Uma análise do modelo de negócios de empresa de econômia compartilhada / A business model analysis of a shared economy company

Beatriz Yumi Ota, Mary Fernanda de Sousa de Melo, Roberta de Castro Souza Pião

Resumo


A economia compartilhada refere-se à reutilização de produtos, proporcionado pelas conexões peer-to-peer, que eliminam intermediários e redesenham modelos de negócios da economia tradicional. Há evidências de que as empresas da economia compartilhada têm um modelo de negócios diferente daquele das empresas que atuam na economia tradicional. Mas, qual seria o modelo de negócios de uma empresa da economia compartilhada sob a perspectiva dos empreendedores? Neste sentido este artigo tem como objetivo analisar o modelo de negócios da economia compartilhada sob a perspectiva dos empreendedores. Foi feita uma revisão bibliográfica sobre a literatura de economia compartilhada e modelo de negócios, e entrevistas com três empresas da economia compartilhada na cidade de SP.  Os resultados indicam que em relação à proposta de valor que apenas uma das empresas apontou a redução de custos como foco da atuação da empresa. Segundo a perspectiva dos consumidores, uma das principais vantagens da economia compartilhada refere-se à redução de custos. Assim, o que se pode concluir é que, em termos de modelo de negócios, essa questão não é tão direta.


Palavras-chave


valor, modelo de negócios, colaboração.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTOUN, H; PECINI, A. A WEB E A PARCERIA : projetos colaborativos e o problema da mediação na internet. 2006.

BADEN-FULLER, C.; MORGAN, M. S. Business models as models. Long Range Planning, v. 43, n. 2–3, p. 156–171, 2010.

BARNEY, J. Firm Resources and Sustained Competitive Advantage.. Journal of Management, 1991.

BÖCKMANN, M. The Shared Economy: It is time to start caring about sharing; value creating factors in the shared economy. 1st IBA Bachelor Thesis Conference, 2013.

CALIXTO, C. V.; FLEURY. Clashing with institutions in China and Brazil: Ubers's disruptive Business Model. 2017.

CALIXTO, C. V.; FLEURY, Revista Eletrônica de Negócios M. T. L. Business model : Desvendando o construto. Internacionais, v. 10, n. 2, p. 18–30, 2015.

CHESBROUGH, H.; ROSENBLOOM, R. S. The role of the business model in capturing value from innovation: evidence from Xerox Corporation’s technology spin‐off companies. Industrial and corporate change, v. 11, n. 3, p. 529–555, 2002.

CUSUMANO, M. A. How traditional firms must compete in the sharing economy. Communications of the ACM, v. 58, n. 1, p. 32–34, 2015.

ECKHARDT, G. M; BARDHI, F. The sharing economy isn’t about sharing at all. Harvard Business Review, 2015.

FONSECA, M. Afinal, porque tantos negócios copiam o modelo do Uber? . Exame. Disponível em , 2016.

GANSKY, L. The mesh: Why the future of business is sharing. New York: Portfolio

Penguin, 2010.

GIRARD, A. ECONOMIA COMPARTILHADA: um estudo de caso em uma startup de compartilhamento de veículos. 2016

GRUPO BANCO MUNDIAL. Dividendos digitais. 2016

LIEBERMAN, M. Pwc-Consumer-Intelligence-Series-the-Sharing-Economy. PWC Consumer Intelligence Series: The Sharing Economy, p. 30, 2015.

LUC, Z.; GRAMPP, M. The sharing economy : Share and make money How does Switzerland compare ? Deloi, p. 1–16, 2015.

MAGRETTA, J. Why Business “ B Models Matter. p. 3–8, [s.d.].

MILES, M. B.; HUBERMAN, M. Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. California: Sage, 1994.

MORRIS, M.; SCHINDEHUTTE, M.; ALLEN, J. The entrepreneur ’ s business model : toward a unified perspective. v. 58, p. 726–735, 2005.

OSTERWALDER, A.; PIGNEUR, Y. Business Model Generation. 1st editio ed. [s.l.] John Wiley & Sons, Inc., Hoboken, New Jersey, 2010.

SCHOR, J. Debating the Sharing Economy. 2014.

TEECE, D. J. Business Models , Business Strategy and Innovation. Long Range Planning, v. 43, n. 2–3, p. 172–194, 2010.

VILLANOVA, A. L. I. Modelos de negócio na economia comartilhada: uma investigação multi-caso. 2015.

ZOTT, C. et al. Journal of Management. n. May, 2011.

ZOTT, C.; AMIT, R. Business model design: an activity system perspective. Long range planning, v. 43, n. 2, p. 216–226, 2010.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.