Uma análise estratégica sobre o mercado brasileiro de chocolates / A strategic analysis about the Brazilian chocolate market

Paschoal Federico Neto, Milton Francesconi, Marcelo Caldeira Pedroso

Resumo


Este artigo objetiva apresentar uma análise estratégica sobre o mercado brasileiro de chocolates. Para tanto, ele se propõe a analisar as seguintes questões: (i) Como a cadeia de valor do setor de chocolates pode ser modelada?; (ii) Quais são os principais pontos de geração de lucro nesta cadeia?; (iii) Qual é o posicionamento competitivo de algumas das empresas que atuam na comercialização de chocolates no Brasil? A pesquisa pode ser classificada como descritiva qualitativa. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas com altos executivos do setor, bem como pesquisa bibliográfica e documental. Como resultados, explicita uma proposta de cadeia de valor e as oportunidades de lucro no segmento, assim como propõe um mapa de posicionamento competitivo de empresas atuantes no mercado. A cadeia é representada por seis elos verticais e um horizontal. Os elos verticais abordam cinco principais atividades de agregação de valor, além do consumidor final. Esses elos são: (i) Produção agrícola do cacau; (ii) Processamento do cacau; (iii) Processamento de semiacabados; (iv) Fabricação do chocolate e derivados; (v) Canais de distribuição e venda; e (vi) Consumidor final. O elo horizontal corresponde às atividades de regulação. Os principais pontos de geração de lucro ocorrem nas vendas de: (i) Frutos in natura; (ii) Nibs triturados e torrados; (iii) Líquor, torta de cacau e manteiga de cacau, cacau em pó, chocolate industrial; (iv) Produto final e distribuição; (v) Comercialização. O posicionamento competitivo das empresas pode ser representado por quatro segmentos aqui denominados “tradicionais”, “democráticos”, “premium” e “gourmet”.


Palavras-chave


Chocolate, Cadeia de Valor, Posicionamento Competitivo.

Texto completo:

PDF

Referências


ABICAB. (2014a). Acesso em 15 de Nov. de 2014, disponível em Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados: http://www.abicab.org.br/institucional/historia-abicab/

ABICAB. (2014b). História. Acesso em 15 de Nov. de 2014, disponível em Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados: http://www.abicab.org.br/associado-chocolate-e-cacau/historia/

ABICAB. (2014c). Estatísticas. Acesso em 15 de Novembro de 2014, disponível em Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados: http://www.abicab.org.br/associado-chocolate-e-cacau/estatisticas/

ABICAB. (2014d). O Potencial do Mercado para o Chocolate. Acesso em Março de 2015, disponível em www.agricultura.gov.br/arq_editor/.../App_Potencial_30RO_Cacau.pdf

ANVISA. (22 de Set. de 2005). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária) Acesso em 14 de Dez. de 2014, disponível em Resolução RDC nº 264: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/5e63cd804745929d9afede3fbc4c6735/RDC_264_2005.pdf?MOD=AJPERES

Cacau Show. (2014). Sobre a Cacau Show. Acesso em 15 de Nov. de 2014, disponível em http://www.cacaushow.com.br/sobreacacaushow

Canal do Produtor. (2014). Acesso em 15 de Nov. de 2014, disponível em www.canaldoprodutor.com.br/comunicacao/noticias/cacau-gourmet-desponta-na-bahia

CAOBISCO. (2013). Statistical Bulletin 2013. Acesso em 15 de Dezembro de 2014, disponível em Association of Chocolate, Biscuit and Confectionary Industries of Europe: http://www.mah.se/PageFiles/55093/caobisco-statistical%20bulletin%2013.pdf

Chocolate-Academy. (2015). Acesso em 15 de Nov. de 2014, disponível em http://www.chocolate-academy.com/br/pt/academias?ac=875#detail1

Cidell, J. L., & Alberts, H. C. (2006). Constructing quality - The multinational histories of chocolate. San Bernardino - CA: Geoforum 37.

CNNPA. (1978). Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos. Acesso em 14 de Dez. de 2014, disponível em Resolução CNNPA nº 12 de 1978: http://www.anvisa.gov.br/anvisalegis/resol/12_78.pdf

CODEX. (2003). CODEX - Alimentarius. (FAO e OMS, Editor) Acesso em Dez. de 2014, disponível em International Food Standards: http://www.codexalimentarius.org/standards/list-standards/en/?no_cache=1

D'aveni, R. (2007). Mapping Your Competitive Position. Harvard Business Review, November 2007, 110-120.

Estadão. (2014). Radar Econômico. Acesso em 15 de Nov. de 2014, disponível em Economia - Estadão - Blogs: http://economia.estadao.com.br/blogs/radar-economico/o-chocolate-vai-acabar/

EUR-LEX. (2000). Acesso em junho de 2015, disponível em Access to European Union law: http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=URISERV:l21122b

Gradiesh, O., & Gilbert, T. J. (1998). Profit pools: a fresh look at strategy. Harvard Business Review, May-June 1998, 139-147.

ICCO. (2013). International Cocoa Organization. Acesso em 15 de Dez. de 2014, disponível em The World Cocoa Economy - Current Status, Challenges and Prospects: http://unctad.org/meeting/en/Presentation/SUC_MEM2014_09042014_ICCO.pdf

IDEC. (2013). Pouco Cacau. Revista do Idec, n.174(Março). Acesso em 13 de Dezembro de 2014, disponível em Revista do Idec - Instituto de Defesa do Consumidor: http://www.idec.org.br/em-acao/revista/qual-e-mais-barato/materia/pouco-cacau

Johnson, G., Scholes, K., & Whittingtion, R. (2007). Explorando a Estratégia Competitiva - Textos e Casos (7ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Kopenhagen. (2014). Missão Visão e Valores. Acesso em 15 de Nov. de 2014, disponível em http://www.kopenhagen.com.br/missao-visao-e-valores

Martins, G. d., & Theófilo, C. R. (2009). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Ministério da Agricultura. (2014). Acesso em 15 de Novembro de 2014, disponível em Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: http://www.agricultura.gov.br/camaras-setoriais-e-tematicas/informacoes-gerais

Nieburg, O. (2012). Interactive Map: Top 20 chocolate consuming nations of 2012. Acesso em Dez. de 2014, disponível em http.confectionarynews.com/Markets/Interactive-Map-Top-20-chocolate-consuming-nations-of-2012

Pedroso, M. C., & Malik, A. M. (2012). Cadeia de Valor da Saúde: Um modelo para o sistema de saúde brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, 17(10), 2575-2772.

Popov, D. (Edição 107 de 09 de 2013). As fantásticas fazendas de Chocolate. Dinheiro Rural. Acesso em 15 de Nov. de 2014, disponível em Revista Dinheiro Rural: (http://revistadinheirorural.terra.com.br/secao/agronegocios/fantasticas-fazendas-de-chocolate

Porter, M. E. (1989). Vantagem Competitiva. Rio de Janeiro: Campus.

Sato, C. C., & Pépece, O. M. (2013). Fatores motivadores do consumo de chocolates finos no Brasil. REA - Revista Eletrônica de Administração, v.12, n.2, Ed. 23 - Jul. a Dez. de 2013.

Schaubert, S., & ottfredson, M. (2008). The Breakthrough Imperative: How the Best Managers Get Outstanding Results. New York: Harper Collins.

Silva, V., & Lara, S. (2011). Requirements of the specialty chocolate global value chain - brazilian cocoa producer's entry into the market. Bogotá: Ministério da Agricultura y Desarrolo Rural - Cumunidade Andina - Pontificia Iniversidad Javeriana.

UNCTAD. (2008). United Nations. Cocoa Study Industry Structures and Competition. Fonte: United Nations Conference on Trade and Development.

Você S/A. (Nov.15 de 2014). Revista Você S/A. Fonte: EXAME - Revista Você S/A: http://exame.abril.com.br/revista-voce-sa/edicoes/189/noticias/doce-disputa

Zugaib, A. C. (2011). A agregação de valores e a busca por novos nichos no mercado de cacau. Acesso em 15 de Julho de 2015, disponível em Goethe Institute: http://www.goethe.de/ins/br/sab/ver/kao/sii/agg/ptindex.htm




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv3n4-023

Apontamentos

  • Não há apontamentos.