A flexibilidade estratégica como influenciadora no processo de criação, configuração e apropriação de valor: um estudo de caso em uma empresa de telecomunicações / Strategic flexibility as an influencer in the value creation, configuration and appropriation value: case study in a telecommunications company

Dirceu Gonçalves Cesar, Douglas Vieira da Silva

Resumo


O estudo apresentado a seguir analisa a estrutura disponível por uma organização atuante no mercado de telecomunicações, com atuação no mercado brasileiro e em países localizados na América Latina e Europa, quanto à sua capacidade de incorporar novos negócios a partir de uma análise do tripé Criação, Configuração e Apropriação de Valor. Para tal, buscou-se conhecer a Flexibilidade Estratégica da organização através de uma pesquisa de natureza exploratória qualitativa, junto à executivos das áreas de Marketing, Planejamento Estratégico e Operações. A coleta de dados foi realizada e tratada através da análise de conteúdo. O referente estudo resultou na identificação de ações e estratégias alinhadas ao tripé Criação, Configuração e Apropriação de Valor, bem como permitiu compreender os rumos que esta organização irá tomar quanto ao seu Modelo de Negócios em um mercado altamente competitivo e dinâmico, através de uma Flexibilidade Estratégica que a permita estar bem posicionada no mercado em que atua como um dos maiores players.  


Palavras-chave


Flexibilidade Estratégica, Criação de Valor, Configuração de Valor, Apropriação de Valor, Modelos de Negócios.

Texto completo:

PDF

Referências


AMIT, R.; ZOTT, C. Value creation in e-business. Strategic Management Journal, v. 22, p. 493- 520, 2001.

ANSOFF, H. Igor & MCDONNELL, Edward J. Implantando a administração estratégica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1993.

BARNEY, Jay B. Looking inside for competitive advantage. The Academy of Management Executive, v. 9, n. 4, p. 49, nov. 1995.

BARRETO, A.F.; POZO, H. A Flexibilidade Organizacional como fator estratégico para a obtenção de vantagem competitiva: Um estudo nas pequenas indústrias metalúrgicas da região de Osasco (SP). Gestão e Regionalidade, v. 27, n. 80, 2011.

CHESBROUGH, H; ROSENBLOOM, R.S. The role of the business model in capturing value from innovation: evidence from Xerox Corporation’s technology spin-off companies. Industrial and Corporate Change, v. 11, n.3, p. 529-555, 2002.

CORREA, D. A.; SACOMANO NETO, M.; SPERS, V. R. E; GIULIANI, A. C. Inovação, Sustentabilidade e Responsabilidade Social: análise da experiência de uma empresa de equipamentos pesados. RGSA – Revista de Gestão Social e Ambiental, v.4, n.3, p. 90-105, 2010.

FOSS, N.J.; STIEGLITZ, N. Business model innovation: the role of leadership. Business Model Innovation: The Organizational Dimension, 2014.

GHEMAWAT, P. A Estratégia e o Cenário dos Negócios – Texto e Casos. 1 ed. Porto Alegre, Bookman, 2000.

HOOPES, D. G.; MADSEN, T. L.; WALKER, G. Guest editors' introduction to the special issue: why is there a resource‐based view? Toward a theory of competitive heterogeneity. Strategic Management Journal, v. 24, 2003.

ITO, N. C.; JUNIOR, P. H.; GIMENEZ, F.A.P.; FENSTERSELFER, J.E. Valor e Vantagem Competitiva: Buscando Definições, Relações e Repercussões. RAC, Rio de Janeiro, v.6, n.2, p. 290-307, Mar/abr. 2012.

KRAMER, Mark R.; PORTER, Michael E. Creating shared value. Harvard Business Review, 2011.

LEPAK, D.P., SMITH, K.G., TAYLOR, M.S. Value creation and value capture: a multilevel perspective. Academy of Management Review, v. 32, n.1, p. 180-194, 2007.

MILLER, D. Configurations of strategy and structure: Towards a synthesis. Strategic Management Journal, 7, p. 233-249, 1986.

MINTZBERG, Henry. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. São Paulo: Atlas, 2009.

OSTERWALDER, A.; PIGNEUR, Y. Business model generation. New Jersey: John Wiley & Sons, 2010.

OSTERWALDER, A.; PIGNEUR, Y. Business model generation. New Jersey: John Wiley & Sons, 2010.

PISANO, G. Profiting from innovation and the intellectual property revolution. Research

Policy, v. 35, p. 1122-1130, 2006.

POWELL T.C. Competitive advantage: logical and philosophical considerations. Strategic Management Journal, 2001.

STABELL, C. B.; FJELDSTAD, D. Configuring value for competitive advantage: on chains, shops, and networks. Strategic Management Journal, Norway, v. 19, n. 5, p. 413-437, 1998.

TEECE, D. Profiting from technological innovation: Implications for integration, collaboration, licensing and public policy. Research Policy, v. 15 p. 285-305, 1986.

TEECE, D. Profiting from technological innovation: Implications for integration, collaboration, licensing and public policy. Research Policy, 15 p. 285-305, 1986.

TELEBRASIL - Associação Brasileira de Telecomunicações. O Setor de Telecomunicações no Brasil: Uma Visão Estruturada. Disponível em: http://www.telebrasil.org.br/panorama-do-setor/o-setor-de-telecomunicacoes. Acesso em: 14/08/2018.

VOLBERDA, H.W. Toward the Flexible Form: How to Remain Vital in Hypercompetitive Environments. Organization Science, v.7, n. 4, p. 359-374, jul. -Aug., 1996

WANKE, P. F. Dinâmica da Estratégia Logística em Empresas Brasileiras. ERA – Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 4, 2005, p. 22-35, 2005.

ZUBAC, Angelina; HUBBARD, Graham; JOHNSON, Lester W. The RBV and value creation: a managerial perspective. European Business Review, v. 22, n. 5, p. 515-538, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv3n1-028

Apontamentos

  • Não há apontamentos.