mononucleares de sangue humano. Para o desenvolvimento desse trabalho as células mononucleares de sangue humano foram coletadas de voluntários saudáveis e separadas por gradiente de densidade. O cultivo foi realizado com meio RPMI com 10% de soro fetal bovino e 1% de antifúngico e antibiótico. As células foram mantidas em estufa com controle de temperatura e umidade. Após duas horas de adaptação a placa, as células foram tratadas com diferentes concentrações do extrato de tucumã (5, 10, 50, 100 e 500 mg/mL) por 24 horas e realizados os testes de viabilidade celular (MTT). Para as análises de inflamação realizamos a técnica de mieloperoxidase e estresse oxidativo, como: óxido nítrico, substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBARS), tióis não proteicos (NPSH) e tióis proteicos (PSH) foram utilizadas as concentrações de (10, 50, 100ug/mL). Os dados foram expressos como porcentagem do grupo controle e analisados estatisticamente com análise unidirecional de variância, seguida do teste post hoc de Tukey, utilizando o software Graphpad Prism versão 5.0 (Graphpad Prism Software Company, 2014). Resultados com p≤0,05 foram considerados estatisticamente significativos. Os resultados desse estudo demonstraram que todas as concentrações do extrato de tucumã foram capazes de melhorar a viabilidade celular, estimulando a proliferação das células (p<0.0001). Nos testes nos marcadores avaliados mieloperoxidase, óxido nítrico e tióis não proteicos, foi possível observar que o extrato de tucumã não causou danos oxidativos quando comparado com o controle, quando analisados os testes TBARS (p < 0.0144) (Fig. 2c) e tios proteicos (p< 0.0010) foi possível observar que o extrato reduziu os danos oxidativos quando comparado com o controle, apresentando efeito benéfico sobre as células. Sendo assim, os resultados encontrados demonstram que o tucumã, fruto nativo da Amazônia Brasileira, melhora reduz o estresse oxidativo em células saudáveis, bem como aumenta a viabilidade celular, sugerindo que o tucumã apresenta em sua matriz química substâncias que podem ser investigadas como alvo terapêutico de doenças crônicas que tem como base o acumulo de radicais livres.


Keywords


Tratamento, Tucumã, Cultivo celular.

References


HALLIWELL, B.; WHITEMAN, M. Measuring reactive species and oxidative damage in vivo and in cell culture: how should you do it and what do the results mean? British Journal Pharmacology. v. 142, n. 2, p. 231-255, 2004.

BUENO, D. C. Toxicidade De Organocalcogênios E Seus Mecanismos Através Da Expressão Gênica Em Leucócitos Humanos. Dissertação (Programa de pós-graduação em B-ioquímica toxicológica). Universidade Federal de Santa Maria. 2015.

FINKEL, T.; HOLBROOK, N. J. Oxidants, oxidative stress and the biology of ageing. Nature, v. 408, n. 6809, p. 239-247, 2000.

ICHIISHI, E.; LI, X. K.; IORIO, E.L. Oxidative Stress and Diseases: Clinical Trials and Approaches. Oxid. Med. Cell. Longev. v.2016, n. 3458276, 2016

BONY, E., et al. Awara (Astrocaryum vulgare M.) pulp oil: chemical characterization, and anti-inflammatory properties in a mice model of endotoxic shock and a rat model of pulmonary inflammation. Fitoterapia. v. 81, n. 1, p. 33-43, 2012.

MAIA, G.C.H.M., et al. Effects of Astrocaryum aculeatum Meyer (Tucumã) on Diet-Induced Dyslipidemic Rats. J Nutr Metab. v. 2014, p. 1-9, 2014.

MATOS KAN, et al. Peels of tucumã (Astrocaryum vulgare) and peach palm (Bactrisgasipaes) are by-products classified as very high carotenoid sources. Food Chem. v. 272, p. 216-221, 2019.

Souza Filho OC, Sagrillo MR, Garcia LF, Machado AK, Cadoná FC, Ribeiro EE, et al (2013) The In Vitro Genotoxic Effect of Tucuma (Astrocaryum aculeatum), an Amazonian Fruit Rich in Carotenoids. Journal of Medicinal Food 16, 1013-1021. https://doi.org/10.1089/jmf.2012.0287

Cabral FL, Bernardes VM, Passos DF, Oliveira JS, Doleski PH, Silveira KL, et al (2020) Astrocaryum aculeatum fruit improves inflammation and redox balance in phytohemagglutinin-stimulated macrophages. Journal of Ethnopharmacology 247, 112274. https://doi.org/10.1016/j.jep.2019.112274

Metcalf AJ, Gallin W, Nauseef M, Root RL. (1986) Myeloperoxidase functional assays: In laboratory manual of neutrophil function. Raven Press p 150-151.

Choi CW, Kim SC, Hwang SS, Choi BK, Ahn HJ, Lee MY et al (2002) Antioxidant activity and free radical scavenging capacity between Korean medicinal plants and flavonoids by assay-guided comparison. Plant Sci 163, 1161- 1168. https://doi.org/10.1016/S0168-9452(02)00332-1

Jentzsch AM, Bachann H, Furst P, Biesalski HK (1996) Improved analysis human of malondialdehyde in body fluids. Free Radical Biology & Medicine 20, 251-256. https://doi.org/10.1016/0891-5849(95)02043-8

BALDISSERA, M.D., et al. Treatment with tucumã oil (Astrocaryum vulgare) for diabetic mice prevents changes in seric enzymes of the purinergic system: Improvement of immune system. Biomed Pharmacother. v. 94, p. 374-379, 2017.

Sagrillo ML, Garcia LFM, Souza-Filho OC, Duarte MMMF, Ribeiro ES, Cadoná FC, et al (2015) Tucumã fruit extracts (Astrocaryum aculeatum Meyer) decrease cytotoxic effects of hydrogen peroxide on human lymphocytes. Food Chemistry 173, 741-748. https://doi.org/10.1016/j.foodchem.2014.10.067

CARNEIRO, A.B.A., et al. Effect of Astrocaryum aculeatum (tucumã) on doxorubicin toxicity: in vivo experimental model. Acta paul. enferm. v.30, n.3, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-087

Refbacks

  • There are currently no refbacks.