Expansão e intensificação das culturas agrícolas no Bioma Cerrado na Região Centro-Oeste do Brasil / Expansion and intensification of agricultural crops in the Cerrado Biome in the Center-West Region of Brazil

Sirlei Tonello Tisott, Verônica Schmidt

Resumo


O Brasil está em evidência frente a questões que envolvem o desenvolvimento agrícola e programas de preservação ambiental, destacando-se mundialmente como um dos principais países produtores de alimentos e domínio de regiões prioritárias de conservação, que concentram altos níveis de biodiversidade. O objetivo deste estudo é analisar a dinâmica de expansão e intensificação das culturas da soja, milho e cana-de-açúcar no bioma cerrado na região Centro-oeste do Brasil, no período de 1993 a 2012, e sua interface com o ambiente socioeconômico e natural. A partir dos dados secundários, constatou-se uma tendência crescente de expansão e intensificação da atividade agrícola no bioma cerrado. O agronegócio gerou benefícios socioeconômicos e colaborou para a redução do déficit mundial de alimentos, no entanto, também contribuiu na redução da vegetação original. Mato Grosso do Sul e Goiás apresentam os menores níveis de vegetação natural remanescente, permanecendo apenas 23,9% e 34,5%, respectivamente.


Palavras-chave


Desenvolvimento agrícola. Desenvolvimento socioeconômico. Stakeholders. Biodiversidade

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, D. F.; OGLIARI, P. J. Estatística para as ciências agrárias e biológica: com noções de experimentação. Florianópolis: Ed da UFSC. 470p., 2010.

AZEVEDO, D. B. Diálogos entre stakeholders em redes de organizações de agronegócio na busca da mitigação dos efeitos da mudança climática: o caso do Instituto Agronegócio Responsável – Ares. 278p. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Agronegócios, 2010.

BARRETTO, A.G.O.P. Agricultural land-use expansion dynamics in Brazil. 147p. Tese (Doutorado). Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – Universidade de São Paulo, 2013.

BRUSSAARD, L. et al. Reconciling biodiversity conservation and food security: scientific challenges for a new agriculture. Current Opinion in Environmental Sustainability 2, 34-42, 2010.

CEPEA – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. 2013. Disponível em: http://cepea.esalq.usp.br/indicador/. Acesso em: Nov de 2013.

CLIFTON, D.; AMRAN, A. The stakeholder approach: a sustainability perspective. Journal of Business Ethics. 16 p. 2011.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução de Magda França Lopes. Porto Alegre: Sage, 2010.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa cerrado. Disponível em: http://www.cpac.embrapa.br/unidade/ocerrado/ Acesso em: Nov de 2013.

EWERT, F. et al. Future scenarios of European agricultural land use: estimating changes in crop productivity. Agriculture, Ecosystems and Environment. 107, 101-116, 2005.

FAO – Food and Agriculture Organization of the United Nations. FAO statistical yearbook 2013. Rome. Disponível em: http://www.fao.org/docrep/ Acesso em: Nov de 2013.

FERREIRA, J. et al. Towards environmentally sustainable agriculture in Brazil: challenges and opportunities for applied ecological research. Journal of Applied Ecology. 49, 535-541, 2012.

FOLEY et al. Global consequences of land use. Science. 309 (July), 570-574, 2005.

FREEMAN, R.E. et al. Stakeholder theory: the state of the art. e-Book, 2010. Disponível em: www.cambridge.org/9780521190817. Acesso em: Nov de 2013.

FREEMAN, R.E.; MCVEA, J. A stakeholder approach to strategic management. Darden Business School Working Paper, n° 01-02, 2001. Disponível em: http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=263511. Acesso em: Nov de 2013.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica, 2006. Censo Agropecuário 2006. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/agropecuaria/ censoagro/2006/.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2013. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/. Acesso em: Nov de 2013.

KLINK, C. A.; MACHADO, R. B. A conservação do cerrado brasileiro. Revista Megadiversidade. 1, 147-155, 2005.

MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Balança comercial brasileira e balança comercial do agronegócio: 1989 a 2012. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/internacional/indicadoreseestatisticas/balancacomercial Acesso em: Nov de 2013.

MATOS, P.F.; PESSÔA, V.L.S. A modernização da agricultura no Brasil e os novos usos do território. Revista Geo UERJ. 2 (22), 290-322, 2011.

MITCHELL, K. et al. Toward a theory of stakeholder identification and salience: defining the principle of who and what really counts. Academy of Management Review. 22 (4), 853-886, 1997.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. Conservação e uso sustentável. Disponível em: http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado/conservacao-e-uso-sustentavel. Acesso em: Nov de 2013.

MMA-IBAMA - Ministério do Meio Ambiente e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 2011. Monitoramento do Bioma Cerrado 2009-2010. Disponível em: http://www.mma.gov.br/florestas/controle-e-prevencao-do-desmatamento. Acesso em: Nov de 2013.

MMA-IBAMA - Ministério do Meio Ambiente e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 2009. Relatório técnico de monitoramento do desmatamento no bioma cerrado – 2002 a 2008. Disponível em: http://www.mma.gov.br/florestas/controle-e-prevencao-do-desmatamento. Acesso em: Nov de 2013.

MYERS, N. et al. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature. 403, 853-858, 2000.

OECD - Organisation for economic co-operation and development, 2013. Disponível em: http://www.oecd-ilibrary.org/economics. Acesso em: Nov de 2013.

PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Ranking IDHM Unidades da Federação 2010. Disponível em: http://www.pnud.org.br/atlas/ ranking/Ranking-IDHM-UF-2010.aspx. Acessado em: Nov de 2013.

QUEIROZ, F. A. Impactos da sojicultura de exportação sobre a biodiversidade do cerrado. Revista Sociedade e Natureza 21 (2), 193-209, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/13v21n2.pdf. Acesso em: Nov de 2013.

REZENDE, G. C. Ocupação agrícola e estrutura agrária no cerrado: o papel do preço da terra, dos recursos naturais e da tecnologia. Texto para discussão n° 913. IPEA – Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: http://www.livrosgratis.com.br/arquivos_livros/td_0913.pdf. Acesso em: Nov de 2013.

SCHROTH, G.; MCNEELY, J. A. Biodiversity conservation, ecosystem services and livelihoods in tropical landscapes: towards a common agenda. Environmental Management. v. 48, p. 229–236, 2011.

SILVEIRA CUNHA, N.R.S. et al. A intensidade da exploração agropecuária como indicador da degradação ambiental na região dos cerrados, Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural 46 (2), 291-323, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv3n3-020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.