As organizações e a lógica da sustentabilidade: Uma oportunidade para o processo de comunicação integrada e o desenvolvimento sustentável / Organizations and the logic of sustainability: An opportunity for the integrated communication process and sustainable development

Cláudio Paula de Carvalho

Resumo


As organizações e o processo de desenvolvimento sustentável devem se ajustar ante as necessidades e as respectivas mudanças existentes a partir dos processos globais de industrialização e, também, os ajustes necessários ante aos diversos públicos de relacionamento e as partes interessadas (stakeholders). Os processos de comunicação integrada, sistemas de gestão e de responsabilidade social são instrumentos e ferramentas de gestão que devem ser levados de forma significativa ao pensamento estratégico das organizações assim como no processo de construção e/ou na consolidação do processo de governança corporativa e percepção de riscos, desdobrando em um significado ainda maior no que diz respeito à gestão das organizações, na reputação e na credibilidade construída diante da intensificação dos meios de comunicação e adequação quanto ao uso dos recursos naturais no processo industrial e nos negócios e as ações junto aos diversos públicos e partes interessadas.


Palavras-chave


Desenvolvimento Sustentável, Comunicação Integrada, Percepção de Risco, Partes Interessadas.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, Nilton Marlúcio de. A sustentabilidade como um novo posicionamento na estratégia de comunicação das empresas brasileiras. 2008. 139f. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Gestão) – Laboratório de Tecnologia, Gestão de Negócios e Meio Ambiente, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2008.

ALMEIDA, Luciana Togeiro de. Política Ambiental – Uma Análise Econômica. 1ª. Ed. São Paulo: Papirus/ Editora UNESP, 1998.

AZEVEDO, M. T. de.Publicidade cidadã: como comunicar responsabilidade social empresarial.In: INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPOSABILIDADE SOCIAL. Responsabilidade social das empresas. Vol. III. São Paulo: Ed. Peirópolis, 2004, p.333-384.

BARBOSA, Lívia. Cultura e Empresas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2002.

CAPRA, F. As conexões ocultas: ciência para uma vida sustentável.Tradução: Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Cultrix, 2005.

CARVALHO, Cláudio Paula de. Processos de Comunicação de Crise, Percepção de Risco e Governança Corporativa: As Vertentes de Sustentabilidade das Organizações. 2008. 192f. Dissertação (Mestrado em Sistemas em Gestão) – Laboratório de Tecnologia, Gestão de Negócios e Meio Ambiente, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2008. Disponível em: http://www.bdtd.ndc.uff.br/tde_arquivos/14/TDE-2010-03-10T113054Z-2395/Publico/Dissertacao%20Claudio%20Carvalho.pdf

ECCLES, Robert G.; NEWQUIST, Scott C.; SCHATZ, Roland. Reputation and Its Risks. Harvard Business Review, www.hbr.org, Reprint R0702F, Fev.2007.

FIGUEIREDO, R.; NASSAR, P. O que é comunicação empresarial.São Paulo: Brasiliense, 1995.

FLEURY, Maria Tereza Leme; FISCHER, Rosa Maria (coordenadoras). Cultura e Poder nas Organizações. 2ª Ed. São Paulo: EditoraAtlas, 1996.

FROMM, Erich. Psicanálise da Sociedade Contemporânea. Tradução: L.A. Bahia e Giasone Rebuá. 9ª. Ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

HUMBERG, M. E.Ética na política e na empresa: 12 Anos de Reflexão.São Paulo: CLA Cultural, 2002.

KRAEMER, Maria Elisabeth Pereira. Gestão Ambiental: Um Enfoque no Desenvolvimento Sustentável. Out. 2004. Disponível em: www.gestiopolis.com. Acesso em 17-07-2008 – 11h.

KUNSCH, Margarida Maria Krohling (organizadora). Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. Novas Buscas em Comunicação. Vol.17.4ª. Ed. São Paulo: Summus Editorial, 2003.

MAHONEY, W. F. Manual do RI: princípios e melhores práticas de relações com investidores.Rio de Janeiro: IMF, 2007.

MESTIERI, C. E. Relações públicas: arte de harmonizar expectativas.São Paulo: Aberje, 2004. (Coleção Grandes Nomes).

NASSAR, Paulo (organizador). Memória da Empresa – História e Comunicação de Mãos Dadas, a construir o futuro das organizações. São Paulo: Aberje Editorial, 2004.

NETO, Francisco Paulo de Melo; BRENNAND, Jorgiana Melo. Empresas Socialmente Responsáveis. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.

_______.; FRÓES, Celso. Gestão da Responsabilidade Social Corporativa: O Caso Brasileiro – da filosofia tradicional à filantropia de alto rendimento e ao empreendedorismo social. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.

NEVES, R. C. Comunicação Empresarial Integrada: como gerenciar imagem, questões públicas, comunicação simbólica, crises empresariais. Rio de Janeiro: Mauad Editora, 2000.

PORTER, Michael E.; KRAMER, Mark R. Strategy and Society. Harvard Business Review, www.hbr.org, Reprint R0612D, Dez.2006.

RODRIGUEZ, M. V. R. y. Gestão empresarial: organizações que aprendem.Rio de Janeiro: Qualitymark: Petrobras, 2002.

STRUNCK, Gilberto Luiz Teixeira Leite. Como Criar Identidades Visuais para as Marcas de Sucesso: um guia sobre o marketing das marcas e como representar graficamente seus valores. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: Rio Books, 2003.

VIANA, Francisco. Reputação: a imagem para além da imagem. Coleção Cadernos ABERJE. São Paulo, v. 1, outubro 2006.

VINHA, Valéria da. As Empresas e o Desenvolvimento Sustentável: da Eco-eficiência à Responsabilidade Social Corporativa. In: MAY, Peter H.; LUSTOSA; Maria Cecília; VINHA, Valéria da (organizadores). Economia do Meio Ambiente – Teoria e Prática. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003, pp. 173-195.

TAKEUCHI, Hirotaka; NONAKA, Ikujiro. Gestão do Conhecimento. Tradução: Ana Thorell. Porto Alegre: Bookman, 200tural. Academy of Management, 5(2), 34–47.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.