Calamidade Pública no Âmbito Financeiro: um estudo sobre suas origens no Estado de Minas Gerais / Public Calamity in the Financial Sphere: a study of its origins in the State of Minas Gerais

Gustavo Diogenes Gonçalves, Denilson da Mata Daher

Resumo


Os desdobramentos da crise econômico-financeira, a partir da crise internacional de 2008, e a crise fiscal brasileira, mais perceptível a partir de 2014, afetaram a gestão da administração pública nos estados e municípios da federação. O desequilíbrio das contas públicas, aliado à adoção de medidas insuficientes, conduziram os entes federados a uma conjuntura de sérias dificuldades relacionadas ao equilíbrio fiscal. Como medida, tais entes começaram a decretar o Estado de Calamidade Financeira, no intuito de flexibilizar o processo de gestão. O objetivo da pesquisa foi avaliar o contexto econômico de Minas Gerais no período de 2010 a 2017, de forma a evidenciar as possíveis motivações para a decretação de estado de calamidade. A Calamidade Financeira decretada por municípios e alguns estados é uma situação anormal no campo das finanças públicas e o principal objetivo para a sua decretação seria o de reequilibrar as finanças públicas. A metodologia de pesquisa se baseou, predominantemente, em uma abordagem qualitativa. Dessa forma, foi conduzida uma pesquisa exploratória para coleta e tratamento das informações. Tal abordagem foi direcionada para a análise de documentos governamentais do Estado de Minas Gerias referentes às finanças públicas. Os resultados apresentam alguns indicadores econômicos do estado de Minas Gerais e os motivos para emissão do decreto de calamidade financeira. Nota-se que a Receita Corrente Líquida evoluiu em um ritmo significativamente inferior, quando comparada as despesas correntes, resultando em déficits nas contas públicas. A despesa com pessoal do Poder Executivo, nos anos de 2016 e 2017, extrapolaram o limite máximo fixado na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A flexibilização proporcionada pelo Decreto 47.101/2016, garantindo permissividade à inobservância de princípios e normas basilares definidas pela LRF, acarretou em um cenário desfavorável para as contas públicas do estado.


Palavras-chave


Calamidade Financeira, Finanças Públicas, Equilíbrio Fiscal, Crise Econômico-Financeira, LRF.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente. Direito Administrativo Descomplicado. 20. ed. São Paulo: Método, 2012.

ANDRADE, Mário Cesar da Silva. Dependência financeira dos municípios brasileiros: entre o federalismo e a crise econômica. Revista Espaço Acadêmico, Rio de Janeiro, n. 185, p.71-82, out. 2016.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2018.

______. Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Lei Complementar Nº 101, de 4 de maio de 2000. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2018.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A reforma do Estado dos anos 90 lógica e mecanismos de controle. Lua Nova Revista de Cultura e Política, São Paulo, v. 45, p.49-95, jul. 1998.

______. Estado e mercado no novo desenvolvimentismo. Revista de La Cepal: Nueva Sociedad Especial em Português, Santiago de Chile, n. 92, p.156-173, ago. 2007.

______; SPINK, Peter. Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. 7. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

CARNEIRO, Claudio. Curso de Direito Tributário e Financeiro. 7 ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

CRUZ, Cláudia Ferreira da; AFONSO, Luís Eduardo. Gestão fiscal e pilares da Lei de Responsabilidade Fiscal: evidências em grandes municípios. Revista de Administração Pública, [s.l.], v. 52, n. 1, p.126-148, 2018.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 23. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

DALMONECH, Luiz Fernando; TEIXEIRA, Arilton; SANT'ANNA, José Mário Bispo. O impacto ex-post da Lei de Responsabilidade Fiscal nº101/2000 nas finanças dos estados brasileiros. Revista de Administração Pública, [s.l.], v. 45, n. 4, p. 1173-1196, ago. 2011.

ECCLESTON, Richard; KREVER, Richard. The future of federalism: Studies in fiscal federalism and state-local finance series. Cheltenham: Edward Elgar Publishing Limited. 2017.

ELALI, André. A crise financeira global sob a ótica da concorrência fiscal internacional. Revista Direito GV, São Paulo, v. 5, n. 2, p.405-424, jul. 2009.

SEDIYAMA, Gislaine Aparecida Santana; ANJOS, Daniela Araújo dos; FELIX, Eliane Maria. Transparência Pública Municipal: uma análise dos Municípios Mineiros que decretaram Calamidade Financeira. Gestão & Regionalidade, São Caetano do Sul, v. 35, n. 104, ago. 2019.

GENTIL, Denise; HERMANN, Jennifer. A política fiscal do primeiro governo Dilma Rousseff: ortodoxia e retrocesso. Economia e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 3, p.793-816, dez. 2017.

GIAMBIAGI, Fabio; ALÉM, Ana Cláudia. Finanças Públicas: Teoria e Prática no Brasil. 5 ed. rev. atual. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MARTINS, Alan; SCARDOELLI, Dimas Yamada. Direito Tributário para concursos. 2 ed. rev. atual. ampl. Rio de Janeiro: JusPODIVM, 2017.

MATEUS, Wilson Roberto. A edição de decretos municipais reconhecendo emergência ou calamidade financeira (?) e a sua validade frente à sistemática do direito financeiro. São Paulo: Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, 2017

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 23. ed. São Paulo: Malheiros, 1998.

MERCÊS, Guilherme; FREIRE, Nayara. Crise fiscal dos estados e o caso do Rio de Janeiro / State fiscal crises, and the case of Rio de Janeiro. Revista do Departamento de Geografia, Rio de Janeiro, n. 31, p.64-80, dez. 2017. Universidade de Estado do Rio de Janeiro.

MINAS GERAIS. Decreto 47.101, de 05 de dezembro de 2016. Decreta situação de calamidade financeira no âmbito do Estado. Decreto 47.101, de 05 de dezembro de 2016. Minas Gerais. Disponível em: < https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/ completa .html?tipo=DEC&num=47101&ano=2016>. Acesso em: 28 mar. 2018.

______. SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA. Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal do Estado de Minas Gerais: 2015-2017 (Décima Terceira Revisão). 2015 Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2018

______. SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA. Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal do Estado de Minas Gerais: 2017-2019 (Décima Quarta Revisão). 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2018

NADER, Giordanno. A economia política da política monetária no Primeiro Governo Dilma: uma análise sobre taxa de juros, convenção e rentismo no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 2 (63), p.547-575 ago.2018.

NOLASCO-SILVA, Leonardo; LOBIANCO, Vittorio. A Universidade Fluminense em tempos de calamidade pública: reflexões baseadas nos textos de Darcy Ribeiro. Revista Interinstitucional Artes de Educar, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p.47-63, jul. 2017.

OLIVEIRA, Francisco Cardozo; MEIRA JUNIOR, José Julberto. Uma análise pontual da intervenção estatal como meio de obtenção dos direitos fundamentais ante a realidade atual do estado brasileiro. Administração de Empresas em Revista, Curitiba, v. 17, n. 18, p.1-28, 2017.

PINHEIRO, Armando Castelar. Desafios e perspectivas da economia brasileira em 2004. Revista Interesse Nacional, v. 7, n. 25, jun. 2014.

RAUPP, Fabiano Maury; BEUREN, Ilse Maria. Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências Sociais. In: BEUREN, Ilse Maria (Org.) Como Elaborar Trabalhos monográficos em Contabilidade: Teoria e Prática. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2013.

RIO DE JANEIRO. Decreto 45.692, de 17 de junho de 2016. Decreta estado de calamidade pública, no âmbito da administração financeira do Estado do Rio de Janeiro, e dá outras providências. Decreto 45.692, de 17 de junho de 2016. Rio de Janeiro.

RODRIGUES, Auro de Jesus. Metodologia Científica. 4 ed. rev. ampl. Aracaju: Unit, 2011.

SANTOS, Angela Moulin S. Penalva; NAZARETH, Paula Alexandra. Crise fiscal e seus impactos nas relações interfederativas: O caso dos municípios fluminenses. Revista do Departamento de Geografia, Rio de Janeiro, n. 31, p.1-33, dez. 2017.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL - STN. Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais. 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2018.

SOBRAL, Bruno Leonardo Barth. A crise no estado do Rio de Janeiro entendida não apenas como uma questão financeira. Revista do Departamento de Geografia, Rio de Janeiro, n. 31, p.34-63, dez. 2017.

VIEIRA, José Guilherme Silva. Metodologia de pesquisa científica na prática. 1 ed. Curitiba: Editora Fael, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv3n4-004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.