Tomada de Decisão nas Forças Armadas: um estudo na Marinha do Brasil / Decision Making in the Armed Forces: A Study in the Brazilian Navy

Romero de Albuquerque Maranhão, Raphael dos Ramos Maranhão

Resumo


Os gestores, inclusive os militares, passaram a decidir em uma atmosfera onde há inúmeras variáveis, alto nível de incerteza, elevado risco e uma crescente necessidade de agir rapidamente para aproveitar oportunidades e, consequentemente, evitar potenciais ameaças e perdas. No âmbito das Organizações Militares dirigidas por Oficiais do Corpo de Intendência a escassez de recursos orçamentários é um desafio premente, e que requer dos gestores decisões acertadas e rápidas, muitas vezes não descritas nas publicações ou normas. Este estudo se caracteriza como exploratório, uma vez que tem como objetivo compreender um dado fenômeno, o uso da intuição nos processos de tomada de decisão. Como técnica principal de coleta de dados, utilizou-se um roteiro para entrevistas. As entrevistas foram realizadas com Oficiais em cargo de direção ou que já dirigiram Organizações Militares que possuem o propósito de contribuir para a prontidão dos meios navais, aeronavais e de fuzileiros navais. A seleção dos entrevistados foi feita por conveniência, com base no julgamento dos pesquisadores. Os resultados obtidos indicam a intuição como primordial para o processo decisório, sendo esta frequentemente utilizada pelos Oficiais em cargo de direção. Além disso, conclui-se que a intuição é fruto do refinamento das experiências pessoais e profissionais dos militares, e que deve ser utilizada em complementação ao processo racional de decisão, pois diferentemente do que alguns acreditam, não é contrária à razão.


Palavras-chave


Os gestores, inclusive os militares, passaram a decidir em uma atmosfera onde há inúmeras variáveis, alto nível de incerteza, elevado risco e uma crescente necessidade de agir rapidamente para aproveitar oportunidades e, consequentemente, evitar potenciai

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRIOTTI, F. K.; FREITAS, H. M. R.; MARTENS, C. P.; BOISSIN, J. P. O Processo de Tomada de Decisão Instantânea e a Intuição. Anais ... XXXVI Encontro da ANPAD, 2012. Disponível em: . Acesso em 15mar2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BAZERMAN, M. H.; MOORE, D. Processo decisório. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

BRASIL. Estado-Maior da Armada. EMA-332: Estudo de Estado-Maior. Brasília, 2015.

CAMPOS, F. D. S. P., de Albuquerque MARANHÃO, R., TEIXEIRA, C. E.; STORI, N. Proposta de Avaliação dos Sistemas de Gestão de Resíduos de Serviços de Saúde em organizações hospitalares da Administração Pública. Revista ESPACIOS| Vol. 37 (Nº 21) Año 2016.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; DA SILVA, R. Metodologia científica. 6ª ed. Editora Pearson Prentice Hall, 2007.

CHIAVENATO, I. Administração. Elsevier Brasil, 2007.

CORNÉLIO, R. R. A formulação da decisão no nível estratégico de uma organização pública: um estudo sobre o processo decisório na SMS-RJ. Dissertação. Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, 131 f, 1999.

DE OLIVEIRA, S. R. M.; SIMONETTI, V. M. M. Intuição e percepção no processo decisório de microempresa. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 4, n. 1, p. 52-66, 2010.

DE SOUZA FREITAS, W. R.; MARANHÃO, R. A.; KNIESS, C. T.; TEIXEIRA, C. E. Gestores Ambientais de Organizações Públicas: Uma Análise das Competências Sob a Ótica Acadêmica. Revista de Gestão e Secretariado, v. 8, n. 1, p. 101-118, 2017.

DE SOUZA PRADO, R.; AYALA, L. S.; PEDROSO, M. C. Tomada de decisão estratégica para empreendedores: uma aplicação da abordagem effectuation. Brazilian Journal of Business, v. 2, n. 4, p. 3355-3381, 2020.

EISENHARDT, K. Making fast strategic decisions in high-velocity environments. Academy of Management Journal, v. 32, n. 3, p. 543-576, 1989.

EISENHARDT, K.; ZBACKARI, M. J. Strategic decision making. Strategic Management Journal, v. 13, p. 17-37, 1992.

FEFER, P. A intuição e a racionalidade nos processos decisórios: A contribuição da intuição na tomada de decisão dos comandantes de navio da Marinha do Brasil. Monografia – Escola de Guerra Naval. 27 f, 2018. Não publicada.

GOMES, L. F. A. M.; GOMES, C. F. S.; ALMEIDA, A. T. Tomada de decisão gerencial: um enfoque multicritério. São Paulo: Atlas, 2006.

KAHNEMAN, D. Maps of bounded rationality: A perspective on intuitive judgment and choice. Nobel prize lecture, v. 8, p.351-401, 2002.

KLEIN, G. Fontes do Poder: o modo como as pessoas tomam decisões. Lisboa: Instituto Piaget, 1998.

LEHRER, J. How we decide. New York: HMH, 2009.

LEIRIA, I. R. R.; ALVES, T. W. Rationality in decision-making: the effect of economic scenarios on voters’ decisions. Brazilian Journal of Business, v. 2, n. 1, p. 113-136, 2020.

MARANHÃO, R. A. Desenvolvimento de capacidades dinâmicas a partir de sistemas de gestão ambiental: um estudo em organizações militares da Marinha do Brasil. Tese de Doutorado em Administração. UNINOVE, 2016.

MARANHÃO, R. A.; SOUZA, M. T. S.; TEIXEIRA, C. E. Gestão de resíduos de serviço de saúde em organização militar: um estudo de caso na Marinha do Brasil. RAHIS-Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, v. 12, n. 2, 2015.

MARANHÃO, R. A.; STORI, N. Gestão de resíduos de serviço de saúde: um estudo de caso na construção do estaleiro e base naval da marinha em Itaguaí. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 10, p. 21834-21846, 2019.

MARANHÃO, R. A.; TEIXEIRA, C. E. Capacidades dinâmicas e sistema de gestão ambiental em organização militar da marinha do Brasil. Revista Ibero Americana de Estratégia, v. 14, n. 2, p. 121-136, 2015.

MAY, T. Pesquisa social: questões, métodos técnicas. Trad. Carlos Alberto Silveira N. Soares. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MINGERS, J. The paucity of multi-method research: a review of the information systems literature. Information Systems Journal, 13, 233-249, 2003.

OSHO. Intuição: um saber além da lógica. São Paulo: Cultrix, 2006.

PARIKH, J. Intuition: the new frontier of management. Cambridge: Blackwell Publishers, 1994.

PROGRAMA NETUNO. Plano de Melhoria da Gestão. 2019. Disponível em: http://netuno.dadm.mb/?q= sobre. Acesso em 11ago2019.

RASKIN, S. F. Tomada de decisão e aprendizagem organizacional. In: Bate Byte 135, Publicação da CELEPAR, n. 135 – Setembro, 2003. Disponível em http://www.pr.gov.br/batebyte /edicoes/2003 /bb135/toma da.shtml. Acesso em: 23 mai. 2019.

ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2000.

SADLER-SMITH, E. Inside Intuition. New York: Routledge, 2007.

SCHOEMAKER, P. J. H. Strategic decisions in organizations: rational and Behavioural views. Journal of Management Studies, v. 30, n. 1, p. 107-129, 1993.

SIMON, H. A Behavioral model of rational choice. Quartely Journal of Economics, vol. 69, no. 1, fevereiro, pp. 99-118, 1955.

_____________. Comportamento Administrativo: Estudo dos Processos Decisórios nas Organizações Administrativas. Rio de Janeiro: Aliança para o Progresso, 311p, 1965.

_____________. Rationality in Psychology and Economics. The Journal of Business, v.59, n.4, Out, p. 209 – 224, 1986.

_____________. Making Management Decisions: the Role of Intuition and Emotion. Academy of Management Executive, v. 1, n. 1, Fevereiro, p. 57-64, 1987.

TEODÓSIO, A. S.; SILVA, E. E.; RODRIGUES, F. R. G. Discutindo o processo decisório: a contribuição dos principais modelos de análise. 2007. Disponível em: http://www.mettodo.com.br/ pdf/Discutindo%20o%20 Processo %20Decisorio.pdf. Acesso em 26mar2019.

VERGARA, S. Razão e intuição na tomada de decisão: uma abordagem exploratória. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, p. 120-38, jul./set, 1991.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv3n4-032

Apontamentos

  • Não há apontamentos.