A utilização dos plásticos biodegradáveis e de fontes renováveis em São Lourenço do Oeste / The use of biodegradable plastics and renewable sources in São Lourenço do Oeste

João Francisco Ribeiro de Oliveira, Cleberton Franceski

Resumo


O artigo em questão apresenta os resultados de uma pesquisa qualitativa, que teve a finalidade de, através da análise sintetizar o aprofundamento sobre a utilização dos produtos biodegradáveis e de fontes renováveis por parte das empresas do município de São Lourenço do Oeste. Em meio á ênfase ouve a análise e a inter-relação entre os idealizadores do artigo, a contribuição de renomados autores para o modulo contextual, pesquisas político-sociais, e a pesquisa externa para fins interpretativos. Resultando então na percepção positiva sobre os produtos biodegradáveis, e juntamente a apresentação de soluções plausíveis para o uso de tais, observando-se assim que basta apenas a plena conscientização dos empresários e consumidores, para a integração definitiva dos produtos biodegradáveis.

Palavras-chave


Informação, conscientização, abnegação, preservação ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri; LEROY, Jean, P. Novas premissas da sustentabilidade democrática. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 1, 1999.

ALVES, Z.M; SILVA, M.H. Paidéia, FFCLRP, USP, R. Preto, 2, Fev/Jul, 1992.

BRITO,F.G; AGRAWAL,P; ARAÚJO, E.E; MELO,A.J.T. Biopolímeros, Polímeros Biodegradáveis e Polímeros Verdes. Revista Eletrônica de Materiais e Processos v 6,2, 127-139. Campina Grande PB,2011. BARBOSA, Gisele. O desafio do desenvolvimento sustentável. Disponível em: http://www.fsma.edu.br/visoes/ed04/4ed_O_Desafio_Do_Desenvolvimento_Sustentavel_Gisele.pdf. Acesso em 26 mar. 2015.

BEZERRA, M. C. L.; BURSZTYN, M. (cood.). Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento sustentável. Brasília: Ministério do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis: Consórcio CDS/ UNB/ Abipti, 2000.

BRENNER, Charles. Noções básicas de Psicanálise. 5ª Ed. São Paulo: Editora Imago, 2012.

CMMAD. Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. 2ª ed. Tradução de Our comum future. 1ª ed. 1988. Rio de Janeiro: Editorada fundação Getúlio Vargas, 1991.

CARTA DA TERRA- Organização das Nações Unidas, 2002.

CARTA DE OTTAWA. Primeira Conferência Internacional sobre a Promoção da Saúde, Ottawa,1986.

DMITRUK, Hilda Beatriz. Diretrizes do trabalho científico, Caderno metodológico 8º ed. Chapecó: Editora Argos 2013.

ECODESENVOLVIMENTO. Eco-desenvolvimento básico das embalagens biodegradáveis. Disponível em: http://www.ecodesem volvimento.org/post/2012/maio/ecod-basico-embalagens-biodegradaveis. Acesso em 25 mar. 2015.

FERNANDES, F. A. M. O papel da mídia na defesa do meio ambiente. Taubaté: UNITAU, 2001).

GORE, Al. Entrevistas da revista Milênio. Editora Globo, 2006

GODOY, A.S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas da EAESP, São Paulo, v. 35, n.2, p.57-63, mar/ abr, 1995.

HYPENESS. Empregador produz plástico biodegradável usando mandioca. Disponível em: http://www.hypeness.com.br /2014/12/empregador-produz-plastico-biodegradavel-usando/mandioca. Acesso em 26 mar. 2015.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Tradução de Heloísa Monteiro e Francisco Settineri. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1999. 340 p

MMA, Ministério do Meio Ambiente. Uso de materiais menos agressivos ao meio ambiente na fabricação de embalagens. Disponível em: http://www.mma.gov/componente/k2/item/7653-uso-de-materias-menos-agressivos-ao-meio-ambiente-na–fabricação – das-embalagens. Acesso em: 25 mar. 2015.

MUNICIPIO DE SÃO LOURENÇO DO OESTE. Histórico do município. Disponível em: http://ww w.saolourenco.sc.gov.br/.Acesso em 26 mar. 2015.PEREIRA, Daniel. Sacolas plásticas x meio ambiente. Disponível em: http://www.sermelhor.com.br/ecologia/sacolas-plasticas-x-meio-ambiente.html-by-daniel pereira-2007. Acesso em 26 mar. 2015.

PEDRO, Sr. Entrevista sobre embalagens biodegradáveis. Entrevista concebida em meio aos questionários relacionados ao artigo. Mercado Ítalo. São Lourenço do Oeste. (2015).

RAMOS, F. A. Meio ambiente e meios de comunicação. São Paulo: AnnabluMe/FAPESP, 1995. RODOLFO, Filho. Desenvolvimento sustentável. Disponível em: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/conteudo_296387. shtml. Acesso em 26 mar. 2015.

TEIXEIRA, E. As três metodologias: acadêmica, da ciência e da pesquisa. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006. 203 p.

UEC,CRF. Consumo responsável de sacolas plástico. Instituto Nacional do Plástico. Disponível em: http://www.inp.org.br/pt/downloads/OXI-Estudo-UNIV-CALIFORNIA.pdf. Acesso em 25 mar. 2015.

VEIGA, José Eli da. Cidades Imaginárias –o Brasil é menos urbano do que se calcula. Campinas: Editora da Unicamp, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv3n2-026

Apontamentos

  • Não há apontamentos.