Análise da ODS 5: igualdade de gênero nas organizações / Analysis of SDG 5: gender equality in organizations

Wesley Pereira Candido, Luan Ribeiro Canguçu

Resumo


A ODS (Objetivos de Desenvolvimento sustentável) possui diversos objetivos para sua agenda em 2030, são 17 metas para serem implementadas no ano citado, metas relacionadas a saúde, fome, violência e sustentabilidade, dentro delas temos a ODS 5 igualdade de gênero que preza pelo empoderamento e igualdade de todas as meninas e mulheres, combatendo a violência contra as mesmas e lutando por oportunidades iguais. A metodologia aplicada para este trabalho foi uma pesquisa bibliográfica descritiva de diversos autores e dados da ONU (Organização da Nações Unidas), tendo como finalidade estudar o avanço da ODS 5 dentro das organizações brasileiras em comparação com outros países, pesquisando índices comparativos em relação a desigualdade de gênero entre homens e mulheres empregados e em suas diferenças salarias ocupando cargos semelhantes, os resultados foram apresentados em gráficos, portanto ao fazer uma análise desses dados e materiais obtidos, constatamos  que os homens são a maioria dentro das organizações, mas esses índices vem diminuindo ao longo dos anos, visto que  a ODS 5 é uma das formas a se conseguir a plena igualdade.


Palavras-chave


Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, Igualdade de gênero, Organizações.

Texto completo:

PDF

Referências


AGENDA 2030. A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. 2015. Disponível em: http://www.agenda2030.com.br/sobre/. Acesso em: 12 mar. 2021.

AGENDA 2030 (Brasil). Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. [S. l.], 2021. Disponível em: http://www.agenda2030.org.br/ods/5/. Acesso em: 29 mar. 2021.

AGENDA 2030. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. 2016. Disponível em: www.agenda2030.com.br. Acesso em: 10 mar. 2021.

ALI, Faiza. Gender Equality at Workplace. Researchgate, California, ano 2015, n. 1, abr. 2015, p. 1-25.

ALVES, José; CAVENAGHI, Suzana. Indicadores de desigualdade de gênero no Brasil. Londrina, ano 2013, p. 83-105, 25 abr. 2013. DOI 10.5433/2176-6665.2013v18n1p83. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/ mediacoes/article/view/16472. Acesso em: 26 mar. 2021.

ARAÚJO, Rogério; LOZADA, Cláudia. Agenda ODS de 2030 da ONU: Avanços e retrocessos no Brasil - ODS 2. [s. l.], p. 1-17, maio 2019. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2019/05/4469b07a67b04efa34544ac66b2b4 4fa.pdf. Acesso em: 8 abr. 2021.

BRUNDTLAND, Gro. Report of the World Commission on Environment and Development: Our Common Future, 1987. Disponível em: https://ambiente.files.wordpress.com/2011/03/brundtland-report-our-common-future.pdf. Acesso em: 08 abr. 2021

BRUNETTO, Caroline. Igualdade de gênero - ODS 5. Paraná, p. 1-3, 9 abr. 2019. Disponível em: http://www2.oabpr.org.br/publico/comissoes/ods_5_artigo.pdf. Acesso em: 12 mar. 2021.

FEY, Angela. ODS 5 – Igualdade de gênero. Brasil: Bioblog, 22 mar. 2017. Disponível em: http://www.bioblog.com.br/ods-5-igualdade-de-genero/#:~:text=Nesse%20 contexto%2C%20o%20ODS%205seus%20direitos%20de%20forma%20igualit%C3% A1ria. Acesso em: 25 mar. 2021.

GALLO, Edmundo; SETTI, Andréia. Território, Intersetorialidade e escalas: requisitos para a efetividade dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Scielo Saúde Pública, São Paulo, p. 1-14, 11 nov. 2014.

GARCIA, Denise; GARCIA, Heloise. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e as novas perspectivas do desenvolvimento sustentável pela Organização das Nações Unidas. Porto Alegre, p. 192-206, 17 nov. 2016. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/revfacdir/article/download/69455/40499. Acesso em: 8 abr. 2021.

GERHARDT, Tatiana; SILVEIRA, Denise. Métodos de pesquisa. 1. ed. Rio Grande do Sul: Editora da UFRGS, 2009. ISBN 978-85-386-0071-8.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: Rendimento de todas as fontes 2019. 2020. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101709_informativo.pdf. Acesso em: 11 mar. 2021.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Brasil). ODS 5 - alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. Brasília: Livraria Ipea, 2019. 1-62p.

JAFNRÉTTISSTOFA (Islândia). Gender equality in Iceland. Akureyri: [s. n.], 2012. 90 p. Disponível em: https://www.stjornarradid.is/media/utanrikisraduneyti-media/media/mannrettindi/Gender-Equality-in-Iceland.pdf. Acesso em: 26 mar. 2021.

JONES, Peter; WYNN, Martin; HILLIER, David; COMFORT, Daphne. The Sustainable Development Goals and Information and Communication Technologies. Journal of Sustainability Accounting and Management, Indonesian, p. 1-15, 3 abr. 2017.

LIMA, Telma; MIOTO, Regina. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Pesquisa bibliográfica, Santa Catarina, p. 1-9, 3 abr. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rk/v10nspe/a0410spe.pdf. Acesso em: 22 mar. 2021.

OIT. Organização Internacional do Trabalho. (Brasília). Igualdade de Gênero e Raça no Trabalho: avanços e desafios. 1. ed. Brasília: [s. n.], 2010. 1-216 p. ISBN 9789228234763;9789228234770. Disponível em: https://www.ilo.org/wcmsp5/ groups/public/---americas/---ro-lima/---ilo-brasilia/documents/publication/wcms_ 229333.pdf. Acesso em: 8 mar. 2021.

OLIVON, Beatriz. Os países campeões na desigualdade entre homens e mulheres. [S. l.]: Exame., 22 mar. 2013. Disponível em: https://exame.com/mundo/os-paises-campeoes-na-desigualdade-entre-homens-e-mulheres/. Acesso em: 25 mar. 2021.

ONU. Transforming our world: the 2030 agenda for sustainable development. 2016. Disponível em: https://sdgs.un.org/. Acesso em: 09 abr. 2021.

ONU. Atividades de apoio ao avanço dos ODS no Brasil. 2021. Disponível em: https://www.unglobalcompact.org/interactive/sdgs/countries/24. Acesso em: 10 abr. 2021

PRONI, Thaíssa; PRONI, Marcelo. Discriminação de gênero em grandes empresas no Brasil. Revista Estudos Feministas, Santa Catarina, ano 2018, v. 26, n. 1, 8 fev. 2018. INSS 1806-9584. P. 1-21.

REZENDE, Milka. Desigualdade de gênero: Desigualdade de gênero é a desigualdade de poder entre homens e mulheres. [S. l.]: Mundo Educação, 22 mar. 2021. Disponível em: https://mundoeducacao.uol.com.br/sociologia/desigualdade-de-genero.htm#:~: text=Desigualdade%20de%20g%C3%AAnero%20%C3%A9%20a%20desigualdade%20de%20poder%20entre%20homens%20e%20mulheres.&text=Forma-se%20um%2 0c%C3%ADrculo%20vicioso,p%C3%BAblica%20e%20no%20ambiente%20familiar. Acesso em: 22 mar. 2021.

RFB. Receita Federal do Brasil. Painel de empresas. 2020. Disponível em: https://datasebrae.com.br/totaldeempresas/. Acesso em: 10 abr. 2021.

RFI (França). Islândia é 1° país do mundo a impor igualdade salarial entre homens e mulheres. G1, 4 jan. 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/islandia-e-1-pais-do-mundo-a-impor-igualdade-salarial-entre-homens-e-mulheres.ghtml. Acesso em: 25 mar. 2021.

SALVAGNI, Julice; CANABARRO, Janaina. Mulheres líderes: as desigualdades de gênero, carreira e família nas organizações de trabalho. Revista de gestão e secretariado, São Paulo, v. 6, ed. 2, p. 1-23, 24 jul. 2015.

SCHARF, Regina; MONZONI NETO, Mário; Manual de Negócios Sustentáveis: Como Aliar Rentabilidade e Meio Ambiente. São Paulo: Amigos da Terra Amazônia Brasileira; Fundação Getulio Vargas, Centro de Estudos em Sustentabilidade, 2004.

SSG SUSTENTABILIDADE. A importância dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Barueri: SSG Sustentabilidade, 29 jan. 2018. Disponível em: https://sgssustentabilidade.com.br/a-importancia-dos-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel/. Acesso em: 25 mar. 2021.

STROH, Paula et al. Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. INPSO-FUNDAJ, Instituto de Pesquisas Sociais-Fundação Joaquim Nabuco, Recife, 1994. 263p. Disponível em: ttp://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/Brasil/dipes-fundaj/20121129023744/cavalcanti1.pdf. Acesso em 11 mar. 2021.

TEIXEIRA, Marilane. Um olhar da economia feminista para as mulheres: os avanços e as permanências das mulheres no mundo do trabalho entre 2004 e 2013. Tese (Doutorado)– Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia, Campinas, 2017. 228 p.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv3n3-024

Apontamentos

  • Não há apontamentos.