Desenvolvimento da proposta de valor para um produto funcional: o caso do salgante / Development of the value proposition for a functional product: the salgante case

Antonio Sabre Nasser Filho, Marcelo Caldeira Pedroso

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar o lançamento do Bio Salgante, produto desenvolvido por empresa nascente, sem a presença de sódio em sua formulação, com a finalidade de substituir parcialmente o sal de cozinha. O consumo em excesso de sódio, principal componente do sal, está relacionado com a hipertensão arterial, que acomete mais de 20% da população brasileira. Lançado o produto, o problema observado foi sua pouca adoção, resultando em vendas abaixo do orçamento. Foi analisada a experiência vivida pela empresa, e o trabalho seguiu as diretrizes do método de pesquisa profissional, estruturado em um estudo de caso, buscando nas teorias da administração os referenciais teóricos relacionados, quais foram: (1) proposta de valor e (2) modelo de negócios. Os achados foram analisados sob o enfoque teórico, e a recomendação para a empresa foi a de relacionar a estratégia mercadológica para o salgante, assim como o adoçante o faz para o açúcar, e utilizar-se de canais competentes para gerar credibilidade ao produto. Foram verificadas oportunidades nos aspectos de comunicação, disponibilidade em pontos de vendas e cocriação de valor. Dentre as limitações do trabalho, aponta-se a dificuldade em priorizar os atributos de valor; o viés do conhecimento específico, percebido nas entrevistas com profissionais de saúde; e, a impossibilidade de realização da pesquisa com os demais stakeholders. Espera-se que este trabalho possa contribuir para nortear o lançamento de produtos em novos mercados, notadamente no segmento de alimentos funcionais e outros com características de negócio similares.


Palavras-chave


inovação, proposta de valor, empreendedorismo, empresa nascente.

Texto completo:

PDF

Referências


ABIA (2013). Cenário do consumo de sódio pelo Brasil. Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação. Estudo elaborado com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 27/07/2016.

ANVISA (2012a). Excesso de sal pode causar doenças cardiovasculares. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Ministério da Saúde. Disponível em: . Acesso em: 20/04/2014.

ANVISA (2012b). Brasil reduz teor de sódio em alimentos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Ministério da Saúde. Disponível em: . Acesso em: 08/04/2014.

Arai, S. (1996). Studies on functional foods in Japan – State of the art. Bioscience, Biotechnology, and Biochemistry. Taylor & Francis, 60(1): 9-15.

Biancolino, C. A., Kniess, C. T., , Maccari, E. M., & Rabechini Jr., R. (2012). Protocolo para elaboração de relatos de produção técnica. Revista de Gestão e Projetos, 3(2): 294-307.

Corbin, J., & Strauss, A. (2015) Basics of qualitative research: Techniques and procedures for developing grounded theory. 3rd ed.. Thousand Oaks, CA: Sage.

Coresh, J., Selvin, E., Stevens, L.A., Manzi, J., Kusek, J.W., Eggers, P., Van Lente, F., & Levey, A.S. (2007). Prevalence of chronic kidney disease in the United States. The Journal of the American Medical Association, 298(17): 2038-2047.

Cook, A. G. (2006). Forecasting for the pharmaceutical industry: Models for new products and in-market forecasting and how to use them. Burlington, VT: Gower Publishing Company.

Creswell, J.W. (2009). Research design: Qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. 3rd ed. Los Angeles, CA: Sage Publications.

De La Pena, C. (2010). Artificial sweetener as a historical window to culturally situated health. Annals of the New York Academy of Sciences, 1190: 159-165.

Gil, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Glaser, B. G., & Strauss, A. (1967). The discovery of grounded theory. New York: Aldine Publishing.

Hardy, G. (2000). Nutraceuticals and functional foods: Introduction and meaning. Nutrition, 16(7): 688-697,

IBGE. Síntese de indicadores sociais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. Disponível em: . Acesso em: 12/05/2014.

Kim, C., & Mauborgne, R. (2005). A estratégia do oceano azul: Como criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante. Rio de Janeiro: Campus.

Kotler, P. (2000). Administração de marketing. 10ª Ed. São Paulo: Prentice Hall.

Lanning, M., & Michaels, E. (1988). A business is a value delivery system. Mc Kinsey Staff Paper, 41: 13-14.

Lusch, R. F., & Vargo, S. L. (2006). Service-dominant logic: reactions, reflections and refinements. Marketing Theory, 6(3): 281−288.

Martins, G. A., & Teóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2a. Ed. São Paulo: Atlas.

Mattar, F. N. (1996). Pesquisa de Marketing. Edição Compacta. São Paulo: Atlas.

Matzler, K., Bailom, F., Eichen, S. F. V. D., & Kohler, T. (2013). Business model innovation: Coffee triumphs for Nespresso. Journal of Business Strategy, 34(2): 30-37.

Ministério da Saúde (2012). Política Nacional em Saúde e Nutrição. Disponível em: . Acesso em: 10/04/2014.

Osterwalder, A., Pigneur, Y., Bernarda, G., Smith, A., & Papadakos, T. (2014). Value proposition design: How to create products and services customers want. Hoboken: John Wiley & Sons.

Pedroso, M. C. Modelo de negócios e suas aplicações em administração. Tese (Livre-Docência). Universidade de São Paulo. São Paulo, 2016.

Pitelis, C. N. (2009). The co-evolution of organizational value capture, value creation and sustainable advantage. Organization Studies, 30(10): 1115-1139.

Prahalad, C. K., & Ramaswamy, V. (2004). The future of competition: Co-creating unique value with customers. Boston: Harvard Business School Press.

Roberfroid, M. B. (2000). An European consensus of scientific concepts of functional foods. Nutrition, 16(7/8): 689-691.

Rodrigues, F.S.M., Yasuda, M.A., Paula, L., Musial, D.C., Bomfim, G.H.S., Tavares, J.G.P., Lima, E.P.S., Miranda-Ferreira, R., Errante, P.R., & Caricati-Neto, A. (2013). Alimento funcional salgante sem sódio sobre os níveis de pressão arterial em animais hipertensos. Revista de Pesquisa e Inovação Farmacêutica, 5(1): 9-14.

Salt Institute (2015). Editor Picks, Featured-Food, Food, Health. Disponível em: . Acesso em 03/05/2016.

Sociedade Brasileira de Hipertensão (2009). Sociedade Brasileira de Hipertensão alerta para o alto consumo de sal dos brasileiros. Disponível em: . Acesso em: 10/05/2014.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv3n4-024

Apontamentos

  • Não há apontamentos.