A intercooperação aplicada ao modelo de agências compartilhadas de cooperativas de crédito / Intercooperation applied to the model of shared agencies for credit cooperatives

Mateus Dias Pena, Marlene Catarina de Oliveira Lopes Melo

Resumo


Este artigo consiste no estudo de viabilidade, sob a ótica do princípio da intercooperação, do modelo de estruturação em agências compartilhadas de Cooperativas de Crédito, segundo a perspectiva dos colaboradores. Para perseguir o objetivo, foram analisados os principais benefícios e desafios da intercooperação em um Posto de Atendimento compartilhado por cooperativas “concorrentes”. Em termos metodológicos, a coleta de dados contemplou 10 (dez) entrevistas semiestruturadas com colaboradores que trabalham em uma recém inaugurada agência compartilhada, realizando um paralelo com o formato tradicional de agências. Os resultados obtidos demonstraram que o modelo persegue os propósitos cooperativistas, notadamente no tocante a intercooperação, e que o mesmo possui acepções futuras do mercado financeiro. Contudo, por se tratar de uma experiência inovadora no segmento, a pesquisa realizada identificou pontos de melhoria com vistas a aprimorar a intercooperação entre as cooperativas participantes que, atualmente, apesar de partilharem o espaço fisico, ainda possuem atuação isolada.


Palavras-chave


Intercooperação. Agência compartilhada. Economia colaborativa. Cooperativismo financeiro.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

CENZI, Nerii Luiz. Cooperativismo: desde as origens ao projeto de Lei de reforma do sistema cooperativo Brasileiro. 2 ed. reimpressão (2012). Curitiba: Juruá, 2012.

FLICK, Uwe. Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GOMES, Dirceu Herrero. SICOOB Metropolitano: um sonho que se tornou realidade. 2 ed. Brasília/DF: Confebras, 2012.

MACHADO, Sandra Mary Cohim Farias. Gestão de Cooperativa: um estudo de caso. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social) – Faculdade de Ciências Contábeis Fundação Visconde de Cairu. 2006, 167 p.

MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2003.

MATOS, M. A.; NINAUT, E. S. O cooperativismo frente às perspectivas econômicas. INFOTEC: Informativo Técnico do Sistema OCB, n. 2, 2007. 9 p. Disponível em: . Acesso em: 26 set 2019.

MEINEN, Ênio. Intercooperação: não basta pregar! 19 de novembro de 2018– Disponível em: https://cooperativismodecredito.coop.br/2018/11/intercooperacao-nao-basta-pregar-por-enio-meinen/. Acesso em: 24 set 2019.

MEINEN, Ênio; PORT, Marcio. Cooperativismo financeiro: percurso histórico, perspectivas e desafios. Brasília: Confebras, 2014. 550p.

OCB – Documento Base do 14º Congresso Brasileiro do Cooperativismo – Intercooperação, 2019. Disponível em: http://cbc.coop.br/wp-content/uploads/2019/04/ Intercoopera%C3%A7%C3%A3o.pdf . Acesso em: 16 de set 2019.

PINHEIRO, Marcos Antônio Henriques. Cooperativas de crédito: história da evolução normativa no Brasil. Brasilia: BCB, 2008.

REISDORFER, Vitor Kochhann. Introdução ao cooperativismo. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Colégio Politécnico, Rede e-Tec Brasil, 2014.

SCHNEIDER, José Odelso. Cooperativismo e desenvolvimento sustentável. Revista Otra Economía. V.09, n.16, São Leopoldo Jan./Jun. 2015: 94-104 Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/otraeconomia/article/viewFile/otra.2015.916.07/4674. Acesso em: 02 fev. 2020

SOUSA NETO, J. A.; REIS, D. A. Os Impactos da Governança Corporativa em uma Cooperativa de Crédito. Revista Gestão e Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 15, n. 2, p. 211-234, mai./ago. 2015.

SESCOOP - Cooperativismo de crédito: boas práticas no Brasil e no mundo. Brasília: Farol Estratégias em Comunicação, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv3n1-062

Apontamentos

  • Não há apontamentos.